Sistema de Classificação indica qualidade da safra e auxilia a comercialização de produtos da agricultura familiar da Bahia

Determinar a qualidade dos produtos de origem vegetal, seus subprodutos e resíduos de valor econômico para auxiliar a comercialização e beneficiar os agricultores baianos. Com esta finalidade, a Secretaria de Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária (Seagri), através do Serviço de Laboratórios e Classificação (SLC) da Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola S.A., é a responsável pela classificação de produtos de origem vegetal, no Estado.

Segundo o diretor Executivo da EBDA, Elionaldo de Faro Teles, a classificação de produtos de origem vegetal ajuda na qualificação e melhora do comércio agrícola. “Este serviço protege a quem produz, a quem compra a safra, e, principalmente, ao consumidor final, que passa a ter segurança quanto a qualidade do alimento adquirido”, afirmou Teles. De acordo com o diretor, a prestação desse serviço, em 2010, proporcionou à EBDA uma receita da ordem de R$2,46 milhões.

Com o certificado de classificação, o agricultor ou embalador, conhece a qualidade do seu produto e, consequentemente, o seu valor real, o que lhe dá maior poder de barganha na comercialização. Na Bahia, a empresa trabalha com Postos de Serviço em Salvador, Feira de Santana, Barreiras, Irecê, Itabuna e Luiz Eduardo Magalhães.

O chefe do SLC, engenheiro agrônomo Gernack Ferraz Souto, explica que a classificação determina a qualidade dos produtos com base em padrões físicos, químicos e/ou descritivos, e se constitui em um serviço auxiliar da comercialização. Ele informa que a classificação beneficia a população como um todo, desde o agricultor, viabilizando preços dignos para as suas safras, a agroindústria, inibindo a fraude de mercado e possibilitando a concorrência leal, até o consumidor, disponibilizado produtos de qualidade.

Ferraz informa também que o governo é beneficiário deste serviço, pois embasa a política de formação de estoques reguladores, evitando a aquisição de produtos de níveis qualitativos inadequados para armazenagem prolongada, e auxiliando na preservação do conceito comercial do país, impedindo o subfaturamento e a evasão de divisas.

Na Bahia, a EBDA é a empresa credenciada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), para classificar e certificar: arroz, farinha de mandioca, feijão, alpiste, fécula, tapioca, milho, soja, girassol, lentilha, mamona, sisal, trigo, farinha de trigo, óleos de soja, de girassol, de algodão, de canola e de milho, algodão, sorgo, pera e maçã. “É obrigatória a classificação de produtos de origem vegetal nas aquisições do governo para os produtos destinados diretamente à alimentação humana, ou quando para importações”, diz o diretor.

Sistema On Line

Para certificar os produtos classificados, a EBDA utiliza o Sistema Informatizado de Classificação (Sisclas), que permite mais agilidade na emissão de laudos, certificados e relatórios, via internet, e garante segurança contra possíveis fraudes. “O Sisclas é o sistema de gestão do SLC, muito ágil e seguro, e pode ser acionado em qualquer ponto do país”, explica a chefe da Divisão de Informática da empresa, Regina Marinho, responsável pela implantação do sistema.

O Sisclas foi desenvolvido pela Emater/RS, cedido e adaptado para uso da EBDA. Nesse trabalho, a empresa conta com a parceria da Emater-RS e da Companhia de Processamento de Dados da Bahia (Prodeb), onde o sistema está depositado no seu Datacenter.

Empresas empacotadoras, envasadoras e produtores de todo o país podem utilizar os serviços de classificação da EBDA, enviando suas amostras via correio. Nesse processo, a análise é feita e o certificado fica disponível para impressão on-line, com a assinatura digital do técnico responsável pela avaliação. Para a confirmação, a empresa compradora pode entrar no site do Sisclas e confirmar a validade do certificado. “Este sistema garante total segurança contra fraude”, assegura Marinho.

Sobre Alberto Peixoto 488 Artigos
Antonio Alberto de Oliveira Peixoto, nasceu em Feira de Santana, em 3 de setembro de 1950, é Bacharel em Administração de Empresas pela UNIFACS, e funcionário público lotado na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia, atua como articulista do Jornal Grande Bahia, escrevendo semanalmente, é escritor e tem entre as obras publicadas os livros de contos: 'Estórias que Deus Duvida', 'O Enterro da Sogra, 'Único Espermatozoide', 'Dasdores a Difícil Vida Fácil', participou da coletânea 'Bahia de Todos em Contos', Vol. III, através da editora Òmnira. Também atua incentivador da cultura nordestina, sendo conselheiro da Fundação Òmnira de Assistência Cultural e Comunitária, realizando atividades em favor de comunidades carentes de Salvador, Feira de Santana e Santo Antonio de Jesus. É Membro da Academia de Letras do Recôncavo (ALER), ocupando a cadeira de número 26. E-mail para contato: [email protected] Saiba mais sobre o autor visitando o endereço eletrônico http://www.albertopeixoto.com.br.