Jornal Tribuna da Bahia entrevista Tarcízio Pimenta sobre a adesão ao PDT; Confira trechos da entrevista com prefeito de Feira de Santana

Prefeito Tarcízio Suzart Pimenta Junior concede entrevista ao jornal Tribuna da Bahia.
Prefeito Tarcízio Suzart Pimenta Junior concede entrevista ao jornal Tribuna da Bahia.

Durante a entrevista concedida ao Jornal Tribuna da Bahia, o prefeito de Feira de Santana, Tarcízio Pimenta, discorre sobre saída do Democratas, rompimento com Ronaldo, adesão ao PDT, apoio ao governador Jaques Wagner e disputa pela reeleição em 2012.

Confira trechos da entrevista

Expectativa no PDT

Tarcízio Pimenta – A questão do PDT a gente vem tratando há algum tempo. Desde o momento que me desfiliei do DEM (Democratas) procurei observar a questão das legendas e procurei ver a questão jurídica e partidária. Por influência de alguns amigos, a gente teve um caminho que nos levou até o Carlos Luppi (ministro do Trabalho), presidente nacional do partido (PDT). Logo no primeiro contato ele me fez o convite para ingressar no partido, isso há mais de 60 dias. Conversei também com o (Alexandre) Brust, o presidente estadual do partido, quando falamos sobre as cidades que têm gestão do PDT. Foi aí que Brust me disse que Feira de Santana poderia ser um polo para puxar mais lideranças para o PDT, agregar mais e fazer o partido crescer regionalmente. O PDT é um partido que tem facilidade para a gente falar. Tem a história do brizolismo, tem a história do trabalhador, tem a história das lutas pelos trabalhadores.

Tencionamentos

Pimenta – Eu disse desde o início que não entraria no partido para criar nenhuma dificuldade, não gostaria também de ter arestas. Gostaria de entrar no partido de uma forma muito transparente, sem agressões, sem discussões.  Desde o início eu disse que Feira tinha uma figura exponencial no partido, o senador João Durval. Disse que ele teria que ter conhecimento da filiação e saber de todas as informações. Tanto que estive em Brasília e conversei com o senador. Ele não colocou nenhum empecilho, não colocou nenhuma dificuldade e disse que eu era muito bem-vindo ao PDT. As conversas foram por aí. Conversei com ele por telefone outras duas ou três vezes e ele disse que não tinha problema. Conversei também com o presidente da Assembleia Legislativa, Marcelo Nilo (PDT). Uma das pessoas que mais me incentivaram não posso deixar de fazer referência, foi o deputado João Bonfim (PDT), foi com ele que eu estive em Brasília no gabinete do presidente do partido.

Saindo do Democratas

Pimenta – Eu não colidi com os democratas e não fiz nenhuma ação para tentar prejudicar o partido. Eu só tenho a agradecer pelo período que estive no DEM. Pelo DEM eu me elegi, a composição política do momento era favorável, mas agora o cenário do partido, principalmente aqui em Feira, é desfavorável, já que tem o ex-prefeito José Ronaldo. Como candidato à reeleição ficava difícil discutir a questão de legenda dentro do DEM. Reconheço que a vida política do ex-prefeito José Ronaldo no DEM é muito maior do que a minha. Seria uma incoerência da minha parte e até uma ingratidão tentar disputar com ele a legenda em Feira. Então, o que foi que eu fiz? Deixei o partido à vontade e deixei ele com o caminho livre para ser candidato. Daí eu tive que procurar uma alternativa, procurar novos caminhos. Não tenho nada a criticar, é uma questão apenas de sobrevivência política. O DEM não pode apresentar dois candidatos e não é prática do DEM fazer prévias.

Mudanças

Pimenta –  Precipitação seria eu ficar na legenda e depois não ter legenda para me candidatar, não ter tempo hábil para preparar os partidos, para ter candidatos a vereadores e, diante desse cenário todo, eu estaria completamente imobilizado no DEM.

Disputa com José Ronaldo

Pimenta – Não é questão de temer. A candidatura dele é uma candidatura que só pode nascer e só nasceria dentro do DEM. Como eu iria disputar uma candidatura no partido sabendo que eu já entraria com desvantagem? O ex-prefeito José Ronaldo é muito mais DEM do que eu. Ele tem uma vida político-partidária ligada a esse grupo muito mais do que eu. Até por uma questão de gratidão, por uma questão de coerência do partido, ele seria o candidato de qualquer jeito. Isso é um fato que em qualquer bar, qualquer esquina, em qualquer boteco em Feira de Santana todo mundo sabe disso. Como é que eu entro numa disputa desleal dessa?

Senador João Durval

Pimenta – Veja bem. Eu não tenho nenhuma participação nisso. A meu ver não houve exclusão nenhuma nem haveria. O que eu sei é que a ideia era que o senador assumisse o partido em Feira. Acho que João Durval é a figura mais importante do partido, é a figura que encarna o PDT como liderança maior, como senador, e ele poderia muito bem ser o condutor do partido. Se ele assumisse o partido, daria tranquilidade a todos, aos que já são do partido e aos que possam vir para o PDT. Eu defendo sempre isso. Não terei nenhuma restrição com o senador João Durval. Muito pelo contrário. Ele é uma figura que tem respeitabilidade, tem todas as qualificações políticas e se ele viesse a conduzir o PDT regional em Feira para a gente seria uma tranquilidade muito grande.

Diretório do PDT em Feira

Pimenta – Olha, é como eu estou lhe dizendo. Essa questão de diretório não sou eu quem decide. Essa é uma questão que tem que ser vista com Alexandre Brust, que é o presidente estadual do partido, e com Carlos Luppi, que é o presidente nacional. Se eu nem entrei no PDT ainda como é que eu vou estar mandando em diretório? Eu estou aqui como segurador de bandeira do partido. Mais adiante, quando eu começar a fazer meu trabalho, fazer aglutinações políticas, começar também acontribuir com o PDT, aí eu posso começar a ter algum prestígio no partido. Por enquanto eu sou um soldado.

Administração está fragilizada

Pimenta – O governo de Feira de Santana, eu diria que é o governo do diálogo, da negociação. É um governo onde a gente respeita os trabalhadores da prefeitura, os funcionários públicos, é um governo onde, graças a Deus, a gente tem mantido as contas da prefeitura em dia, regularizamos tudo. As dificuldades enfrentadas todas foram solucionadas, hoje não tem cobrador na porta da prefeitura. Hoje, a prefeitura de Feira, para você ter uma ideia, ela supre deficiências de repasses financeiros do governo federal. A gente paga nossos funcionários no dia 25, até hoje (22) o governo federal não repassou a verba para a saúde, no entanto, a gente já mandou a folha (de pagamento) hoje (sexta-feira, 22) para os trabalhadores recebem seus salários na próxima segunda (hoje). Feira de Santana, para você ter uma ideia, é a cidade que mais assinou com o programa Minha Casa, Minha Vida e isso é fruto da administração municipal ter criado instrumentos como redução do ISS para construção civil, bons projetos na área de habitação popular. Feira é a cidade que tem o melhor sistema de saúde pública implantado no Brasil. Quando eu cheguei à prefeitura, dificilmente se ouvia falar em computador, tudo era na mão. Agora o pagamento da prefeitura é todo on line. O desgaste que você tem é o desgaste de um governo que vive praticamente com os próprios recursos. Os acordos que você consegue ter entre governos estaduais e municipais são muito poucos.

Comparações com José Ronaldo

Pimenta – É inevitável que haja comparação. Isso vai acontecer. Agora, querer comparar dois anos com oito anos é meio desleal. Isso é que é desleal. Se for querer comparar uma administração bancada pelo governo do estado com uma administração que não teve apoio, pelo menos até o momento, com ações mais decisivas, é muito difícil. Hoje, manter a cidade de Feira funcionando é quase um ato heroico. Os serviços da cidade não ficam paralisados. Hoje você tem uma saúde funcionando plenamente, você tem uma educação melhorando de forma bastante substancial. Portanto, são coisas com investimentos na área social que mostram a diferença.

Base aliada na CMFS

Pimenta – A base política está sendo feita com todos os partidos que me davam apoio, devem e vão continuar me apoiando. Não creio em dificuldades maiores, não. Na Câmara tem os 17 vereadores que sempre estiveram com o governo. Agora, você administrar com apoio e com participação às vezes se torna mais fácil. O ex-prefeito José Ronaldo, por exemplo, teve seu mandato praticamente ligado ao governo do estado, isso facilitava muito.

Muitas vezes o governo do estado fazia obra aqui e a obra era creditada como da prefeitura. Assim é mais fácil, mas nem por isso a gente está deixando de tocar bem a prefeitura. Para você ter uma ideia, a prefeitura hoje é uma grande parceira do governo do estado, em várias áreas. Segurança pública, por exemplo, que nunca deram atenção no município, hoje temos viaturas rodando na zona rural que foram compradas pela prefeitura para a polícia trabalhar. Temos um sistema de câmeras na cidade instalado pela prefeitura. Essas parcerias são feitas para que a cidade possa funcionar.

A candidatura de Zé Neto

Pimenta – Em hipótese alguma. Veja bem, eu ingressando no PDT, não significa dizer que eu serei o candidato apoiado pelo governador. Eu acho que o deputado Zé Neto é o candidato oficial do PT, é o candidato que está lá efetivamente na berlinda. Seria talvez até uma deslealdade querer vê-lo de forma contrária e acho que se o governador Jaques Wagner (PT) decide que vai apoiá-lo, decide por manter a candidatura dele, é uma coisa muito lúcida, muito clara. De forma nenhuma isso deve ser visto como ameaça, pelo contrário, acho que é uma disputa. Acho justo que ele seja o candidato do PT.

Apoio do governador

Pimenta – Eu quero dizer a você o seguinte: nunca tratei de nenhum assunto político com o governador. As audiências que tive com ele foram todas administrativas. Nunca sentei com ele para discutir sucessão nenhuma, nunca sentei com o governador para conversar sobre questões que poderão surgir de uma entrada no PDT. Não tivemos essa oportunidade ainda, mas com certeza vamos ter. No momento que isso for possível, nós vamos conversar e afinar toda essa discussão.

Disputa na base aliada

Pimenta – É como eu estou lhe dizendo, isso é uma questão que eu não sei a estratégia que vai ser utilizada. A estratégia que eu vou utilizar vai ser ganhar a eleição. Agora, quanto às estratégias outras que serão utilizadas eu não sei o que está sendo discutido. Não discuti sobre isso. O que eu sei é que tudo isso são caminhos que podem ser percorridos na sequência.

Deputada Graça Pimenta fez críticas ao governo

Pimenta – De jeito nenhum. A deputada está fazendo o trabalho dela. Ela está no Partido da República (PR), deve continuar no PR, isso não vai afetar em nada a vida política dela. O que ela tem levantado são questões relativas ao bem-estar da cidade. Seria até incorreto da parte da deputada se ela não fizesse as críticas. Como política e representante do município, ela tem que cobrar, como os outros deputados também.  Tem que fazer as cobranças porque é daí que vem a solução. Isso é natural, tem que cobrar mesmo. Isso de forma nenhuma é demérito ou seria agressividade. Ela falou o que todo mundo fala aqui na cidade, que a obra está paralisada.

Região Metropolitana de Feira de Santana 

Pimenta – Trará benefícios sim a Feira e às cidades que integram a RMFS. É preciso ter em mente uma situação muito importante: o Estado tem que ter a sensibilidade, tem que ter a percepção de que a criação dessa região metropolitana necessita de um núcleo de organização de projetos para que a Região Metropolitana se plante. Porque se for ficar dependendo de projetos de municípios menores que estão na região, que não têm sequer uma secretaria de planejamento, vai ficar muito difícil as coisas acontecerem.

Porque a região metropolitana permite a possibilidade de se ter um hospital metropolitano, um batalhão policial metropolitano. É uma série de questões que a gente pode concentrar numa região metropolitana, mas temos que ter uma gestão pública, uma gestão de técnicos que possam desenvolver esses projetos e esses projetos chegarem a nível federal e até a nível estadual, caso contrário, fica só no papel. É importante que os deputados e o governo do estado entendam isso e façam as ações para isso se tornar viável.

Redação do Jornal Grande Bahia
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 106708 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]