Entenda a operação que matou Bin Laden e as questões legais que ela levanta

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.

A morte de Osama Bin Laden por forças especiais americanas no Paquistão levantou uma série de perguntas sobre a legalidade da ação militar e o que realmente teria acontecido durante a operação – e nem todas elas tem respostas claras.

Veja aqui algumas questão levantadas sobre os eventos que levaram à morte de Bin Laden – e as respostas, com base nas informações divulgadas até o momento.

Como Bin Laden foi localizado?

O homem que por quase uma década foi a pessoa mais procurada dos Estados Unidos acabou sendo encontrado graças à identificação de um de seus mensageiros pessoais.

O mensageiro foi identificado em 2007, durante investigações da CIA e de outras agências de inteligência americanas.

Em meados de 2010, este foi seguido até um complexo residencial em Abbottabad, cerca de 100 quilômetros à nordeste da capital, Islamabad, e onde está a principal academia militar do Paquistão.

Em fevereiro de 2011, o governo americano determinou que havia “inteligência suficiente” para comprovar que Bin Laden estava vivendo neste complexo residencial com diversos membros de sua família.

O Exército paquistanês sabia que Bin Laden estava vivendo perto de uma instalação militar?

Oficinalmente, não. No entanto, a casa onde Bin Laden vivia, cuja construção terminou em 2005, não passaria despercebida. Ela era muito maior do que outras casas da região e estava cercada por muros altos com arame farpado.

Muitos analistas estão perguntando como uma enorme mansão com forte segurança pode ter sido construída em um importante centro militar e ocupada por Bin Laden por anos, sem que nenhum membro do Exército tivesse notado.

As investigações sobre o paradeiro do líder da Al-Qaeda levantaram suspeitas de que alguns membros da inteligência do Exército paquistanês – a ISI – estejam protegendo líderes de grupos militantes extremistas.

Perguntado se o local não tinha sido examinado, um oficial da ISI disse à BBC que o complexo residencial havia sido inspecionado enquanto estava sendo construído, porque as autoridades acreditavam que Abu Faraj al-Libbi, um membro da Al-Qaeda, estava lá.

Mas ele disse que, desde então, a casa não esteve no radar do ISI e que essa falha seria extremamente “constrangedora” para a agência.

O Paquistão estava envolvido na operação para matar Bin Laden?

Os Estados Unidos dizem que planejaram e executaram a busca sozinhos, e só informaram os paquistaneses sobre o ocorrido depois que a missão chegou ao fim.

Um oficial americano disse à imprensa que a razão para isso é que “era essencial para a segurança da operação e do nosso pessoal que somente um grupo muito pequeno de pessoas dentro do nosso próprio governo soubessem do que iria acontecer”.

Mas alguns analistas tem dificuldade de acreditar que aviões americanos teriam conseguido penetrar no Paquistão, aparentemente livrando-se da defesa aérea do país, sem que o Exército tivesse conhecimento da ação.

Como é possível ter certeza de que Bin Laden está morto?

Os oficiais americanos dizem que, após a operação que matou Bin Laden, seu corpo foi levado de avião até o Afeganistão, onde foram realizados testes de DNA.

Segundo eles, os testes mostraram que o DNA do corpo tinha “praticamente 100%” de compatibilidade com o DNA de familiares de Bin Laden.

Em seguida, o corpo teria sido enterrado no mar. Os oficiais americanos dizem que isso foi feito para evitar que o túmulo do líder da Al-Qaeda se tornasse um santuário e um local de peregrinação.

A versão americana da operação é aceita por todos?

De modo algum. Teorias da conspiração começaram a circular minutos após o anúncio da morte de Bin Laden.

Em blogs, fórums e páginas de internet – incluindo um grupo no Facebook intitulado “Osama Bin Laden não está morto” – abundam sugestões de que o governo americano forjou a operação.

Correspondentes dizem que muitas pessoas no Paquistão duvidam que ele foi morto. Em um debate realizado pela rádio britânica BBC Asian Network na última segunda-feira, vários muçulmanos britânicos também se mostraram céticos.

“Não há corpo?”, questionou um dos debatedores. “Eu não acredito nos americanos por falta de evidências.”

“Eu não acredito que Osama Bin Laden está morto”, disse outro. “Há mais nesta história do que conseguimos ver agora.”

Por que os Estados Unidos ainda não divulgaram nenhuma foto do corpo?

Os Estados Unidos tem conhecimento da pressão para fornecer provas da morte de Bin Laden.

A mídia Americana chegou a dizer que uma das razões para que o presidente Barack Obama ordenasse uma operação com uma unidade de elite em vez de um bombardeio aéreo era justamente a possibilidade de poder identificar o corpo.

As autoridades americanos estão estudando o impacto de uma eventual divulgação de fotos do corpo de Bin Laden – especialmente porque elas podem ser repulsivas.

É possível também que as imagens sejam consideradas provas insuficientes, já que o líder extremista teria sido atingido na cabeça.

Após a invasão do Iraque, o Pentágono divulgou imagens dos dois filhos de Saddam Hussein depois que eles foram mortos em uma troca de tiros com forças americanas, mas os corpos haviam sido “limpados” antes de que as imagens fossem feitas e liberadas para o público.

O assassinato de Bin Laden foi uma operação legal?

O uso de força letal contra Bin Laden dificilmente será questionado em um tribunal americano, mas a Casa Branca parece estar consciente das questões legais.

Pelas leis americanas e internacionais, assassinatos são proibidas. Execuções extrajudiciais só são permitidas durante conflitos armados.

O governo declarou que o líder da Al-Qaeda “resistiu durante a operação”, mas não está claro como ele poderia ter resistido, já que também foi dito que ele estava desarmado.

De acordo com o professor de direito britânico Philippe Sands, da University College of London, a legalidade da operação depende do que o Paquistão sabia e autorizou, de quais eram os objetivos dos Estados Unidos com a operação e do que aconteceu quando os soldados americanos confrontaram Bin Laden.

Segundo Sands, até que estes fatos estejam bem estabelecidos, não está claro se a operação foi legal ou não.

No entanto, os Estados Unidos podem argumentar que tinham o direito de agir para proteger seus cidadãos contra um inimigo. Neste caso, as leis podem estar a favor dos americanos.

“Mesmo que o uso de força letal tenha sido ilegal, a lei internacional reconhece que há circunstâncias excepcionais em que a necessidade é mais importante do que a injustiça, e este será um destes casos”, disse Sands.

Bin Laden não estava armado, mas resistiu à captura, diz Casa Branca. Carney disse que havia pessoas armadas no local, mas não Bin Laden

O líder da rede extremista Al-Qaeda, Osama Bin Laden, não estava armado no momento em que forças especiais americanas invadiram o local onde vivia escondido, no Paquistão, disse nesta terça-feira o porta-voz da Casa Branca, Jay Carney.

Desde o anúncio da morte de Bin Laden, no domingo, o governo americano vinha afirmando que o líder da Al-Qaeda havia sido morto com um tiro na cabeça ao resistir à captura.

Segundo Carney, apesar de não estar armado, Bin Laden de fato tentou resistir.

“Havia a preocupação de que Bin Laden fosse se opor à operação de captura, e realmente ele resistiu”, disse o porta-voz, em entrevista coletiva em Washington. “Bin Laden foi então atingido e morto. Ele não estava armado.”

De acordo com Carney, várias outras pessoas presentes na mansão em que o líder da Al-Qaeda vivia – na cidade de Abbottabad, a cerca de 60 km da capital do Paquistão, Islamabad – estavam armadas e houve troca de tiros.

O porta-voz afirmou ainda que uma das esposas de Bin Laden confrontou as forças americanas e foi baleada na perna, mas não morreu.

Na segunda-feira, o principal assessor da Casa Branca para assuntos de segurança nacional e contraterrorismo, John Brennan, havia dito que a mulher fora morta ao ser usada como escudo por Bin Laden.

Carney afirmou ainda que o governo está analisando se divulga ou não imagens do corpo de Bin Laden que, segundo ele, são “terríveis”.

“É razoável dizer que é uma fotografia terrível”, disse Carney. “Poderia (ter efeito) incendiária.”

Clique Leia mais na BBC Brasil: Cresce pressão para que EUA divulguem fotos de Bin Laden

Além do tiro que o matou, na cabeça, Bin Laden foi atingido posteriormente por um tiro no peito.

O governo americano diz que Bin Laden foi enterrado no mar, menos de 24 horas depois de sua morte, seguindo a tradição religiosa islâmica, e que exames de DNA e técnicas de reconhecimento facial teriam confirmado sua identidade.

No entanto, desde o anúncio da morte, feito pelo presidente Barack Obama em um pronunciamento na TV no fim da noite de domingo, os Estados Unidos têm sido pressionados a divulgar imagens do corpo do líder da Al-Qaeda.

O temor da Casa Branca é de que a divulgação das imagens possa inflamar ainda mais os apoiadores de Bin Laden no Paquistão e em outros locais, que já prometeram lançar novos ataques contra os Estados Unidos.

Paquistão

As forças americanas recolheram documentos, DVDs e computadores do esconderijo de Bin Laden, e uma força-tarefa foi criada para analisar o material. Segundo Brennan, o material pode dar pistas que levariam ao número dois da Al-Qaeda, Ayman Al-Zawahiri.

Os Estados Unidos também buscam mais informações sobre o tipo de apoio que Bin Laden pode ter tido para se esconder no Paquistão.

O governo americano estaria pressionando o país asiático a explicar como Bin Laden permaneceu tanto tempo escondido em seu território sem o conhecimento das autoridades.

Na segunda-feira, Brennan já havia dito que é “inconcebível” que Bin Laden não tivesse um sistema de apoio no Paquistão.

Em uma entrevista à revista Time divulgada nesta terça-feira, o diretor da CIA (a agência de inteligência americana), Leon Panetta, disse que os Estados Unidos descartaram informar o Paquistão sobre a operação para capturar Bin Laden por temor de que isso colocasse a missão em risco. “Eles poderiam alertar os alvos.”

Nesta terça-feira, Carney descreveu a relação entre Estados Unidos como “importante e complicada”.

“Nós estamos trabalhando muito duro nessa relação, é uma relação importante e complicada que foi testada de diversas maneiras ao longo dos anos e mesmo neste ano”, afirmou.

Carney disse ainda que a morte do líder da Al-Qaeda não deverá afetar os planos dos Estados Unidos de retirar suas tropas do Afeganistão. O início da retirada está previsto para julho.

Filha adolescente de Bin Laden disse ter visto pai ser morto, diz ISI

Um oficial da principal agência de inteligência do Paquistão (ISI) disse que a filha adolescente de Osama Bin Laden, de 12 ou 13 anos, contou ter visto o pai ser morto a tiros.

O oficial deu à BBC mais detalhes sobre a operação que matou o líder da Al-Qaeda no Paquistão, no último domingo.

Segundo ele, as forças americanas que executaram a operação levaram o corpo de Bin Laden e outra pessoa, ainda viva, após a batida.

A identidade do prisioneiro ou prisioneira não foi revelada, mas há especulações na mídia paquistanesa de que seria um dos filhos do líder da Al-Qaeda.

Segundo as informações, uma das mulheres de Bin Laden e sua filha adolescente sobreviveram ao ataque. Ele afirmou que havia entre 17 e 18 pessoas no complexo de casas na cidade de Abbottabad, a cerca de 100 quilômetros da capital paquistanesa, Islamabad, onde Bin Laden foi encontrado e morto no domingo por forças especiais dos EUA.

Ainda de acordo com o oficial da ISI – que não quis ser identificado – a mulher de Bin Laden que sobreviveu, de nacionalidade iemenita, afirmou que a família havia se mudado para o complexo de casas há poucos meses.

O oficial afirmou ainda que aparentemente os americanos planejavam levar consigo as mulheres e crianças que sobreviveram ao ataque, mas tiveram que abandonar o plano quando um de seus helicópteros apresentou defeitos. O helicóptero foi destruído depois por membros da força especial dos EUA.

Os EUA ainda não fizeram comentários oficiais sobre qualquer prisioneiro. Disseram apenas que o corpo de Bin Laden foi levado.

A ISI afirmou que a organização encontrou documentos no complexo. A CIA, agência de inteligência americana, já estaria examinando vários hard drives de computadores encontrados no local.

*Com informações da BBC Brasil

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 113605 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]