VI Congresso Brasileiro de Terapia Celular reúne cerca de mil pessoas no debate sobre células-tronco

Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.

Com especialistas dos EUA, Itália, Argentina e Suécia, evento aponta o Brasil como referência no uso da terapia celular

89 milhões investidos em seis anos de desenvolvimento. Apesar de ainda não serem suficientes, os recursos nacionais destinados ao estudo de células-tronco tornaram o Brasil um país-referência no assunto. Com 52 projetos em andamento, a técnica já revelou resultados satisfatórios no tratamento de doenças cardiovasculares, pulmonares, neurológicas e autoimunes, é o que apontam os estudos apresentados no VI Congresso Brasileiro de Terapia Celular, realizado entre os dias 28/09 a 01/10, no Gran Hotel Stella Maris.

Do ponto de vista neurológico e das doenças autoimunes, a terapia celular tem sido utilizada para tratamento de diversos males, como o AVC, as lesões nos nervos periféricos, lesões na medula, epilepsia, diabetes e esclerose múltipla”, destaca o Coordenador da Rede Nacional de Terapia Celular, Antonio Carlos Campos de Carvalho. Já no que se refere às doenças cardiovasculares, a cardiomiopatia, a isquemia e o infarto também já estão sendo combatidos através da introdução de células-tronco.

“Hoje, existem várias maneiras de se injetar as células no coração. As injeções mais comuns são as intracoronárias e as que são realizadas através de cateter”, destaca o especialista.

Encontro de especialistas

Com mais de mil inscritos, o VI Congresso Brasileiro de Terapia Celular reuniu pesquisadores, profissionais da área, estudantes e professores de todo o país. A Presidente da Associação Brasileira de Terapia Celular, Rosália Mendez Otero, o Coordenador da Rede Nacional de Terapia Celular, Antonio Carlos Campos de Carvalho, e a Diretora Médica do Hospital São Rafael, Liliana Ronzoni, foram alguns dos convidados recepcionados pelo Presidente do Comitê Organizador do evento e Coordenador de Pesquisa Experimental do HSR, Ricardo Ribeiro dos Santos.

Além dos renomados especialistas brasileiros, as conferências, cursos, mesas e seminários promovidos durantes os quatro dias de evento contaram com a participação de especialistas dos Estados Unidos, Itália, Argentina e Suécia. Segundo a Coordenadora do Laboratório de Biotecnologia e Terapia Celular do HSR e vice-presidente do Congresso e da Associação Brasileira de Terapia Celular, Milena Botelho, “este continua sendo o maior evento nacional voltado para discussão sobre o uso de células-tronco”.

Sobre Carlos Augusto 9528 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).