Planos de saúde deverão credenciar hospitais de Salvador para atender pacientes de Feira de Santana

Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.

Operadoras de planos de saúde que tiveram suspensos os atendimentos dos serviços de emergência e urgência em cirurgia geral, que são ofertados aos seus consumidores pelos únicos dois hospitais particulares de Feira de Santana (EMEC e São Mateus), estão obrigadas a procederem o credenciamento de unidades hospitalares que prestem os serviços no município ou em Salvador.

A determinação judicial visa resguardar um direito legítimo dos consumidores, que pagam pelos seus planos de saúde e não podem ser desguarnecidos de um serviço primordial, cuja falta pode implicar em óbitos ou sequelas graves à saúde, assinalou a promotora de Justiça Ana Paula Limoeiro, destacando que este é o serviço de maior relevância na garantia da integridade física dos conveniados.

Autora da ação civil pública ajuizada contra cerca de 30 operadoras, ela informou que, a pedido do Ministério Público estadual, a Justiça determinou ainda que, liminarmente, as operadoras custeiem os serviços de emergência e urgência em hospitais de Feira ou Salvador enquanto não for feito novo credenciamento – e os relativos à UTI móvel terrestre ou aérea que se fizerem necessário ao traslado do paciente para Salvador, quando as unidades hospitalares de Feira não puderem prestar atendimento.

Segundo Ana Paula Limoeiro, a possibilidade de suspensão dos serviços foi anunciada em fevereiro de 2011. Desde então, o MP vem se reunindo com representantes das operadoras de planos de saúde e dos hospitais para buscar alternativas para a questão. A Associação de Hospitais e Serviços de Saúde do Estado da Bahia (AHSEB), sempre alegando que os cirurgiões gerais que trabalham em caráter de sobreaviso não estão recebendo remuneração por esses plantões e que os hospitais não teriam como custear a remuneração, e as operadoras que não têm como colaborar com o pagamento desses honorários médicos, informou a promotora.

Diante do impasse, o EMEC e o São Matheus anunciaram, após diversas reuniões e prazos prolatados, que definitivamente ontem, dia 30, suspenderiam os serviços. Mas os consumidores contrataram o plano de saúde que compreende obrigatoriamente a cobertura de serviços de urgência e emergência, salientou a promotora, frisando que as pessoas elegeram as referidas operadoras para com elas celebrarem contrato tendo em vista o conceito das mesmas no mercado, a abrangência territorial, a qualidade e quantidade dos profissionais e estabelecimentos médicos a elas conveniados, não podendo agora sofrer com a descontinuidade dos serviços essenciais.

Conforme alertou a autora da ação, dispositivos legais dispõem que, caso sobrevenha impossibilidade de manutenção do contrato entre a operadora e a entidade hospitalar, independente de quem tenha dado causa ao rompimento, compete à operadora proceder à substituição por outro estabelecimento hospitalar equivalente ou custear o serviço de saúde devido ao usuário em entidade hospitalar não conveniada. Afinal, disse ela, quando o consumidor contrata o serviço de uma operadora, faz isso porque confia na estabilidade das relações entre a mesma e os hospitais que se encontram conveniados e a consequente prestação dos serviços.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 112722 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]