Vice-governador da Bahia, Otto Alencar comenta sobre ações da SEIFRA, investimentos em Feira, saudades de ACM e o PSD com Fernando Torres

Jaques Wagner, vice-governador e secretário de infraestrutura, Otto Alencar, é entrevistado pelo diretor do Jornal Grande Bahia, Carlos Augusto. Ao lado, o líder da maioria na Assembleia Legislativa, Zé Neto. (Foto: Manu dias | SECOM Governo da Bahia | Jornal Grande Bahia)
Jaques Wagner, vice-governador e secretário de infraestrutura, Otto Alencar, é entrevistado pelo diretor do Jornal Grande Bahia, Carlos Augusto. Ao lado, o líder da maioria na Assembleia Legislativa, Zé Neto. (Foto: Manu dias | SECOM Governo da Bahia | Jornal Grande Bahia)
Jaques Wagner, vice-governador e secretário de infraestrutura, Otto Alencar, é entrevistado pelo diretor do Jornal Grande Bahia, Carlos Augusto. Ao lado, o líder da maioria na Assembleia Legislativa, Zé Neto. (Foto: Manu dias | SECOM Governo da Bahia | Jornal Grande Bahia)
Jaques Wagner, vice-governador e secretário de infraestrutura, Otto Alencar, é entrevistado pelo diretor do Jornal Grande Bahia, Carlos Augusto. Ao lado, o líder da maioria na Assembleia Legislativa, Zé Neto. (Foto: Manu dias | SECOM Governo da Bahia | Jornal Grande Bahia)

O diretor do Jornal Grande Bahia, Carlos Augusto, entrevista o vice-governador e secretário de infraestrutura da Bahia (SEINFRA), Otto Alencar. Durante a entrevista, Otto descarta candidatura a prefeito de Salvador, disse que sente saudades de ACM, diz que pretende cumprir mandato até o final. Discorre sobre as ações à frente da SEINFRA, onde destaca o programa de pavimentação de rodovias, fala sobre a construção de um grande aeroporto em Feira, comenta sobre as cobranças de Zé Neto explica situação do PSD em Feira de Santana.

“Eu falei com Zé Neto, e disse a ele que Feira de Santana é uma cidade muito grande, então tem que ter obras muito grandes também. Rem que fazer um aeroporto grande. Estou trabalhando para isso, os estudos já estão sendo feitos. Eu devo receber em 60 dias o estudo básico, e Feira de Santa vai ter um aeroporto grande até o final do governo Wagner. Eu irei me envolver nisso. Zé Neto toda hora me cobra, ele é um grande cobrador. E eu irei procurar corresponder à expectativa do governador, do povo de Feira, do nosso amigo Zé Neto.”

A entrevista foi concedida na chácara do deputado Ângelo Coronel (ex-PP, migrando para o PSD). No mesmo dia em que o Governador Jaques Wagner inaugurava a pavimentação de rodovias na região do Portal do Sertão (23/07/2011).

Jornal Grande Bahia – Vice-governador Otto Alencar, nos bastidores comenta-se que o senhor pode ser um dos nomes candidato a prefeito de Salvador. O que existe de concreto nesse tipo de comentário?

Otto Alencar – Um comentário que não tem nenhum fundamento. Até porque eu sou filho da cidade de Rui Barbosa, meu titulo eleitor é de lá, eu nunca transferir para Salvador. O senador Antônio Carlos Magalhães, que foi um grande amigo, que eu tinha muito apreço. Às vezes me lembro, e me dá muita saudade dele, me pediu duas vezes para eu transferir o titulo para Salvador, eu não transferi. Em 96, em 2000 ele pediu para eu transferir, eu não transferi, porque eu não tenho nenhum projeto de ser prefeito de Salvador.

Eu estou aqui como vice-governador, eleito para quatro anos. Eu irei ficar quatro anos como vice-governador. Eu acho importante você tendo sido eleito para um cargo, cumprir o período todo, mesmo porque quem sai antes, sempre se dá mal. Você verifica na  história do Brasil e na Bahia o mesmo, alguém que saiu antes [do fim do mandato] terminou dando-se mal. Então, eu irei até o fim como vice-governador.

JGB – No passado atuou em outras secretarias de governo, e até mesmo como governador da Bahia. Hoje regressa ao executivo. O que o senhor tem implementado nesse primeiro momento que assume a Secretaria de Infraestrutura?

Otto Alencar – Algumas vertentes importantes na secretaria que nós vamos tocar. A primeira delas é a pavimentação das estradas para as sedes municipais, como aconteceu hoje. Hoje nós demos acesso a quatro sedes municipais, que estavam com dificuldade de tráfego entre as cidades de Santonópolis, Irará, Coração de Maria, Berimbau, até a BR-101. Então, esse é o projeto do governador. Terminar esses quatro anos levando asfalto de boa qualidade para todas as sedes dos municípios.

Segundo, fazer os elos rodoviários. Esse elo de hoje é importante, porque liga a BR 116 a BR 101, além de recuperar estradas estaduais e fazer novas estradas no Estado da Bahia. A ponte Salvador-Itaparica, nós devemos começar neste governo.

A energia eólica, que é uma grande realidade para a Bahia. Só este ano vamos ter investimentos na ordem de R$ 8 bilhões na energia eólica. Nós vamos inaugurar o primeiro parque eólico na Chapada, porque a Bahia é muito grande e as pessoas não estão sabendo [deste potencial energético em desenvolvimento]. O primeiro parque eólico da Bahia será inaugurado em Brotas Macaúbas, vai gerar 90 megawatts. A Bahia tem condição de produzir energia eólica, levada pelo vento, três vezes mais do que Itaipu Binacional, que gera 12 mil megawatts, e nós podemos gerar se aproveitarmos todo o vento, cerca de 36 mil megawatts, que é uma marca fundamental e importante. E eu estou me envolvendo muito nisso. Já fiz várias viagens pelo interior. Na Serra Geral, em Guanambi, nós temos lá já investimentos de R$ 4 bilhões. Até o final do governo Wagner nós vamos avançar muito na energia eólica.

E outra vertente importante, a ferrovia Oeste-Leste, já está em andamento, que sai lá de Barreiras até Ilhéus. Porto Sul a ampliação dos portos e aeroportos. O aeroporto de Feira de Santana nós estamos recuperando o pavimento, fazendo o muro, melhoria na parte do receptivo. Eu falei com Zé Neto, e disse a ele que Feira de Santana é uma cidade muito grande, então tem que ter obras muito grandes também. Rem que fazer um aeroporto grande. Estou trabalhando para isso, os estudos já estão sendo feitos. Eu devo receber em 60 dias o estudo básico, e Feira de Santa vai ter um aeroporto grande até o final do governo Wagner. Eu irei me envolver nisso. Zé Neto toda hora me cobra, ele é um grande cobrador. E eu irei procurar corresponder à expectativa do governador, do povo de Feira, do nosso amigo Zé Neto.

JGB – O senhor sempre tem uma vida política ativa e recentemente o envolveu-se com o processo de criação do PSD. Como é que anda este processo?

Otto Alencar – Muito bem, porque nós estamos em 23 Estados. Para formar o PSD bastava estar em nove Estados. Nós estamos em 23 Estados do Brasil, temos 45 deputados federais, três senadores, dois governadores, mais de 160 deputados estaduais, cinco vice-governadores. A Bahia inteira está fazendo o PSD, estamos em 300 municípios. Dia 27 de julho será a convenção estadual do PSD. E nós vamos estar com o partido pronto e acabado.

JGB – E em Feira de Santana, esse partido tende a lançar candidato ou apoiar algum candidato?

Otto Alencar – Isso você tem que perguntar ao Fernando Torres. Se ele quiser ser candidato será, e ninguém vai impedi-lo de ser. Vai depender dele. Ele tem lá uma liderança forte. Eu considero que ele é uma das forças maiores de Feira de Santana hoje. Ninguém tem 34 mil votos por acaso. Tem porque tem liderança, tem trabalho prestado, serviços prestados. Então, Fernando Torres, é quem irá decidir, se será candidato, ou se irá apoiar outro candidato. Mas eu dei o partido a ele em Feira de Santana para agir com liberdade, e não irei cercear a sua vontade, nem o seu direito de escolher quem quer que seja.

Leia + 

População do Portal do Sertão é beneficiada com recuperação de 64,5 km de estradas

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Carlos Augusto 9746 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).