IPHAN, União e Estado da Bahia têm 60 dias para realizar intervenções emergenciais nos prédios históricos de Salvador ameaçados de desabamento

Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.

Medida liminar concedida nesta quarta-feira atendeu parte do pedido formulado pelo MPF/BA e MP/BA em ação civil pública, que visa a proteger o patrimônio histórico e a garantir a segurança da população.

Nesta quarta-feira, a Justiça Federal acatou parte do pedido liminar do Ministério Público Federal na Bahia (MPF/BA) e do Ministério Público do Estado da Bahia (MP/BA) na ação civil pública que requereu medidas emergenciais nos imóveis localizados nos Conjuntos Arquitetônicos da Cidade Baixa e do Centro Histórico de Salvador sob risco de desabamento. De acordo com a medida liminar concedida pelo Juiz da 16ª Vara Federal, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), a União e o Estado da Bahia têm 60 dias para realizar todas as intervenções emergenciais necessárias à prevenção de novos danos nos imóveis localizados nos sítios tombados e classificados como de alto risco no relatório produzido pela Defesa Civil de Salvador.

Segundo a decisão, o Estado será responsável por adotar as medidas nos imóveis de sua propriedade, e o IPHAN deve garantir as intervenções nos demais prédios ameaçados, às expensas da União. Além do escoramento e do reforço da estrutura dos imóveis para garantir sua estabilidade, deverão colocar barreiras físicas e placas de advertência em cada um deles, para prevenir acidentes e sinalizar o risco oferecido à população que transita no local. O Município de Salvador, também acionado, deverá prestar apoio técnico e supervisionar, por meio dos órgãos municipais, as intervenções.

Na ação proposta no dia 18 de maio deste ano, o MPF/BA e o MP/BA solicitaram a interdição, desocupação e realização de intervenções emergenciais nos prédios localizados nos Conjuntos Arquitetônicos do Centro Histórico e da Cidade Baixa tombados pelo IPHAN, que se encontram em grave estado de degradação. A preocupação dos Procuradores da República Caroline Rocha Queiroz e Wilson Rocha Almeida Neto (MPF/BA), e do Promotor de Justiça Ulisses Campos de Araújo (MP/BA), é a situação de perigo iminente para a integridade física e para vida de pessoas, bem como para o patrimônio histórico, em função da ocorrência de desabamentos, principalmente no período de chuvas. Desde o ajuizamento da ação, a mídia já noticiou o desabamento de 3 imóveis históricos, com o registro de uma vítima fatal e de danos a automóveis, além de perdas inestimáveis ao patrimônio cultural.

Número da ação para consulta: 19255-84.2011.4.01.3300 – 16ª Vara Federal

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

About the Author

Redação do Jornal Grande Bahia
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]