No Dia Nacional da Vacinação, deputada recomenda que população aja de forma preventiva

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.

A vacina é uma das principais formas de prevenção contra diversas doenças, a exemplo da meningite tipo C. Devido à importância do ato de vacinar, o Brasil comemora nesta segunda-feira (17/10) o Dia Nacional da Vacinação.

Ciente da importância das vacinas, a deputada estadual Graça Pimenta (PR) ressalta a necessidade de manter o calendário vacinal em dias. “As vacinas são grandes aliadas da nossa saúde. Para que estejamos imunes contra diversas doenças, temos que estar com o cartão de vacinação em dias”, considera.

Na Bahia existem cerca de três mil salas de vacinas, onde o cidadão pode também ser orientado sobre o calendário vacinal. A programação brasileira das vacinas, que contempla dos recém-nascidos até os idosos com 60 anos ou mais, é coordenada pelo Plano Nacional de Imunizações (PNI).

História da Vacina

A primeira vacina foi elaborada pelo inglês Edward Jenner em 1796, que imunizou um garoto de oito anos contra a varíola bovina. Em 1885 Louis Pasteur produziu a vacina que combate a raiva animal no organismo humano. Albert Sabin criou, em 1960, a vacina contra a paralisia infantil.

O ato de vacinar foi introduzido no Brasil no início do século XX, período em que ocorriam diversas epidemias, como a da febre amarela, provocadas principalmente pela falta de saneamento básico nas cidades.

No início a população tinha pouca crença nos efeitos das vacinas e as ações de vacinação eram agressivas. No Rio de Janeiro, os agentes de saúde chegavam até a invadir residências para vacinar as pessoas contra a varíola. As atitudes autoritárias geraram a Revolta da Vacina.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Carlos Augusto 10106 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).