Em Irecê, descubra como Ministério da Integração, CODEVASF e Prefeituras jogam no ralo da negligência milhares de reais dos contribuintes

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
em-irece-descubra-como-ministerio-da-integracao-codevasf-e-prefeituras-jogam-no-ralo-da-negligencia-milhares-de-reais-dos-contribuintes
em-irece-descubra-como-ministerio-da-integracao-codevasf-e-prefeituras-jogam-no-ralo-da-negligencia-milhares-de-reais-dos-contribuintes
O projeto de recomposição de matas ciliares ao longo das bacias hidrográficas formadas pelos rios Verde e Jacaré encontra-se totalmente abandonado e degrado.
O projeto de recomposição de matas ciliares ao longo das bacias hidrográficas formadas pelos rios Verde e Jacaré encontra-se totalmente abandonado e degrado.

O projeto de recomposição de matas ciliares ao longo das bacias hidrográficas formadas pelos rios Verde e Jacaré encontra-se totalmente abandonado e degrado. A sede do projeto fica no município de Irecê, e o empreendimento foi planejado pelo Ministério da Integração, tendo como órgão executor a CODEVASF.

Em um esquema de rodízio, municípios que pactuaram com o Governo Federal assumem a gestão do projeto. Atualmente, o secretário do meio ambiente de Irecê, João Gonçalves, seria o responsável pelo projeto. Mas, ao visitar o viveiro de mudas, deparou-se com a essência do descaso e descompromisso com o dinheiro público, que resulta na continuidade da devastação do meio ambiente.

“Ao visitar as instalações do viveiro, o encontramos em situação inaceitável e na semana passada emitimos ofício cancelando a parceria e sugerindo ao secretário de agricultura de Irecê, Joaci Nunes de Souza (Dóia), uma sindicância para apurar as motivações que resultaram na desestruturação do viveiro.”, explica João Gonçalves.

Além da situação de abandono, Gonçalves avalia que as espécies definidas para o projeto não são adequadas para a região, e explica, “dentre as diversas espécies de mudas, 70 mil foram de algaroba, absolutamente indevidas para o objetivo do projeto”.

Sobre Carlos Augusto 9652 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).