Em entrevista ao Jornal Tribuna da Bahia, o deputado Rui Costa fala sobre: sucessão em Salvador, Marcelo Nilo, Pinheiro, Pelegrino e oposição

Rui Costa dos Santos (Rui Costa).
Rui Costa dos Santos (Rui Costa).
Rui Costa: "Imbassahy (Antonio) já provou na eleição passada que não reúne esse amplo apoio popular que ele acreditava ter.". (Foto: Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia. Com. Br)
Rui Costa: “Imbassahy (Antonio) já provou na eleição passada que não reúne esse amplo apoio popular que ele acreditava ter.”. (Foto: Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia. Com. Br)

“Política é aposta, é você acreditar. Política é também uma ação de fé”. Com entrevista em destaque no jornal Tribuna da Bahia dessa segunda-feira (20/06/2011), o deputado federal Rui Costa (PT-BA) falou sobre o cenário político para 2012, reforçando a coesão em torno de um nome forte do Partido dos Trabalhadores para concorrer ao pleito.

O parlamentar, ao longo da entrevista concedida ao jornalista Osvaldo Lyra, também reafirmou o compromisso feito com o povo baiano nas últimas eleições, quando se comprometeu a representar à população no Congresso Nacional e junto ao governo do Estado, descartando uma possível candidatura à prefeitura de Lauro de Freitas, em 2012.

Costa acredita que a maioria da população não se alinhará com candidatos que se opõem à presidenta Dilma Rousseff e ao governador Jaques Wagner. Com a gestão municipal alinhada à estadual e federal, será mais fácil a concretização de vários investimentos, como a Arena Fonte Nova, a ponte Salvador-Itaparica e o sistema viário. “Está impossível viver em Salvador do ponto de vista da mobilidade urbana e do tráfego. As pessoas são maltratadas e a cidade tem um transporte publico de péssima qualidade”, afirma Costa.

Confira as resposta de Rui Costa à Tribuna da Bahia

Objetivos para 2012

RC – Não. Meu objetivo é partidário. É um objetivo de, junto com os outros deputados federais, deputados estaduais e a direção do PT, conseguir em 2012 eleger o maior número de prefeitos possíveis e o maior número de vereadores, seja do PT ou seja, daqueles que o PT se coligue nos municípios. O PT tem hoje 67 prefeitos, e acho que o partido pode ir a pelo menos 100 prefeitos, o que é algo bastante factível e podemos também, em aliança com outros partidos, chegarmos a 300 prefeitos.

Disputa eleitoral em Salvador

RC – Ainda é muito cedo para falar sobre a disputa em Salvador, aliás, não só em Salvador, como em outros municípios. Nós estamos ainda a um ano e três meses das eleições. Evidente que os bastidores começam antes, mas o povo só pensa em eleição mesmo entre maio e junho, eu diria que todos pensam, mesmo, após o São João. No entanto, é claro que o jogo partidário e as conversas começam desde já. Acho que o PT entra com força e eu tenho confiança de que nós conseguiremos eleger o candidato do Partido dos Trabalhadores nas eleições de 2012 aqui em Salvador.

Base dividida

RC – Eu não diria que está dividida não porque é muito cedo ainda. É natural que qualquer um queira fazer o seu partido crescer, e ninguém faz um partido crescer anunciando que não vai ter candidato. É evidente que essa não é a melhor tática de crescimento de partido. Portanto, todos os partidos, obviamente, a um ano das eleições, têm que ter no horizonte essa perspectiva de ter candidato em todas as cidades. Mas eu diria que o jogo mesmo da sucessão vai acontecer nos primeiros meses do ano que vem.

É a partir dos mêses de janeiro e fevereiro que nós entraremos na reta final do processo e a partir daí que os partidos devem reavaliar se os candidatos deles cresceram ou não na opinião pública. E isso vale para todos os partidos. Tem municípios onde o PT tem dito que vai ter candidato, mas pode ser que, quando chegar março, o partido perceba que o candidato não decolou, com isso verá que será melhor compor com outro partido que está em melhor situação.

Não é só legítimo, como é fundamental para estratégia de crescimento dos partidos, pois isso faz com que atraia para a prateleira dos partidos vereadores fortes, é estratégia de fortalecimento. A um ano e três meses antes das eleições, não considero que a base do governo esteja rachada, pois essa realidade de a base ter mais de um candidato poderá se materializar ou não. Acho que o bom senso vai prevalecer e deve haver um processo de afunilamento com a candidatura daquele que está em melhor situação. Aqueles que não se convencerem, que acharem que mesmo não estando pontuando bem podem avançar no processo eleitoral, nós ainda temos a chance do segundo turno.

Nelson Pelegrino

RC – Eu não considero isso não. Eu já vi sondagens feitas por outros partidos e outras pessoas que tive acesso e Nelson está muito bem colocado nas pesquisas. No PT, o processo formal de decisão ainda não aconteceu. Ele reúne hoje um amplo apoio dentro do partido para ser o candidato. Agora também acho muito prematuro esse fechamento de questão porque repito: está muito longe. É preciso que as coisas ganhem um ar de naturalidade. Eu considero sempre que a política deve ser dominada pela naturalidade dos fatos. Toda vez que você tenta alterar e forçar a naturalidade dos fatos não funciona bem. Então, acho natural que o processo se dê dentro do partido ou fora do partido e nós temos tempo suficiente. Em setembro vamos ter um congresso do PT que vai, inclusive, rediscutir os casos de disputa dentro do partido. Hoje, pelo estatuto, quando há duas pessoas querendo ser candidato se faz uma prévia. Existem teses que vão ser debatidas, que propõem que não sejam feitas mais prévias, por desgastar os candidatos que participam. Nenhum método de definição de candidatura ainda teve martelo batido no PT.

Nomes fortes para sucessão de Wagner

RC – Eu não trabalho com essa hipótese. Em política você não pode trabalhar com hipóteses porque isso não ajuda a construir a estratégia. Política é aposta, é você acreditar. Política é também uma ação de fé. Você faz uma aposta e constrói um caminho para aquela aposta. Como outras coisas na vida, política é uma ação de fé. Você não pode dizer: ‘Eu tenho três estradas e vou tentar pavimentar as três’.

Quem escolhe três não consegue pavimentar nenhuma. Você escolhe uma e vai pavimentar aquela estrada e fazer com que aquele caminho tenha êxito. A partir de setembro, quando a regra do jogo tiver definida em nível nacional, nós vamos definir uma data para escolher o candidato interno e a partir dessa definição aí sim nós começaremos a afunilar esse debate. Eu acho que o nome de Nelson é um nome que vai reunir apoio de outros partidos. Evidente que se tivermos cenários diferentes a esse, o partido, seja em Salvador ou em outros municípios, vai ter que sentar e analisar.

Articulação entre Neto e Imbassahy

RC – Eu não acredito nisso, primeiro porque o nome de Imbassahy (Antonio) já provou na eleição passada que não reúne esse amplo apoio popular que ele acreditava ter. Mesmo porque ele já teve dois mandatos de prefeito, o que nos traz aquela velha máxima: quem não fez quando pôde não vai fazer quando puder. Isso eu acho que vale para o caso dele. No caso de ACM Neto, eu não aposto. Evidente que tem um público e um eleitorado conservador, ou que representa os valores conservadores ou até mesmo que contestem eventualmente o governo federal e do estado que se alinharão ao projeto dele. Mas, eu não acho que a maioria da cidade se alinhará à candidatura dele, que faz frontal polarização aos governos do estado e federal.

A Presidência da República e o governo do estado – os dois fazem uma gestão republicana e que buscam atender independente do partido político – mas mesmo assim Salvador já foi maltratada demais nos últimos anos e precisa de alguém que consiga pensar a médio e longo e prazo e que aponte soluções urgentes para os seus problemas. Está impossível viver nessa cidade do ponto de vista da mobilidade urbana e do tráfego. As pessoas são maltratadas e a cidade tem um transporte publico de péssima qualidade.

O município ainda é muito carente, principalmente em seus grandes aglomerados urbanos, a exemplo do Nordeste de Amaralina, do miolo da Chapada e do Bairro da Paz, que precisam, sobretudo, de projetos de requalificação, além das áreas mais tradicionais e do Subúrbio. É preciso haver um prefeito que não meça esforços, não meça nenhum tipo de dificuldade ou constrangimento pessoal para fazer parcerias necessárias com o governo estadual e federal para materializar aquilo que Salvador precisa. Eu não acredito, sinceramente, que Salvador apostará numa candidatura que tenha confronto, principalmente no estilo que o (ACM) Neto faz com a presidenta Dilma e o governador Jaques Wagner.

Eu não acredito que a maioria da cidade aposte nisso. Ele talvez possa sair na frente nas pesquisas em função de ele ter um público cativo, que votou nele nas eleições de 2008, mas 70% disse que não queria ele como candidato. Ele até pode sair na frente com 20%, enquanto não tiver candidatura definida na base do governo, mas à medida que se afunile isso, acredito que o candidato da base será o vencedor da eleição e eu aposto que esse candidato seja o do PT.  Vamos ter vários investimentos na cidade, a exemplo do estádio (Arena Fonte Nova), a ponte (Salvador-Itaparica) e o sistema viário. Espero que consigamos materializar os projetos de mobilidade para melhorarmos a viabilidade urbana. Isso tudo terá reflexo na eleição.

Candidatura de Moema Gramacho

RC – Não é que não me empolgue, mas eu acho que nós temos que ter metas e nós assumimos compromissos com a população. Eu sou muito de honrar os compromissos que assumo. Essa hipótese nunca foi colocada, Moema nunca colocou essa hipótese, mas eu fico orgulhoso, confesso, em ter meu nome lembrado para prefeitura de Lauro de Freitas. Mas fiz um compromisso no ano passado, rodei muitos municípios e fui o mais votado em 33 municípios, o segundo mais votado em 18 cidades, o terceiro mais votado em 17 cidades, tendo 212 mil votos. Quando percorri esses lugares, eu disse para a população desses municípios que queria representá-los no Congresso Nacional e junto ao governo do estado, portanto eles confiaram em mim. Por mais que me encha de orgulho ao ser lembrado para a disputa, ingressar nela significa dizer que estou traindo o que eu combinei com essas pessoas.

Marcelo Nilo

RC – Acho um direito de todos tentarem se viabilizar para as eleições de 2014, mas acho também muito precipitado qualquer anúncio de nome para 2014. O governador nem completou ainda o seu sexto mês de governo e nós ainda temos as eleições de 2012. Se para 2012 acho cedo afunilar os nomes, quanto mais 2014.  Nós temos que começar a partir do segundo semestre a preparação para as eleições de 2012, começar a mapear os municípios e articular os nomes, conversar com os partidos e parlamentares porque isso leva tempo.

Acho que a base do governo deve sair o máximo possível unida nos 417 municípios, reduzindo ao mínimo eventuais disputas. Temos aí sete a nove meses para fazer um processo intenso de discussão sobre 2012. Pensar em 2014 é absolutamente prematuro, mas cada um utiliza a estratégia que achar mais adequada. Não é bom para o governador Jaques Wagner antecipar o fim de seu governo. Só se discute sucessão de forma antecipada quando se tem um governo fraco. Quando se tem um governo forte, evidente que se discute sucessão no tempo adequado. O governador foi eleito com mais de 62% dos votos, portanto é um governo forte, continua forte e, com fé em Deus, vai encerrar o segundo mandato ainda mais forte, com bastante popularidade e com uma força grande. Além do mais ele será o grande condutor no tempo em que ele achar necessário

Divisão de cargos

RC – Hoje eu não tenho essa responsabilidade, o que significa que eu tirei um grande peso das costas porque essa área de articulação política de governo é muito árida pelo fato de todos quererem contribuir com o governo, todos querem ajudar e todos têm bons nomes para diversas áreas. Às vezes você tem bons dez nomes indicado por dez partidos diferentes, por dez parlamentares diferentes para uma função só, então você vai ter que escolher entre os dez, e ao escolher um, você deixa nove insatisfeitos. É sempre natural que haja insatisfeitos.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 112635 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]