Câmara Setorial do Cacau quer alterar prazos de carência e de pagamento para o cacauicultor no Programa ABC

Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.

Entidade entra com pedido junto ao MAPA visando atender demandas do setor. Bahia responde por 70%

A Câmara Setorial do Cacau encaminhou, nota técnica elaborada pela Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (CEPLAC) ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) solicitando mudanças nos prazos de carência e de pagamento previstos no Programa Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (ABC). Atualmente, o Programa prevê prazos de três anos de carência e de nove anos de pagamento para sistemas integrados lavoura-pecuária-floresta e sistemas agroflorestais. “Os prazos estabelecidos hoje não atendem a cacauicultura, que necessita de investimentos altos e tem retorno em médio prazo, sendo que o ideal é que tivéssemos seis anos de carência e 10 de pagamento, no mínimo”, afirma o presidente da Câmara Setorial do Cacau e diretor-executivo do Instituto Cabruca, Durval Libânio. Segundo o diretor-técnico da CEPLAC, Manfred Muller, o cacau demora, em média, três anos para iniciar a produção e seis anos para registrar produtividade satisfatória, o que justifica a necessidade da mudança dos prazos de carência e pagamento.

A nota técnica também afirma que o sistema cacau-cabruca (prática conservacionista de cultivo do cacau) –e outros sistemas agroflorestais, como cacau com seringueira – evita emissões de carbono, conseguindo estocar em média, respectivamente 170 e 120 toneladas de carbono por hectare, enquanto a soja em plantio direto, por exemplo, estoca apenas 90 toneladas. O secretário financeiro do Instituto Cabruca – entidade que compõe o grupo gestor do Programa ABC no Estado da Bahia – Thiago Guedes, lembra que a Bahia é o maior produtor de cacau do Brasil, respondendo por 70% da produção total do País, sendo que deste total, 90 % é produzido na forma de sistemas agroflorestais.

O Programa ABC

O ABC tem como missão reverter o modelo predominante de exploração agrícola de altas emissões de gás carbônico no País e recuperar 15 milhões de hectares de pastagens degradadas, expandir o plantio direto (que não revolve o solo) dos atuais 25 milhões para 33 milhões de hectares, (Colocar meta de Sistemas integrados Lavoura-pecuária-floresta e sistemas agroflorestais) além de disponibilizar uma linha de crédito para florestas comerciais de eucalipto e pinus. Na prática, o Programa tem como proposta promover o desenvolvimento sustentável das áreas de produção como lavoura, pecuária, floresta, a recuperação de áreas degradadas, o uso de plantio direto, o plantio de florestas e a fixação biológica de nitrogênio.

 

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

About the Author

Redação do Jornal Grande Bahia
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]