Organização Não Governamental, cobra mais participação popular nas decisões da Copa de 2014

Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.

Mais participação popular nas decisões envolvendo investimentos públicos nas obras da Copa de 2014 e garantia de legados concretos para o país são reivindicações feitas pela organização não governamental (ONG) Comitê Popular da Copa e das Olimpíadas do Rio de Janeiro. O grupo chegou a fazer protestos e panfletagem durante a feira Soccerex Global Convention, que terminou ontem (29/11/2011) no Forte de Copacabana, reunindo grandes empresas mundiais ligadas ao futebol.

Uma das críticas da ONG refere-se à elitização do esporte, com ingressos cada vez mais inacessíveis à população de baixa renda, que perdeu espaços nos estádios, com o fechamento de áreas tradicionais e baratas, como as arquibancadas da geral, substituídas por setores com cadeiras numeradas.

“O futebol começou como um esporte elitista e depois se tornou popular. Agora corre o risco de se tornar elitista novamente. Com o preço médio praticado em muitos estádios, uma família com quatro pessoas gasta mais de R$ 100 para assistir a uma partida”, alertou Renato Cosentino, integrante do Comitê Popular da Copa e das Olimpíadas.

Pós-graduado em Política e Planejamento Urbano pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Cosentino também criticou a pouca participação popular nos projetos referentes à Copa de 2014 e às Olimpíadas de 2016. “É difícil saber quanto custa cada obra. Falta discussão pública”, ressaltou o pesquisador.

Para ele, isso acaba inviabilizando os prometidos legados esportivos, sempre citados quando o assunto é investir milhões de reais em obras. “Reformamos o Maracanã para os Jogos Pan-Americanos de 2007, ao custo de R$ 400 milhões, com a justificativa de que ele ficaria para uma futura Copa do Mundo ou uma Olimpíada. Agora estamos gastando quase R$ 1 bilhão novamente. O mesmo aconteceu com o Parque Aquático Maria Lenk e já se fala em construir outro complexo de piscinas”, destacou.

Para os empresários e agentes públicos envolvidos na Soccerex, a Copa de 2014 garantirá legados para a população brasileira, principalmente com a construção de estádios e o aumento do fluxo de turistas durante e após a competição. Segundo o diretor executivo de Operações e Competições do Comitê Organizador Local, Ricardo Trade, a Copa vai movimentar um total de R$ 112 bilhões até 2014. Segundo ele, até 2016, serão investidos R$ 22 bilhões em infraestrutura.

“Haverá um legado para o turismo, com a consolidação de uma nova imagem do país e o aumento progressivo de turistas e de divisas. Só para os jogos da Copa são esperados 600 mil visitantes”, disse Trade, durante palestra para empresários e especialistas em marketing esportivo.

A visão é compartilhada pelo ex-capitão do time que ganhou a Copa de 70, Carlos Alberto Torres. “Hoje, os turistas praticamente só ouvem falar em Copacabana e Ipanema. Desconhecem as praias do Nordeste, o Pantanal, Foz do Iguaçu e a Amazônia. Depois que conhecerem o país durante a Copa, vão voltar sempre”, disse Carlos Alberto, que participou de uma mesa-redonda com outros craques do passado.

*Com informações: Agência Brasil

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 116690 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.