Governador Jaques Wagner trata candidatura de Zé Neto, em Feira de Santana, como objetivo hegemônico do partido na Bahia

Governador Jaques Wagner apoia o aliado e líder do governo na ALBA, Zé Neto, como candidato estratégico do PT a prefeitura de Feira de Santana e fala em projeto hegemônico do partido.
Governador Jaques Wagner apoia o aliado e líder do governo na ALBA, Zé Neto, como candidato estratégico do PT a prefeitura de Feira de Santana e fala em projeto hegemônico do partido.
Governador Jaques Wagner apoia o aliado e líder do governo na ALBA, Zé Neto, como candidato estratégico do PT a prefeitura de Feira de Santana e fala em projeto hegemônico do partido.
Governador Jaques Wagner apoia o aliado e líder do governo na ALBA, Zé Neto, como candidato estratégico do PT a prefeitura de Feira de Santana e fala em projeto hegemônico do partido.

Durante reunião do Diretório Estadual do Partido dos Trabalhadores, que ocorreu em Salvador, neste sábado (05/11/2011), o governador Jaques Wagner comentou que “o rumo que se tem pela frente é o da manutenção da hegemonia conquistada nas urnas em 2006 e 2010”, e continuou, “o PT é o preferido da população e acumula um patrimônio imensurável”.

Ele foi taxativo ao afirmar que o candidato do PT e do governo, em Feira de Santana, é o deputado estadual Zé Neto. Declarando: “Vamos trabalhar em Salvador e nas grandes cidades, como Feira de Santana, Alagoinhas, Ilhéus, Itabuna e Vitória da Conquista, para que tenhamos vitória.”.

O site de notícias, Bahia Todo Dia, entrevistou Jaques Wagner e publicou o seguinte comentário:

“E se o deputado federal Sérgio Carneiro (PT) ainda pensa em conversar com o governador buscando apoio para ser o candidato do partido em Feira de Santana, a hora é de se recolher. Wagner, ao BAHIA TODO DIA, falou que o candidato da legenda na segunda maior cidade baiana é o deputado estadual Zé Neto, líder do governo na Assembleia Legislativa”.

Reunião do PT

Como resultado da reunião, o Diretório Estadual do Partido dos Trabalhadores, decidiu que:

Os partidos que integram a aliança da candidatura Dilma tem a prioridade nas composições locais;

Aqueles que mesmo não integrando essa aliança (com Dilma), mas estiveram na aliança na Bahia (com Wagner), também serão priorizados;

As forças que não estiveram na aliança nacional nem na estadual, mas desejem compor alianças locais, na lógica do enfrentamento aos adversários DEM e PSDB, tem espaço;

Partidos que não fizeram composição política dispersa em 2010 e que não firmaram projetos, estaduais ou nacionais, poderão integrar o esforço da unidade;

A Resolução afirma que cabe ao diretório municipal um esforço para a manutenção da unidade do partido, construindo consensos sobre táticas, alianças e candidaturas proporcionais e majoritárias. Também faz uma advertência: evitar a luta interna, pois isso leva o partido a perder espaço e a condição de liderança e influência junto aos demais partidos da base aliado do governo estadual. Portanto, conclui o documento, “a orientação é evitar a polarização e disputa radicalizada, construir o diálogo interno para fortalecer o papel dirigente do PT”.

Críticas a Geddel

Wagner aproveitou a oportunidade e alfinetou seu principal adversário, Geddel Vieira Lima, ao afirmar que “tinha gente que fazia crítica ao nosso governo. Tinha saudade do autoritarismo e terminou derrotado nas urnas.”.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Carlos Augusto 9752 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).