Com R$ 109,5 milhões EMBASA promete acabar com a falta de água em Feira de Santana. Confira as entrevistas com Abelardo de Oliveira e Zé Neto

Abelardo de Oliveira Filho.
Abelardo de Oliveira Filho.
Abelardo de Oliveira Filho: Feira de Santana, assim como outras cidades, cresceu muito, e o atual sistema não dava mais conta, principalmente na área Norte da cidade. Nós agora iremos investir R$ 45 milhões para melhorar o abastecimento.
Abelardo de Oliveira Filho: Feira de Santana, assim como outras cidades, cresceu muito, e o atual sistema não dava mais conta, principalmente na área Norte da cidade. Nós agora iremos investir R$ 45 milhões para melhorar o abastecimento.

O presidente da EMBASA (Empresa Baiana de Água e Saneamento), Abelardo de Oliveira Filho, explica com exclusividade ao Jornal Grande Bahia (JGB) os novos investimentos que a empresa pretende realizar em Feira de Santana, a partir do contrato assinado com o PAC 2. Segundo Abelardo, serão investidos cerca de R$ 109,5 milhões no sistema de abastecimento de água de Feira de Santana. Estão previstas, inclusive, a construção de dois reservatórios de água de grande porte.

Jornal Grande Bahia – O Senhor poderia nos falar sobre os investimentos que estão programados para serem realizados em Feira de Santana?

Abelardo Oliveira – Primeiro dizer que o Programa Água para Todos, é um programa que está mudando a face do Estado da Bahia. A EMBASA está com R$ 5,7 bilhões investidos em mais de 300 municípios, e particularmente aqui em Feira de Santana, com os três novos contratos que iremos assinar em dezembro (2011) a partir do PAC 2. Com isto, nós iremos atingir R$ 250 milhões de investimentos em água e esgotamento sanitário em Feira de Santana. Então isso significa muito, porque trás benefício real para a população, qualidade de vida, saúde, e desenvolvimento social e econômico e sustentável para a região de Feira de Santana.

JGB – Feira de Santana, de período em período, sofre com problemas de abastecimento de água em alguns bairros. Esses investimentos vão sanar esses problemas? 

Abelardo Oliveira – Feira de Santana, assim como outras cidades, cresceu muito, e o atual sistema não dava mais conta, principalmente na área Norte da cidade. Nós agora iremos investir R$ 45 milhões para melhorar o abastecimento dessas áreas. Estamos pensando no futuro, pensando em elaborar novos projetos, considerando o grande crescimento e desenvolvimento de Feira de Santana.

Então esses recursos irão praticamente resolver o problema dessas áreas críticas. Mas nós precisamos de mais investimentos, e por isso, estamos pensando no futuro, em começar a elaborar a ampliação da estação de tratamento, ampliar todo o sistema para que a população de Feira de Santana possa ter tranquilidade nos próximos 20 anos.

Queria aqui aproveitar para dizer que também iremos investir em abastecimento de água em Amélia Rodrigues, que é um sistema crítico, e também no sistema de Santos Estêvão, que é outro sistema integrado crítico. Esses contratos deverão ser assinados em março do ano que vem (2012), já foram selecionados e, portanto, iremos resolver o problema dessas duas cidades da região de Feira de Santana.

JGB – E com relação aos investimentos em saneamento básico?

Abelardo Oliveira – [Além dos R$ 109,5 milhões]. Nós temos mais R$ 65 milhões agora para a complementação da Bacia dos Rios Subaé e Jacuípe. Para a Bacia do Rio Pojuca estamos elaborando um projeto para capitar recursos em 2012. E com isso, Feira de Santana atingirá 100% de coleta e tratamento de esgotamento sanitário.

Entrevista com o deputado Zé Neto 

Confira a entrevista que o deputado Zé Neto concedeu ao JGB, onde destaca o papel da articulação política necessária para incrementar os investimentos nos sistemas de abastecimento de água e coleta e tratamento de esgotos de Feira de Santana.

Jornal Grande Bahia – Como a articulação política atua para trazer os investimentos necessários ao município de Feira de Santana?

Zé Neto – Primeiro é importante colocar claramente que nós tínhamos a ideia de trabalhar a cidade do ponto de vista da sua infraestrutura. Muita gente não dá valor ao investimento que é feito em água e esgoto. E para ter uma noção até aqui investimos R$ 140 milhões em esgoto e saneamento em Feira. Na região chegamos a R$ 210 milhões.

Conseguimos liberar, e vamos assinar o contrato no dia 12 (12/2011), recursos diretos do PAC 2 do Governo Federal, algo em torno de R$ 109,5 milhões. Para mais uma etapa de investimentos com água e esgoto. Significa que tiramos Feira de 32% de cobertura de esgoto, para colocá-la em 85% da cidade com cobertura. Significa dizer que praticamente criamos um terço a mais de novas ligações, e novos direcionamentos em nas redes e no fornecimento de água.

Preparamos a cidade. No programa Minha Casa, Minha Vida são 7800 novas residências entregues aqui e Feira de Santana, contratadas. No programa Minha Casa, Minha Vida, de três a seis salários mínimos, 7800 de zero a três, e de três a seis mais ou menos, cerca de seis mil. Chegamos a aproximadamente 16 mil unidades, no total dos investimentos novos, somente da Caixa Econômica, sem contar com os empreendimentos particulares, e tudo que depende do fornecimento de água.

Com esses investimentos que serão feitos, na ordem de R$ 109,5 milhões, iremos começar o projeto licitatório em dezembro, para em janeiro (2012) darmos início a essa obra que esperávamos fazer desde agosto. Que atrasamos em função das dificuldades econômicas do país. Iremos começar em janeiro a construção de dois grandes reservatórios de água, para resolver definitivamente o problema de abastecimento da região Norte de Feira.

É bom que saibam que Feira de Santana não tem problema de água em toda a sua região, em todo o seu quadrante. A dificuldade é da região Norte e para você mandar a água para essa região, tem que fazer as manobras, que criam dificuldades em quase toda a cidade. Então, estamos resolvendo esse problema e entregando à cidade com mais saneamento básico, mais fornecimento de água e mais condição de se desenvolver.

JGB – Deputado, e com relação à articulação política, foi complexo levantar esses recursos, e efetivamente o senhor acredita que esses investimentos terão início quando?

Zé Neto – Esse dinheiro entrará agora, dia 12 será contrato e o mais tardar até janeiro os processos licitatórios estarão todos andando e não somente esses, estamos trabalhando com um dos mais importantes projetos da cidade, que poucas pessoas sabem que são três bacias da cidade. A Bacia do Rio Jacuípe, Bacia do Subaé e a Bacia do Rio Pojuca.

A Bacia do Rio Pojuca é uma das mais importantes da cidade e deve custar mais de R$ 170 milhões. O investimento na Bacia do Pojuca, que representa o Bairro Cidade Novo, Conjunto Feira V, uma parte do Bairro da Mangabeira e da Avenida João Durval, além de uma parte do Bairro Parque Getúlio Vargas. Em tese ela representa 11% da cidade, mas com uma capilaridade e um trânsito de pessoas, nessa bacia, que pode alcançar, pelo menos mais de 30% da população da cidade.

Então temos evidentemente esse outro projeto, que faz parte do nosso elenco de pretensões e temos tido apoio dos senadores Walter Pinheiro, João Durval, e de uma bancada extremamente convicta que é preciso trazer recursos para Feira de Santana. E tem sido esforço do governador Jaques Wagner e do presidente da Embasa, o nosso companheiro Abelardo, que aqui não posso deixar de saudá-lo. Abelardo tem sido um grande guerreiro para atrair recursos para Feira de Santana, e esses recursos com certeza irão dar a condição de fazer todos esses projetos.

Feira de Santana pode comemorar, são R$ 109,5 milhões a mais, sem esquecer que estamos aguardando apenas a finalização do projeto de Ipuaçu. Que é um projeto em convênio com a prefeitura municipal. Que resolver aquele que é um problema histórico do Di

Carlos Augusto
Sobre Carlos Augusto 9153 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).