Itapuã, praia mineira

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
itapua-praia-mineira
itapua-praia-mineira

É dito que mineiro não tem direito ao mar. Porém, dessa vez pegaram emprestado da Bahia. Assim aconteceu. O legendário bairro praieiro de Itapuã para lá se transferiu, na verve inspirada do poeta Fernando Coelho, autor do épico-afetivo livro.

Na terça-feira, 22 de novembro, início de noite, o happy hour paulistano se tornou mais atraente no bairro de Pinheiros, com o lançamento do livro de poema “Balada de Itapuã”, no bar-restaurante Consulado Mineiro, na carismática Praça Benedito Calixto.

É dito que mineiro não tem direito ao mar. Porém, dessa vez pegaram emprestado da Bahia. Assim aconteceu. O legendário bairro praieiro de Itapuã para lá se transferiu, na verve inspirada do poeta Fernando Coelho, autor do épico-afetivo livro.

Sobre o lugar: o Consulado Mineiro, inaugurado em 1991, a muito já é uma lenda urbana. Contribui para isso a sua estratégica localização. Nos sábados, charmosa feira de antiguidades ocorre na praça logo ali em frente e isso concorre para uma fluência constante de velhos e novos clientes.

Lendário o lugar, lendário o dono. Geraldo Magela faz parte daquela confraria de bons anfitriões da estirpe de um Luciano Ferreira, que manda lembranças lá da Itapuã original. Bom de papo, Geraldo se notabiliza por seus causos, que diverte aqueles que têm a oportunidade de ouvi-lo: narra a sua trajetória de funcionário público à bodegueiro de sucesso; de mochileiro à proeminente empresário da noite paulista.

Boêmio de vocação, o seu consulado mineiro funcionava numa afamada república de estudantes, na esquina da Avenida Paulista com a Consolação, em cima de um outro legendário bar da cidade, o extinto Riviera — muitos juram que ali flertaram com a Rê Bordosa do saudoso Glauco.

O simpático bar restaurante de comidinhas mineira continua esta exitosa e surpreendente história. O maior patrimônio do botequim são os amigos clientes, gente do naipe de um Fernando Coelho, sócio fundador do Consulado Mineiro de Letras, com direita à mesa número 12 e nome de disputada sala — a qual o poeta tem que zelar antes que algum aventureiro lance mão.

Voltando à propalada noite… numerosa e seleta turba afluiu ao evento, comprovando o prestígio social e qualidade literária do autor.

Este que vos escreve para lá também se dirigiu, capitaneado pela consorte e dileta filha, singrando os mares da Bahia, para abraçar e parabenizar o amigo poeta.

Eu tive a honra e alegria de ser um dos prefaciadores e apresentadores do já clássico poema da literatura brasileira, este “Balada de Itapuã”.

Generosamente, o zoonímico poeta tinha me agraciado no cartaz-convite, ao dizer que “o escritor Juarez Bomfim convida”… para o lançamento da grandiosa obra.

Assim autorizado, fiz da praia dos mineiros um ponto de encontro com os velhos amigos paulistanos, pois à efeméride acorreram a senhora minha sogra, dona Dagmar, e seus familiares: o Tonico, a Silvia e a bela Silvinha, que registrou na sua máquina fotográfica os bons momentos ali vividos. Para abrilhantar ainda mais o acontecimento, Daguinha, minha sogra, se fez acompanhar das provectas senhoras amigas Miri e Eliza.

Ah, e tive a satisfação da companhia dos amigos Sergio Sdrous e Lizzy Amaral, Marcos Botassi e Marcia Otonni que prestigiaram o evento; assim como a vaporosa amiga Débora Salgueiro.

Ah a professora Débora… de modesto prefaciador me erigiu em autor da citada obra-prima… e queria me roubar um autógrafo! Não, amiga Débora, juro que sou apenas um mero humilde coadjuvante… ai quem me dera ter tão inspirada verve…

Das dezenas de ilustres convidados do Coelho poeta deixo que ele mesmo fale e lembre, como contumaz adicto das novas redes sociais.

A noite chegava ao fim… não para mim, que corria para distante aeroporto, de volta a Salvador e Feira de Santana, devido a compromissos acadêmicos inadiáveis.

Confira fotos:

Loading Images
wpif2_loading
itapua-praia-mineira
itapua-praia-mineira
itapua-praia-mineira
itapua-praia-mineira
itapua-praia-mineira
itapua-praia-mineira
itapua-praia-mineira
itapua-praia-mineira

Sobre Juarez Duarte Bomfim 742 Artigos
Baiano de Salvador, Juarez Duarte Bomfim é sociólogo e mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), doutor em Geografia Humana pela Universidade de Salamanca, Espanha; e professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Tem trabalhos publicados no campo da Sociologia, Ciência Política, Teoria das Organizações e Geografia Humana. Diversas outras publicações também sobre religiosidade e espiritualidade. Suas aventuras poético-literárias são divulgadas no Blog abrigado no Jornal Grande Bahia. E-mail para contato: [email protected]