ONU alerta para risco de colapso de recursos naturais na América Latina

Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.

Relatório do Pnuma diz que governos devem repensar suas estratégias de desenvolvimento para que o risco de esgotamento de matérias-primas não aflija a América Latina. Brasil acumula bons e maus exemplos.

A América Latina entrou no mapa estratégico de muitas nações ricas – recentemente, a Alemanha lançou uma nova política para estreitar os laços com as nações latino-americanas visando assegurar o abastecimento de matérias-primas. Toda essa abundância de recursos, no entanto, não garante um futuro próspero, como adverte o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma).

O alerta veio com uma análise divulgada nesta terça-feira (20/09) pela organização: a região não considera o desenvolvimento sustentável como tema central – e as análises econômicas dos países da América Latina sequer levantam consequências de um possível colapso dos recursos naturais.

Depois de dois anos investigando o tema, o Pnuma chama a atenção para o perigo da exploração desenfreada de matérias-primas – o crescimento econômico da região nos últimos anos alavancou a extração dos recursos, e os governos precisam repensar suas estratégias de desenvolvimento para que o risco de esgotamento não aflija a América Latina.

A conclusão é que a utilização dos recursos naturais na região não leva em conta nem sustentabilidade nem eficiência. “Uma das descobertas do relatório é que, em alguns casos, o impacto ambiental das atividades econômicas é tão grande que, ainda que se melhore a eficiência na utilização dos recursos, dificilmente se poderá alcançar a sustentabilidade.”

Crescimento x colapso

O Pnuma analisou em profundidade seis países (Argentina, Brasil, Chile, México, Paraguai e Uruguai) em três temáticas: mudanças na utilização do solo, energia e mudança climática e uso da água.

A pujança econômica e o aumento da importância das commodities na pauta de exportação desses países fizeram com que a pressão sobre alguns recursos, como água e solo, aumentasse. No Brasil, por exemplo, com a pressão do setor agrícola é possível detectar uma redução de floresta natural e sua substituição por culturas não originais.

Outra preocupação levantada é o fato de a região estar se transformando, cada vez mais, em exportadora de água virtual – ou seja, volume de água necessário para obter um bem ou um serviço. E o Brasil está no topo da lista: ao exportar soja ou carne, por exemplo, o país também “exporta” parte da água usada no cultivo.

O que também ameaça a sustentabilidade da região, aponta o relatório, é a expansão de setores com alto poder de contaminação. Trata-se, por exemplo, dos setores químicos, de polpa e papel, de madeira e de materiais associados à indústria metalúrgica. No Brasil, dez produtos são responsáveis por 60% da toxicidade total e correspondem a mais de 15% das exportações do país, diz o relatório.

Como uma consequência não desejada do crescimento econômico, as emissões de CO2 também subiram – México e Brasil são os maiores do grupo, influenciados principalmente pelo maior consumo de energia. A análise indica, no entanto, que nos casos brasileiro e paraguaio há um esforço maior em incorporar fontes de energia renováveis. Os demais países ainda enfrentam maiores dificuldades para deixar a matriz energética mais limpa.

Modelo brasileiro

Um exemplo de política pública eficiente criada para estimular o uso sustentável dos recursos vem do Brasil. O Pnuma elogia a implantação da taxa de cobrança para a utilização da água na bacia do rio Paraíba do Sul. Desde 2003, o dinheiro arrecadado é revertido em melhorias no rio: entre 2006 e 2008, a extração de água diminuiu 16% e o consumo caiu 29%.

A bacia abriga cerca de 8.500 plantas industriais. A contaminação da água é um dos principais problemas da região, provocada pelos resíduos industriais e de residências. Um conselho para gerir a bacia foi criado em 1996, com a participação das autoridades, usuários públicos e privados.

Soluções

Apesar do cenário um pouco negativo, o relatório indica que há oportunidades de melhora de uso eficiente dos recursos naturais e de garantir a integração dessas práticas nas estratégias de desenvolvimento dos países da América Latina.

As respostas sugeridas não são complexas e, em alguns países latino-americanos, já estão em curso: cooperações público-privada, planejamento do uso do solo e respeito às leis que regem o uso da terra, além da disseminação de informações. “A sustentabilidade global pode depender dessas regiões (América Latina e Ásia-Pacífico) e da capacidade delas de acelerar a transição para uma economia verde”, sugere o Pnuma.

*Com informações: Deutsche Welle

Redação do Jornal Grande Bahia
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 108775 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]