Diretor do BC diz que desequilíbrios regionais estão na raiz da crise mundial

Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.

Os desequilíbrios globais entre padrões diferentes de poupança e consumo, que se refletem nos balanços de pagamentos das grandes zonas econômicas, formam o pano de fundo da crise econômica iniciada em 2008 e que ainda gera tantas incertezas nos dias de hoje. Principalmente quanto ao ritmo da recuperação da atividade produtiva na Europa e nos Estados Unidos.

O diagnóstico foi feito hoje (08/11/2011) pelo diretor de Normas e Organização do Sistema Financeiro (Dinor) do Banco Central, Luiz Awazu Pereira da Silva, na instalação do 2º Colóquio Internacional Poupança, Investimento e Moeda no Brasil: Perspectivas Franco-Brasileiras, que se estende até amanhã (9) e conta com a participação de autoridades financeiras de cinco países.

Awazu ressaltou que o colóquio ganha relevância no contexto atual de “grandes complexidades e desafios para a economia global” e que o compartilhamento de perspectivas internacionais sobre o financiamento sustentável do crescimento é fundamental para a identificação de estratégias voltadas à recuperação da atividade econômica.

Na análise do diretor do BC, o ciclo de crescimento global pré-crise tinha fragilidades estruturais, como excessos de consumo e poupança, que necessitavam de reformas para o reequilíbrio do setor, de maneira coordenada em todas as zonas da economia global. Mas as mudanças não vieram a tempo, segundo ele, e o excesso de consumo até exacerbou-se, ativado pelo crédito e pela intermediação financeira.

A situação revelou vulnerabilidades nos bancos, excesso de endividamento das empresas e das famílias, além da combinação de fatores conjunturais nos EUA e na Europa, que tornaram o ambiente econômico internacional “especialmente volátil e complexo”, com impacto negativo na confiança dos agentes econômicos, nas perspectivas de crescimento de economias maduras e na repercussão em economias emergentes.

Ele salientou, contudo, a “relativa tranquilidade” com que a economia brasileira e o sistema financeiro nacional (SFN) têm atravessado as turbulências do mercado mundial. Reflexo, segundo ele, da “solidez dos resultados do nosso arcabouço macroeconômico e de sua capacidade de reação rápida a eventos de crise”, por causa da profunda transformação implantada no país há mais de uma década, firmada no tripé de um regime de metas de inflação, câmbio flutuante e consolidação fiscal. A isso, Awazu acrescentou o quadro de “regulação prudencial” do sistema financeiro local mais rigoroso que na maioria dos países.

*Com informações: Agência Brasil

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 112875 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]