Empresários e governo baiano trabalham em busca de soluções para cadeia produtiva da carne

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.

Dando continuidade aos trabalhos em busca de soluções para os problemas da cadeia produtiva da carne na Bahia, o Sindicato da Indústria de Carnes e Derivados do Estado da Bahia (Sincar) reuniu representantes de frigoríficos das diversas regiões do estado para ouvir e debater as questões com o diretor geral da Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab), Paulo Emilio Torres, e com o deputado estadual Rosemberg Pinto, da Comissão de Defesa do Consumidor da Assembléia Legislativa da Bahia.

Na pauta, a discussão de ações para inibir a clandestinidade no abate, envolvendo líderes comunitários e prefeituras no interior, e a conscientização/educação da população baiana para a importância do consumo de carnes inspecionadas. A reunião aconteceu no mesmo dia em que os representantes dos frigoríficos participaram do lançamento do Programa de Entrepostos Frigoríficos do Governo do Estado, iniciativa que conta com o apoio do Sincar.

O encontro com a Adab e o parlamentar da Comissão de Defesa do Consumidor faz parte de uma verdadeira cruzada empreendida pelos empresários de carne para alertar para a necessidade urgente de acabar com problemas como a clandestinidade. O abate “no mato” – em condições precárias de higiene – que ainda é comum no Estado e em algumas regiões chega a fazer parte da cultura popular, pois os consumidores, sobretudo nas feiras livres, optam pela chamada “carne quente”, ou não refrigerada. Os empresários reconheceram que o Programa de Entrepostos Frigoríficos representa um avanço na estruturação das cadeias, e se dispõem a colaborar, mas pedem, também, soluções imediatas, como a intensificação da fiscalização.

Segundo o presidente do Sincar, Julio Farias, a omissão de muitas prefeituras, que pela lei são obrigadas a inspecionar, através da Vigilância Sanitária Municipal, agrava o problema. “No interior, o abate clandestino compromete a sustentabilidade das empresas de carnes formais, que atendem à legislação e oferecem produtos de qualidade para a população”, afirma Julio Farias, presidente do Sincar.

Um dos desafios listados pelo grupo foi o de esclarecer para os produtores, mesmo os que possuem um animal apenas, que compensa pagar para abater no frigorífico, pois os produtos e subprodutos de um abate industrial são mais valorizados, e os custos de logística são menores e muitas vezes não existem, pois frigoríficos e também algumas prefeituras costumam arcar com custo do transporte.

Ao final da reunião ficou esboçada a formação de um grupo de trabalho multidisciplinar, integrado por empresas, governos, parlamentares e entidades da sociedade civil organizada para estudar o tema e encontrar caminhos para reverter os problemas.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 115209 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.