O País cor de rosa

O país cor de rosaO país cor de rosa

Outro fator que contribui, e muito, para este descalabro cultural e moral da sociedade são as telenovelas, onde toda mulher é vulgar, e seus autores tentam “socar” goela a baixo do telespectador a prática do homossexualismo.

É inacreditável, mas infelizmente é verdade! O Ministério da Educação e Cultura – MEC, firmou um estranho convênio com o Fundo Nacional da Educação – FNDE e a ONG Comunicação em Sexualidade – ECOS, para produzir o Kit Gay que segundo seus criadores trata-se de um material “educativo” constituído de vídeos, boletins e cartilhas com abordagem do universo de adolescentes homossexuais que deverá ser distribuída nas diversas escolas da rede pública espalhada por todo país, através do programa Mais Educação. (Kit Gay nas escolas gera polêmica: Material didático mostra história de lésbicas e adolescentes que virou travesti – publicado no Correio Brasiliense, em 5 de dezembro

de 2010 por John Cutrim).
Segundo um dos seus criadores, ou criadoras – na verdade é difícil dizer – este programa é constituído da seguinte forma: o Kit Gay para alunos conterá um DVD com uma história aonde um menino vai ao banheiro e quando entra um colega, se diz apaixonado pelo mesmo e assume sua homossexualidade.

É difícil de acreditar que as duas instituições federais supracitadas, aplique verbas oriundas dos impostos pagos pela população, para estimular a prática homossexual entre crianças e adolescentes. Sabe-se que no Brasil, desde sua colonização até os dias de hoje, sua população é vítima de um ensino público de péssima qualidade, onde se pode dizer, sem medo de errar, que é lamentável o total descaso dispensado pelas autoridades públicas quanto à qualidade deste ensino. “Quinze milhões de alunos estudam em escolas sem biblioteca no país e 75% das escolas públicas não possuem laboratórios – O Globo, 29/01/2011; Demétrio Weber”.

As verbas destinadas à transformação do Brasil em um “País Cor de Rosa” teriam melhor proveito se destinadas a corrigir as deficiências de móveis, equipamentos e material didático, baixos salários pagos aos professores – aviltamento dos profissionais da educação – instalações precárias, entre tantos outros. A atual situação do ensino público no Brasil pode ser vista como uma negligência ou, melhor dizendo, em irresponsabilidade que se traduz em desestímulo para docentes e alunos e, como consequência, em baixos rendimentos e formação insuficiente.

Outro fator que contribui, e muito, para este descalabro cultural e moral da sociedade são as telenovelas, onde toda mulher é vulgar, e seus autores tentam “socar” goela a baixo do telespectador a prática do homossexualismo. Em contra partida as deficiências, o sucateamento, o descaso, a insegurança e a violência que contaminam o ensino, a educação, a cultura, a formação e a profissionalização do povo brasileiro, ficam em segundo plano. Esta grave situação educacional brasileira está retratada pela existência de cerca de 15,2 milhões de analfabetos, absolutos – dados do Ministério da Educação.

Imaginem se outro bando de loucos resolve oficializar a pedofilia, o estupro, a poligamia e todo tipo de abusos sexuais!

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

About the Author

Alberto Peixoto
Antonio Alberto de Oliveira Peixoto, nasceu em Feira de Santana, em 3 de setembro de 1950, é Bacharel em Administração de Empresas pela UNIFACS, e funcionário público lotado na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia, atua como articulista do Jornal Grande Bahia, escrevendo semanalmente, é escritor e tem entre as obras publicadas os livros de contos: 'Estórias que Deus Duvida', 'O Enterro da Sogra, 'Único Espermatozoide', 'Dasdores a Difícil Vida Fácil', participou da coletânea 'Bahia de Todos em Contos', Vol. III, através da editora Òmnira. Também atua incentivador da cultura nordestina, sendo conselheiro da Fundação Òmnira de Assistência Cultural e Comunitária, realizando atividades em favor de comunidades carentes de Salvador, Feira de Santana e Santo Antonio de Jesus. É Membro da Academia de Letras do Recôncavo (ALER), ocupando a cadeira de número 26. E-mail para contato: [email protected] Saiba mais sobre o autor visitando o endereço eletrônico http://www.albertopeixoto.com.br.