Deputados estaduais e entidades se manifestam quanto a mudanças no Plano se Saúde dos Servidos da Bahia (PLANSERV)

Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.

Carlos Geilson: Projeto do Planserv é ruim e prejudica servidores

As limitações impostas pelo projeto do governo Jaques Wagner a utilização de consultas médicas, exames e demais procedimentos pelos servidores públicos estaduais foi considerado perverso pelo deputado estadual Carlos Geilson (PTN). “O projeto do Planserv é ruim. Os deputados não podem aprovar esse projeto do governo, porque se os deputados utilizassem o plano de saúde estariam ao lado dos servidores e rejeitariam a matéria”, disse Carlos Geilson.

O deputado lembrou que foi o servidor que garantiu a eleição e a reeleição do governador Jaques Wagner. “Depois dos erros no primeiro turno, os servidores deram uma nova oportunidade ao governador e é essa a resposta que o governo dá ao apoio recebido. Mas o governo não está preocupado porque tem deputados em excesso na sua base para aprovar qualquer projeto, mesmo impopular. Não podemos deixar de reconhecer que o projeto do Planserv é limitador. O que o governo pretende é diminuir o aporte de recursos próprios e aumentar os repasses dos servidores porque está provado que, dos 5% dos recursos da folha previsto para o Planserv, o governo não tem repassado nem 4%, a despeito do secretário da Fazendo Carlos Martins afirmar que a receita do estado tem crescido mês a mês”, disse Geilson.

Carlos Geilson destacou ainda que o governo alega que 5% dos servidores fazem mau uso do plano de saúde. “Mas as regras não podem mudar porque 95% dos servidores fazem bom uso do plano e não podem pagar pelo erro de 5%. Que se puna os maus exemplos. Que se faça auditoria para se verificar se os procedimentos são realmente necessários e estão sendo realizados. Que se faça perícia médica para ver se as prescrições são necessárias. O que não pode é o bom servidor pagar pelo mau servidor”, disse o parlamentar.

Outra situação que levou Carlos Geilson a reclamar é que as negociações entre governo e servidores tem sido feita com sindicalistas, alguns dos quais estão na folha se pagamento do Estado. “A minha ação de repúdio a esses sindicalistas que estão na folha de pagamento do Estado e que estão negociando contra os interesses dos servidores. O que o trabalhador tem é conquista depois de muita luta. São benefícios conquistados. O projeto é ruim porque é péssimo para o servidor”, concluiu o parlamentar.

Leur Lomanto Junior diz que contra as mudanças no Planserv

O deputado estadual Leur Lomanto Jr. (PMDB) subiu ontem (30/08) na tribuna da Assembleia Legislativa da Bahia e declarou: “Qualquer limitação é um atentado ao direito adquirido”

Em pronunciamento, o deputado destacou que a bancada de oposição “lutará com todas as armas para não permitir que seja aprovado amanhã o projeto do Planserv”. Leur Jr. motivou os sindicatos a manterem uma postura firme no debate sobre o plano de saúde com o governo.

“Imaginem se esse projeto fosse aprovado na semana passada os usuários seriam pegos de surpresa e não teriam mais o direito de reclamarem. Hoje eles avançaram com o aumento de consultas, mas qualquer limitação ao número de atendimento à saúde é um atentado ao direito adquirido. Não existe isso de tentar negociar o que é inegociável”, enfatizou.

Targino Machado volta a criticar projeto de mudanças no Planserv

O deputado estadual Targino Machado, líder do bloco parlamentar PSC/PTN na Assembleia Legislativa da Bahia, voltou a criticar na tarde desta terça-feira, o projeto de lei do governo estadual, que tem como objetivo realizar mudanças no Planserv, plano de assistência à saúde dos servidores públicos estaduais.

Para o parlamentar, a mesma iniciativa que o governo teve ao mandar o projeto da privatização dos cartórios para ser discutido por outros deputados, deveria ser tomada com as modificações do Planserv. “O governo permitiu que o projeto dos cartórios ficasse no parlamento e buscamos as melhorias dele. Ele chegou em outubro do ano passado aqui e melhoramos. Agora, entendo de igual modo que essa casa pudesse melhorar o projeto que limita os atendimentos no Planserv e assim não está fazendo”, disse.

De acordo com Targino, a saúde não pode ter limites. “Jaques Wagner quer dar uma de deus. Eu não apresentei emendas nesse projeto do Planserv, porque entendo que a saúde não merece ter limite, seja qual for ele. A saúde é infinita. Agora, é o deus Wagner que vai dizer quantos episódios de diarreias e febres que vou ter. O Planserv agora é pré-pago, que você paga para ter crédito a um atendimento. O paciente vai ter que penar e cair. Só não falta dinheiro para prover o caviar e as outras iguarias no Palácio de Ondina”, finalizou.

Coren cobra isenção de sindicatos contra mudanças no Planserv

A presidente do Conselho Regional de Enfermagem da Bahia (Coren-BA), Gícele Dorea, cobrou hoje (30) uma postura de independência e a favor dos servidores dos demais sindicatos e entidades de classe contra as mudanças no Planserv. “Acho que esse é o momento dos servidores se unirem a favor da manutenção de seus direitos, sem ceder ao governo. É hora das questões partidárias serem deixadas de lado pelas pessoas que comandam essas entidades e são filiadas a partidos políticos”, afirmou. Ela disse que o Coren-BA, que representa quase 100 mil profissionais de enfermagem no estado, está mobilizado na Assembleia contra o projeto que impõe limitações aos servidores.
O grupo esteve reunido hoje com o deputado estadual Bruno Reis (PRP). “O que estamos vendo é uma disposição dos sindicatos que são controlados por partidos da base aliada de cederem. Em nenhum lugar do mundo, os sindicatos fazem cessão de direitos conquistados. Em qualquer lugar do mundo, eles sentam para negociar a ampliação de direitos”, afirmou o parlamentar, em discurso no plenário da Assembleia. “Por isso, esperamos que os servidores estejam presentes em massa aqui amanhã, para tentarmos evitar que o projeto seja aprovado”, frisou.

Coren cobra isenção de sindicatos contra mudanças no Planserv

A presidente do Conselho Regional de Enfermagem da Bahia (Coren-BA), Gícele Dorea, cobrou hoje (30) uma postura de independência e a favor dos servidores dos demais sindicatos e entidades de classe contra as mudanças no Planserv. “Acho que esse é o momento dos servidores se unirem a favor da manutenção de seus direitos, sem ceder ao governo. É hora das questões partidárias serem deixadas de lado pelas pessoas que comandam essas entidades e são filiadas a partidos políticos”, afirmou. Ela disse que o Coren-BA, que representa quase 100 mil profissionais de enfermagem no estado, está mobilizado na Assembleia contra o projeto que impõe limitações aos servidores.

O grupo esteve reunido hoje com o deputado estadual Bruno Reis (PRP). “O que estamos vendo é uma disposição dos sindicatos que são controlados por partidos da base aliada de cederem. Em nenhum lugar do mundo, os sindicatos fazem cessão de direitos conquistados. Em qualquer lugar do mundo, eles sentam para negociar a ampliação de direitos”, afirmou o parlamentar, em discurso no plenário da Assembleia. “Por isso, esperamos que os servidores estejam presentes em massa aqui amanhã, para tentarmos evitar que o projeto seja aprovado”, frisou.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 111084 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]