Governo Wagner oprime as liberdades individuais e polícias militares agridem jornalista

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
Policial tenta arrancar máquina (a tiracolo) do jornalista Ederivaldo Benedito.
Policial tenta arrancar máquina (a tiracolo) do jornalista Ederivaldo Benedito.
Policial tenta arrancar máquina (a tiracolo) do jornalista Ederivaldo Benedito.
Policial tenta arrancar máquina (a tiracolo) do jornalista Ederivaldo Benedito.

É espantoso como discurso e pratica são tão dissonantes no Brasil. Alguns anos atrás, o atual governador da Bahia, Jaques Wagner, era tão somente um líder sindical, funcionário de baixo escalão no polo petroquímico da Bahia.

Mas, apenas na Democracia, povo pode chegar ao poder. E o ex-proletariado Jaques Wagner, torna-se membro da elite política do país. Mas ao chegar ao poder, age como a Rainha da Inglaterra e vê o povo como súdito a lhe fazer referências.

Na Bahia de Wagner, não pela primeira vez, homens despreparados da Polícia Militar agridem um dos pilares da Democracia, a liberdade de expressão. E o que faz o Governador? Nada.

Wagner rasga a Constituição Federal. Não pune os seus subordinados. Não abre inquéritos administrativos. Não faz pronunciamentos condenado a brutal ação dos seus comandados. Por quê?

Porque pouco importa quando o atingido é alguém de voz rouca, frágil, dispossuído do capital. Mas Wagner só deixou de ser um proletariado porque justamente estes fracos e despossuídos tiveram a coragem de votar em uma pessoa igual a eles. O governante retribui o poder que o povo lhe confere na forma de opressão.

Então fica este nosso protesto. Para os que estão no poder saber que Democracia é feita de palavras e gestos que a concretizam. E que nem todos podem ser oprimidos pela mão forte do Estado.

Confira abaixo a matéria produzida pelo Mídia Recôncavo

Jornalista é preso por se recusar a apagar fotos de abordagem policial

A imprensa é livre, tem que ser respeitada por todos, principalmente pela polícia que tem como obrigação garantir a ordem, e oferecer segurança para que profissionais como esse trabalhem tranquilos. Esse fato tem que  ser bastante divulgado na mídia para evitar futuras situações semelhantes com a classe.

O jornalista Ederivaldo Benedito ainda continua no Complexo Policial de Itabuna e até há pouco esperava a chegada do delegado plantonista para, então, prestar depoimento e ser liberado. Benedito foi preso por se recursar a deletar fotos de uma abordagem policial a dois jovens no circuito da 8ª Parada Gay.

Imagens captadas pelo fotógrafo profissional Pedro Augusto – às quais o Pimenta teve acesso – mostram o exato momento em que os policias liberam os jovens e partem para cima do jornalista. “Apaga”, esta foi a ordem dada pelo policial que comandava o pelotão.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Carlos Augusto 10027 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).