Missão Chinesa vem à Bahia para autorizar a exportação de charutos

Um dos mais importantes resultados da relação comercial entre a Bahia e Ásia e fruto das últimas missões da agropecuária baiana à República Popular da China, coordenada pelo secretário estadual da Agricultura, engenheiro agrônomo Eduardo Salles, uma delegação chinesa estará na Bahia entre os dias 8 e 15 de maio para vistoriar a cadeia produtiva do tabaco, confirmar que o Estado é livre do Mofo Azul e autorizar a exportação dos charutos fabricados no Recôncavo. Técnicos e representantes do governo chinês, além de empresários, vão visitar fazendas e indústrias para conhecer in loco desde o plantio, a colheita e o beneficiamento da produção, com vistas a incluir o Estado no tratado bilateral para a exportação do charuto.

A delegação chinesa vai conhecer de perto o trabalho desenvolvido pela Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab) que caracterizou a Bahia como Área Livre de Mofo Azul, status certificado e reconhecido pelo Ministério da Agricultura (MAPA). A presença da praga é impeditiva ao comércio com o mercado Chinês. Para o secretário Eduardo Salles, a exportação dos charutos baianos vai gerar empregos e recuperar a economia do Recôncavo.

A produção de tabaco na Bahia concentra-se na região do Recôncavo, principalmente na cidade de Cruz das Almas. Cerca de três mil empregos diretos são gerados só no município, mobilizando 5% da população em função da cultura do tabaco, cuja qualidade já é conhecida pelo mercado europeu e tão boa ou superior aos charutos cubanos. “Trata-se de uma atividade importante para a economia agrícola do Estado na medida em que oferece condições de empregabilidade e geração de renda para a agricultura familiar”, ressalta o secretário, lembrando ainda que a produção baiana é artesanal e realizada por 12 mil agricultores familiares em todo o Recôncavo Baiano com predominância da mão de obra feminina.

A Bahia exporta 97% da produção de folhas de fumo, principalmente para Holanda e Alemanha. No ano passado, de acordo com dados do IBGE, o Estado produziu 6.147 toneladas numa área de 5.879 hectares, ocupando a 5ª posição no ranking do país, atrás de Alagoas, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Com relação aos charutos, a Bahia produz atualmente cinco milhões do produto/ano em oito municípios (Cruz das Almas, Muritiba, São Félix, Cachoeira, Paraguaçu, Conceição do Almeida, Simões Filho e Salvador). “Temos um dos melhores fumos aromáticos do mundo, geramos emprego e renda para milhares de pessoas no campo e na cidade e a qualidade dos nossos produtos é reconhecida internacionalmente”, salienta o prefeito de Cruz das Almas, Orlando Pereira. “A exportação dos charutos para a China vai impulsionar o desenvolvimento da região, reerguer a economia local e abrir um nicho de mercado para a agricultura familiar”, completa.

Com a liberação da exportação para a China, a expectativa da Secretaria da Agricultura da Bahia (Seagri), prefeituras municipais do Recôncavo, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e produtores, é de que a produção aumente 100%, consolidando a cultura do fumo para charutos, criando empregos e recuperando a economia de toda a região. “Outro grande benefício é a reativação de fábricas de charuto, promovendo o fortalecimento da cadeia produtiva e estabelecendo um padrão de auto-sustentabilidade para o negócio já que o produto charuto tem maior valor agregado”, aponta o presidente do Sinditabaco Bahia, Ricardo Becker.

O diretor de Defesa Sanitária Vegetal da Adab, Armando Sá, ressalta que “o tabaco é a mais importante cultura agrícola não-alimentícia do planeta, e contribui substancialmente para as economias de mais de 150 países”. E o Brasil, além de ser o segundo maior produtor de tabaco do mundo, é o líder na exportação mundial do produto há 15 anos.

“Pelo status sanitário da Bahia, que é livre do mofo azul, a expectativa da indústria e dos produtores è que a Missão Chinesa autorize a inclusão do nosso Estado nos acordos bilaterais para a exportação do charuto”, diz Odacir Strada, secretário Executivo da Câmara Setorial do Tabaco. A Bahia foi a primeira Unidade da Federação a ser caracterizada como livre do Mofo Azul.

A Seagri, através da Adab, desenvolveu em 2010 um intenso trabalho em campo delimitando procedimentos para caracterizar como livre da praga áreas em mais de 20 municípios produtores, totalizando 1.736 hectares plantados.

Em atendimento às exigências do Ministério da Agricultura, foram coletadas amostras em 10% das 2.326 propriedades produtoras de tabaco, e o material foi enviado a laboratórios no Rio Grande do Sul. Com o resultado negativo para a presença do fungo ‘Peronospora Tabacina’, a Adab encaminhou a proposta de caracterização de área livre do Mofo Azul ao Mapa, que emitiu parecer favorável.

Em janeiro deste ano, junto com o governador do Estado, Jaques Wagner, o secretário da Agricultura Eduardo Salles, esteve na China, em missão de trabalho, para entregar ao vice-ministro da Agricultura daquele país, Wei Chuanzhong, os documentos comprobatórios de que a Bahia é Estado livre do Mofo Azul. “Nosso objetivo enquanto Estado é a recuperação econômica e social do recôncavo, que vive da cultura do fumo”, salienta o diretor geral da Adab, Paulo Emílio Torres. “Mas é também garantir a qualidade sanitária da produção para o pleno desenvolvimento das atividades do homem no campo”, finaliza.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 111110 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]