Recôncavo Sul baiano combate a clorose variegada dos citros, conhecida como CVC dos citros

Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.

Pesquisadores da Embrapa Mandioca e Fruticultura, de Cruz das Almas – Bahia e técnicos da Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab) treinaram recentemente técnicos e produtores de citros para o reconhecimento, no campo, de sintomas da clorose variegada dos citros (CVC), praga que já foi detectada no Recôncavo Sul baiano.

Popularmente conhecida como amarelinho, a CVC é uma praga que ataca a citricultura brasileira desde os anos 80, podendo ser disseminada por inseto vetor (mais de onze tipos de cigarrinhas) e também por mudas infectadas. Causada pela bactéria Xylella fastidiosa, promove manchas amareladas e variegadas nas folhas das laranjeiras doces, secagem dos ramos e, em último estágio, amarelecimento, endurecimento e redução de tamanho dos frutos. Os sintomas aparecem após, pelo menos, seis meses da primeira infecção.

Na Bahia, a CVC teve seu primeiro relato em 1997, no Litoral Norte, nos municípios de Rio Real e Itapicuru. Em outubro de 2009, a praga foi detectada por pesquisadores da Embrapa em pomares do município de Governador Mangabeira, no Recôncavo Baiano. Em maio passado, a Adab registrou a expansão da praga para povoados do município de Muritiba e, mais recentemente, em localidades da zona rural situada entre Governador Mangabeira e Cabaceiras do Paraguaçu.

Controle integrado

Segundo o fitopatologista Hermes Peixoto, pesquisador da Embrapa, a convivência com a clorose variegada deve ser realizada mediante a integração de diversas ações. “O controle legal deve ser feito com medidas ou regras estabelecidas em leis, decretos e portarias para impedir ou retardar a entrada e o estabelecimento da X. fastidiosa em uma área ou região onde ainda não foi constatada. Pode ainda determinar a erradicação ou eliminação de material vegetal suspeito e deve ser implementado nas regiões livres do patógeno”, afirma. O citricultor só deve utilizar mudas sadias, certificadas, adquiridas em viveiros credenciados. Em regiões onde já existe a doença é necessário manter as borbulheiras e as plantas matrizes protegidas por telas antiafídicas.

Quando a doença já está estabelecida, recomenda-se a erradicação ou eliminação de plantas severamente afetadas com dois a quatro anos que possuam muitos ramos com frutos pequenos. Outra medida consiste na poda dos ramos afetados, obedecendo a um esquema de épocas e distâncias do corte em relação à última folha com sintomas iniciais. “Já o controle químico deve ser direcionado às espécies de cigarrinhas vetoras utilizando inseticidas sistêmicos via tronco em plantas novas”, informa Hermes Peixoto.

As laranjas doces aparecem como os hospedeiros mais suscetíveis de X. fastidiosa. Tangerinas e seus híbridos, como tangores ou tangelos, podem apresentar sintomas em condições de campo, embora numa intensidade bem menor que nas laranjas doces. Em lima ácida Tahiti não foram encontrados sintomas nem bactéria em seus tecidos.

Grupo de trabalho

Sob a coordenação do secretário executivo Geraldo Souza, a Câmara Setorial da Cadeia Produtiva da Citricultura da Bahia criou um grupo de trabalho para elaborar um pacote de medidas a serem executadas pelo governo do estado, viaSecretaria de Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária do Estado (Seagri) e seus órgãos vinculados, pelas prefeituras municipais, por meio das secretarias municipais de agricultura, e com a participação da Embrapa Mandioca e Fruticultura, e entidades representativas dos citricultores.

“A curto prazo, o foco principal do trabalho será o estabelecimento de uma campanha permanente de alerta aos citricultores, que demonstram não darem importância à doença, provavelmente por falta de conhecimento dos sintomas e dos efeitos nefastos à produção”, explica Peixoto. A médio prazo o grupo estabeleceu outras medidas tais como: levantamento de incidência da praga; diagnóstico laboratorial, treinamento para técnicos e produtores rurais; ratificação do sistema de produção de mudas em ambiente protegido como estratégia de frear a disseminação da praga na Bahia e atualização cadastral dos produtores de mudas nas regiões do Recôncavo Sul e Litoral Norte por parte do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Publicação

A Embrapa Mandioca e Fruticultura disponibiliza mais informações em . O documento foi escrito pelos pesquisadores Hermes Peixoto Santos Filho, Cristiane de Jesus Barbosa e Francisco Ferraz Laranjeira, da Embrapa, e Suely Xavier de Brito Silva, da Adab.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 112836 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]