Presidente Dilma Rousseff declara que demissões não vão pautar governo e crise financeira poderá durar mais tempo do que o esperado

Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.

Dilma reclama do termo “faxina” e diz que demissões não vão pautar governo

A presidenta Dilma Rousseff disse hoje que não vai pautar seu governo por demissões e considerou inadequado o termo “faxina”, usado pela imprensa para se referir às demissões de funcionários públicos acusados de envolvimento em esquemas de corrupção. “Faxina, no meu governo, é faxina contra a pobreza, o resto são ossos do ofício da Presidência, e isso não se interrompe”, disse a presidenta, após o lançamento do programa de microcrédito Crescer, no Palácio do Planalto.

“Essa pauta de demissões, que fazem ranking, não é adequada para um governo.” Dilma destacou que esta é uma pauta que ela jamais vai assumir. “Não se demite, nem se faz escala de demissão, nem se quer demissão todos os dias. Isso não é, de fato, Roma antiga?”, perguntou Dilma. Ela disse que, em qualquer atividade inadequada ou malfeita que for constatada no governo, será mantida a presunção de inocência e serão tomadas providências.

“O que eu não vou aceitar, em hipótese alguma, é que alguma pessoa do meu governo seja condenada sem respeitar os preceitos da Justiça moderna, respeito aos direitos individuais e liberdades. A lei é igual para todos. Não tem quem esteja acima da lei. É importantíssimo respeitar a dignidade da pessoas e não submetê-las a condições ultrajantes”, concluiu Dilma.

A presidenta fez as declarações em resposta a uma pergunta sobre a possibilidade de novas demissões. Nos oito meses de governo Dilma, foram demitidos quatro ministros e diversos dirigentes de órgãos públicos. Antonio Palocci deixou a Casa Civil após denúncias sobre um grande crescimento de seu patrimônio durante o período em que era deputado federal; Alfredo Nascimento saiu em meio a denúncias de superfaturamento de obras na pasta dos Transportes; Nelson Jobim, que deixou o Ministério da Defesa depois de ter feito declarações polêmicas; e Wagner Rossi, que pediu demissão da pasta da Agricultura em meio a denúncia de corrupção no setor.

Recentemente, mais quatro ministros tiveram os nomes envolvidos em denúncias publicadas pela imprensa: Pedro Novais, do Turismo, Mário Negromonte, das Cidades, Gleisi Hoffmann, da Casa Civil, e seu marido, Paulo Bernardo, ministro das Comunicações.

Dilma diz que crise financeira poderá durar mais tempo do que o esperado

A presidenta Dilma Rousseff disse hoje (24) que a crise mundial pode “durar mais tempo do que se espera”, mas que não acredita que produzirá “catástrofes”, como a que ocorreu em 2008, como a quebra de bancos de investimentos.

“A crise vai ser isso que estamos vendo: um dia está pior, outro dia está melhor”, disse Dilma, após a cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Microcrédito Produtivo Orientado.

“É uma crise profunda do sistema financeiro dos países desenvolvidos, é uma crise de confiança, ela pode durar mais tempo do que se espera. O Brasil deu vários passos. Hoje, nós demos mais um passo, contar com a imensa força de 190 milhões para investir, consumir, trabalhar e empreender”.

O governo aguarda a aprovação do Congresso Nacional para criar um ministério para as micros e pequenas empresas. Enquanto isso, o programa será gerido pelas pastas do Trabalho e do Desenvolvimento Social.

A presidenta Dilma disse ainda que pretende reavaliar, ao final de 2013, as metas estabelecidas pelo programa, para baixar a taxa de juros e aumentar a faixa dos beneficiados.

O programa lançado hoje pela presidenta fornecerá crédito com juros de 8% ao ano para microempreendedores individuais e microempresas com faturamento anual até R$ 120 mil. Até o final de 2013, o governo pretende atender a 3,4 milhões de clientes.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 109903 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]