Os Sertões de Erivaldo Neves

Lançamento do livro Sertões da Bahia.
Lançamento do livro Sertões da Bahia.

Lançamento do livro Sertões da Bahia: formação social, desenvolvimento econômico, evolução política e diversidade cultural. Organizado por Erivaldo Fagundes Neves

Quando ouvimos esta palavra mágica, sertões, lembramos de Euclides da Cunha e da saga de Antônio Conselheiro em Canudos. Ou então — para quem tem o privilégio de com ele academicamente conviver — os sertões nos reporta a Erivaldo Neves, o historiador dos sertões.
Erivaldo é daqueles produtores de conhecimento científico que merecem um verbete em seu nome. Com ele aprendo e entendo, o mestre Erivaldo. O titulo acadêmico é de doutor, PhD etc. Mas Erivaldo dignifica mesmo é a denominação de mestre.

Agora ele materializa o ambicioso projeto de organizar uma monumental e definitiva obra sobre os sertões da Bahia e seus múltiplos aspectos. Reuniu um prestigioso elenco de pesquisadores baianos e… mãos-a-obra. Eles nos brindam com Sertões da Bahia: formação social, desenvolvimento econômico, evolução política e diversidade cultural. Erivaldo Fagundes Neves (Organizador). Salvador: Editora Arcádia, 2011.
A seguir, comentário sobre o livro e um breve currículo dos autores.

O QUÊ – Lançamento do livro Sertões da Bahia: formação social, desenvolvimento econômico, evolução política e diversidade cultural. Organizado por Erivaldo Fagundes Neves. Salvador: Editora Arcádia, 2011.

ONDE – Livraria LDM. Rua Direita da Piedade, nº 22, Piedade (Salvador-Bahia). Próximo ao Banco do Brasil e à Secretaria de Segurança Pública.

QUANDO – Sábado, 06 de agosto, a partir das 10h.

Sobre a obra

Este estudo coletivo dos sertões da Bahia pretende oferecer um panorama de viveres comunitários e de recortes regionais com o objetivo de ampliar as possibilidades de investigação de suas peculiaridades e estimular novos estudos de cotidianos históricos das diversas Bahias sertanejas. Organizado para uso de alunos de História da Bahia, atende também a interesses estudiosos da economia, da sociedade, da cultura e da vida política desta unidade federativa. Apresenta análises tanto de algumas opções temáticas quanto de determinados recortes espaciais, em formato diferente dos tradicionais compêndios de história de unidades federativas, que tentam abarcar as suas totalidades territoriais. Do mesmo modo que a História do Brasil, a da Bahia não se caracteriza por um somatório de fatos e dados regionais e locais ou de assuntos sobre determinados temas, porque deve registrar os grupos sociais nas suas articulações inter-regionais, nacionais e exteriores, cujas memórias se conseguem recuperar.

Para o estudo de viveres e saberes de grupos humanos recorre-se ao uso de diferentes recursos metodológicos através da articulação de temas específicos ou do cotidiano de determinadas comunidades, sem que se constituam fragmentos do todo, mas conhecimentos de experiências sociais em tempos e lugares historicamente construídos por distintos grupos, em diferentes formas de interação social, diversificação cultural, integração econômica e articulação política.

Sobre os autores

Argemiro Ribeiro de Souza Filho – Licenciatura em História pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia; Mestrado em História Social pela Universidade Federal da Bahia, com a dissertação: a Guerra de Independência na Bahia: manifestações políticas e violência na formação do Estado Nacional (Rio de Contas e Caetité), 2003; doutorando em História Social pela Universidade de São Paulo. Professor da Faculdade Independente do Nordeste – Fainor. Tem experiência na área de História, com destaque em História do Brasil Império. Atua principalmente nos seguintes temas: Bahia, independência, sertões, política, mata maroto. Tem escrito e publicado artigos e capítulos de livros.

Caio Figueiredo Fernandes Adan – Bacharelado em História pela Universidade Católica do Salvador (2005), Bacharelado em Direito pela Universidade Federal da Bahia (2008), Especialização em História da Bahia pela Universidade Estadual de Feira de Santana (2008), Mestrado em História Social pela Universidade Federal da Bahia (2009), no qual defendeu a dissertação “Colonial comarca dos Ilhéus: soberania e territorialidade na América Portuguesa (1763-1808)”. Tem experiência de pesquisa na área de História, com ênfase no período colonial e atua nos seguintes temas: História da América Portuguesa, História da Bahia, História Regional e Local, Formação Territorial do Brasil e da Bahia, Cartografia Histórica, História Institucional e do Direito. Professor da área de História Econômica no Departamento de Ciências Humanas e Filosofia da Universidade Estadual de Feira de Santana (DCHF/UEFS).

Clóvis Caribé Menezes dos Santos – Graduado em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia (1982), mestre em Geografia pela Universidade Federal da Bahia (2000) e doutor em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia (2007). Professor da Universidade Estadual de Feira de Santana. Tem experiência na área de Sociologia, com atuação principalmente em temas como: desigualdade regional, insustentabilidade, organização social, desenvolvimento sustentável e teoria do Estado.

Erivaldo Fagundes Neves – Licenciatura em História (UCSAL, 1976), especialização em Conteúdo e Métodos do Ensino Superior (UFBA, 1977), Mestrado em História (PUC-SP, 1985), doutorado em História (UFPE, 2003). Professor da Universidade Estadual de Feira de Santana desde 1978. Escreveu vários artigos em revistas universitárias e publicou os livros: Uma comunidade sertaneja: da sesmaria ao minifúndio (um estudo de história regional e local). 2. ed. rev. e ampl. Salvador: EDUFBA; Feira de Santana: UEFS, 2008; Bambúrrios e quimeras (olhares sobre Lençóis: narrativa de garimpos e interpretações da cultura). Feira de Santana: UEFS, 2002 (em co-autoria); História regional e local: fragmentação e recomposição da história na crise da modernidade. Feira de Santana: UEFS; Salvador: Arcádia, 2002; Estrutura fundiária e dinâmica mercantil: Alto Sertão da Bahia, séculos XVIII-XIX, Feira de Santana: UEFS; Salvador: EDUFBA, 2005; Caminhos do sertão: ocupação territorial, sistema viário e intercâmbios coloniais dos sertões da Bahia. (Org.). Salvador: Arcádia, 2007.

Isnara Pereira Ivo – Licenciada em História pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia; Mestre e doutora em História pela Universidade Federal de Minas Gerais; professora da Universidade Estado do Sudoeste das Bahia. Escreveu e publicou o livro: O anjo da Morte contra o Santo Lenho: poder, vingança e cotidiano no sertão da Bahia. Vitória da Conquista: Edições UESB, 2004. Participou, com o capitulo: Transito cultural, conquistas e aventuras na América Portuguesa, da coletânea: FURTADO, Júnia Ferreira (Org.). Sons, formas, cores e movimentos na modernidade atlântica: Europa, Américas e África. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: FAPEMIG; PPGH-UFMG, 2008, p. 443-455 e é autora de vários artigos publicados em revistas especializadas. Organizou e publicou a seguinte obra: PAIVA, Eduardo França & IVO, Isnara Pereira (Orgs.). Escravidão, mestiçagem e histórias comparadas. São Paulo/Belo Horizonte/Vitória da Conquista: Annablume/PPGH-UFMG/Edições UESB, 2008. Nesta obra que se encontra na 2ª edição, participou com o capítulo: Trânsito externo e o malogro da interiorização holandesa no Brasil. Organizadora e autora do livro: PAIVA, Eduardo França, MARTINS, Ilton César & IVO, Isnara Pereira. Escravidão, mestiçagens, populações e identidades culturais. São Paulo/Belo Horizonte/Vitória da Conquista: Annablume/PPGH-UFMG/Edições UESB, 2009. Neste livro é autora do capítulo: O ouro de boa pinta e a abertura das minas baianas: conexões dos sertões, adaptabilidades e trânsitos culturais no século XVIII.

Itamar Pereira de Aguiar – Licenciado em Filosofia pela Universidade Federal da Bahia (1979), Especialização em Metodologia do Ensino Superior pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (1986), Mestrado em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1999) e Doutorado em Ciências Sociais com ênfase em Antropologia, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2007). Professor da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Tem experiência na área de Filosofia, Antropologia e estudos especialmente na Antropologia das religiões: As religiões afro-brasileiras em Vitória da Conquista: caminhos da diversidade; Do púlpito ao Baquiço: religião e laços familiares na trama da ocupação do Sertão da Ressaca.

José Ricardo Moreno Pinho – Licenciatura em História pela Universidade Federal da Bahia (1997) e mestrado em História pela Universidade Federal da Bahia (2001). Professor da Universidade do Estado da Bahia, tendo exercido diversas vezes papeis de coordenação em programas especiais. Tem experiência na área de História, com ênfase em História, regional e da escravidão. Atua principalmente com nos temas: educação, história, Médio São Francisco, escravidão e afro-descendentes. Escreveu o capítulo: Introdução (e notas): os caminhos do São Francisco, do Paramirim, e da Serra Geral. In: NEVES, E. F.; MIGUEL, Antonieta (Org.). Caminhos do sertão: ocupação territorial, sistema viário e intercâmbios coloniais dos sertões da Bahia. (Org.). Salvador: Arcádia, 2007, p. 105-120.

Kátia Lorena Novais Almeida – Licenciada em História pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, mestrado em História Social pela Universidade Federal da Bahia (2006), doutoranda em História Social pela Universidade Federal da Bahia. Professora da Universidade do Estado da Bahia e estuda: Bahia, escravidão e liberdade.

Luiz Cleber Moraes Freire – Bacharel em Administração pela Universidade Estadual de Feira de Santana (1998). Especialização em Gestão Empresarial pela mesma universidade (2003), mestrado em História Social pela Universidade Federal da Bahia (2007), Administrador do Centro de Documentação CEDOC/UEFS, co-organizador do Catálogo Digital sobre Cativos – Portas do Sertão: fontes para a história da escravidão e das populações negras em Feira de Santana e região. (1830-1885).

Maria Hilda Baqueiro Paraíso – Graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia (1971), mestrado em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia (1983) e doutorado em História Social pela Universidade de São Paulo (1998). Professora da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal da Bahia. Tem experiência na área de Antropologia e História, com ênfase em História Indígena. Atua principalmente nas áreas de história indígena da Bahia, Minas Gerais, e Espírito Santo, etnologia indígena, antropologia e relações interétnicas. Coordenou o Programa de Pós-Graduação em História da UFBA. Escreveu e publicou vários artigos e em co-autoria, o livro Caminhos ao encontro do mundo: a capitania de Ilhéus, os frutos de ouro e a Princesa do Sul (Ilhéus, 1534-1940), pela Editus, em 2002.

Marinélia Souza da Silva – Licenciatura em História pela Universidade Estadual de Feira de Santana (2002), Especialização em História da Bahia pela Universidade Estadual de Feira de Santana (2006), Mestrado em História Social pela Universidade Federal da Bahia (2005). Professora do Departamento de Ciências Humanas e Filosofia da UEFS, onde leciona as seguintes disciplinas: Historiografia Brasileira, Teoria da História, Oficinas de Metodologia da Pesquisa em História e Tópicos Especiais em História do Brasil.

Mônica Duarte Dantas – Graduada em História pela Universidade de São Paulo (1993); doutora em História Social pela mesma Universidade de São Paulo (2002); professora do Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo. Autora de Fronteiras movediças: a comarca de Itapicuru e a formação do arraial de Canudos (HUCITEC, 2007), e organizadora da coletânea Revoltas, motins, revoluções: homens livres pobres e libertos no Brasil do século XIX (ALAMEDA, 2009).

Norma Lucia Fernandes de Almeida – Graduação em Letras pela Universidade Estadual de Feira de Santana (1992), mestrado em Letras e Linguística pela Universidade Federal da Bahia (1996) e doutorado em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (2005). Professora da Universidade Estadual de Feira de Santana. Professora do Departamento de Letras e Artes da UEFS. Livros publicados em co-autoria: Amostras da língua falada em Bananal/Barra dos Negros. Feira de Santana: UEFS, 2002; Amostras da língua falada em Piabas. Feira de Santana: UEFS, 2002; Para a história do português brasileiro: novos dados, novas análises, volume 6. Salvador: EDUFBA, 2006; Coleção amostra da língua falada no semiárido baiano. Feira de Santana: UEFS Editora, FAPESB, 2008; Amostras da língua falada na zona rural de Anselino da Fonseca (Piemonte da Diamantina. Feira de Santana/Salvador: Editora da UEFS/EDUFBA, 2008; Amostras da língua falada na zona rural de Rio de Contas. Feira de Santana: Editora da UEFS/EDUFBA, 2008; Amostras da língua falada na zona rural de Jeremoabo: Nordeste. Feira de Santana: UEFS, 2008. Participou ainda de várias outras publicações.

Rita de Cássia Ribeiro de Queiroz – Doutora em Filologia e Língua Portuguesa pela Universidade de São Paulo – USP. Professora da Universidade Estadual de Feira de Santana – UEFS, Departamento de Letras e Artes. Coordenadora dos projetos de pesquisa: “Documentação de Feira de Santana: um trabalho linguístico filológico”, “Estudo histórico, filológico e artístico de documentos manuscritos baianos dos séculos XVIII ao XX (Financiamento FAPESB – Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia – 2004 a 2007)” e “Edição crítica de autores baianos Financiamento FAPESB – Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia – 2008 a 2010”. Líder dos Grupos de Pesquisa: Grupo de Edição de Textos – GET e Núcleo de Estudos do Manuscrito – NEMA/UEFS (Diretório dos Grupos de Pesquisa – CNPq).

Ronaldo de Salles Senna – Mestrado pela Universidade Federal da Bahia (1973); doutorado pela Universidade de São Paulo (1984); professor aposentado da Universidade Federal da Bahia; professor da Universidade Estadual de Feira de Santana. Escreveu e publicou os livros: Jarê – Uma face do Candomblé. Feira de Santana: UEFS, 1998; Tita. A Remissão de Lúcifer. Feira de Santana: UEFS, 2001; A Seda Esgarçada – Configuração sócio-cultural dos ciganos de Utinga. 1. ed. Feira de Santana: UEFS, 2005; Lençóis – Um estudo diagnóstico. Feira de Santana: UEFS, 1996; e participou de várias outras publicações.

Zenaide de Oliveira Novais-Carneiro – Licenciatura em Letras com Inglês pela UEFS, mestrado em Letras e Linguística pela UFBA, doutorado em Linguística pela UNICAMP, professora do Departamento de Letras e Artes da UEFS, onde desenvolve pesquisa na área da Linguística Histórica, em parceria com a UFBA, desde 1994. Desde 1997, participa do “Projeto Para a História do Português Brasileiro/PHPB”, com atividades na área do semiárido baiano. Tem investido na compilação de fontes escritas em português por indígenas, a partir do século XVII. Atua, também, no projeto “Corpus do Português Histórico Tycho Brahe” e no projeto interdisciplinar “Padrões Rítmicos, Fixação de Parâmetros e Um-dança Linguística – Fase II. Livros publicados em co-autoria: Amostras da língua falada em Bananal/Barra dos Negros.

Feira de Santana: UEFS, 2002; Amostras da língua falada em Piabas. Feira de Santana: UEFS, 2002; Para a história do português brasileiro: novos dados, novas análises, volume 6. Salvador: EDUFBA, 2006; Coleção amostra da língua falada no semiárido baiano. Feira de Santana: UEFS EDITORA, FAPESB, 2008; Amostras da língua falada na zona rural de Anselino da Fonseca (Piemonte da Diamantina. Feira de Santana/Salvador: Editora da UEFS/EDUFBA, 2008; Amostras da língua falada na zona rural de Rio de Contas. Feira de Santana: Editora da UEFS/EDUFBA, 2008; Amostras da língua falada na zona rural de Jeremoabo: Nordeste. Feira de Santana: UEFS, 2008. Participou ainda de várias outras publicações.

Sobre Juarez Duarte Bomfim 740 Artigos
Baiano de Salvador, Juarez Duarte Bomfim é sociólogo e mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), doutor em Geografia Humana pela Universidade de Salamanca, Espanha; e professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Tem trabalhos publicados no campo da Sociologia, Ciência Política, Teoria das Organizações e Geografia Humana. Diversas outras publicações também sobre religiosidade e espiritualidade. Suas aventuras poético-literárias são divulgadas no Blog abrigado no Jornal Grande Bahia. E-mail para contato: [email protected]