Brasil é o segundo colocado no ranking de países da América Latina com maior número de medicamentos falsificados

Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.
Mesa redonda realizada pela farmacêutica Eliane Lazzaroni, durante o VIII Congresso Brasileiro de Farmácia Hospitalar, trouxe dados e discutiu formas de combate à falsificação e contrabando de remédios.
Mesa redonda realizada pela farmacêutica Eliane Lazzaroni, durante o VIII Congresso Brasileiro de Farmácia Hospitalar, trouxe dados e discutiu formas de combate à falsificação e contrabando de remédios.

A Ásia e América Latina são as duas regiões com maior número de registros de medicamentos falsos. O Brasil é o segundo colocado no ranking dos países da América Latina perdendo apenas para o Peru. A farmacêutica Eliane Lazzaroni, durante a sua mesa redonda no último sábado, dia 26, no VIII Congresso Brasileiro de Farmácia Hospitalar, no Bahia Othon Palace, trouxe esses e outros dados, além de formas de combate à falsificação e contrabando de medicamentos.

O Brasil está hoje em oitavo lugar no ranking mundial dos países que mais comercializam medicamentos, totalizando US$ 10 bilhões por ano. Falando em ilícitos, de 10 a 15% dos remédios vendidos no mundo são falsificados e, nos países em desenvolvimento, os principais ilícitos comercializados são analgésicos, anti-hipertensivos e antibióticos. “Assusta por ser um medicamento mais simples sendo falsificado e consumido, mas isso se deve à dificuldade de acesso das comunidades menos abastadas”, explicou Eliane Lazzaroni.

Dados alarmantes 

A especialista trouxe dados alarmantes como o fato de 1/5 da população brasileira já ter comprado remédios tarjados sem consultar o médico e que 6% desse mesmo grupo confessaram já ter adquirido medicamentos em camelô. Elaine Lazzaroni também falou das estratégicas de prevenção, como a publicação de normas de controle nas etapas de fabricação/distribuição/transporte para garantia da origem segura do medicamento, incluindo a Internet onde a falsificação corresponde a cerca de 50% dos medicamentos comercializados na rede, segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Garantias de proteção contra a falsificação de medicamentos 

A publicação de normas para as embalagens a fim de garantir a identificação do produto (tinta reativa e o lacre de segurança e, mais recentemente, mas ainda não iniciado, o selo holográfico e o código datamatrix com o Identificador Único de Medicamento (IUM) para cada produto) também são garantias de proteção contra a falsificação, assim como ações internacionais como a adoção de conceitos e planos de combate propostos pela OMS (Organização Mundial de Saúde), resoluções para o Mercosul e a participação em fóruns para harmonização da regulamentação farmacêutica da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS). Além, obviamente, das ações coordenadas de polícias e vigilância sanitária para apreensões de produtos e prisões dos envolvidos.

O profissional de saúde, mais especificamente o farmacêutico, também pode fazer a sua parte no combate à falsificação. “Com seu conhecimento técnico, o profissional pode atuar na qualificação de fornecedores e dos produtos oferecidos na etapa logística de aquisição de medicamentos nos estabelecimentos de saúde, vigiando o mercado farmacêutico e exigindo que fornecedores atestem, documentalmente, não só a sua regularidade sanitária como também dos produtos que oferecem”, concluiu a especialista.

O VIII Congresso Brasileiro de Farmácia Hospitalar aconteceu entre os dias 24 e 26 de novembro, no Bahia Othon Palace, e recebeu conferencistas do mundo todo.

Carlos Augusto
Sobre Carlos Augusto 9382 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).