Deputados debatem crise da cacauicultura na Bahia e Carlos Geilson cobra explicações sobre privatização da BR-324. Confira as notícias da ALBA

Jornal Grande Bahia compromisso em informar.Jornal Grande Bahia compromisso em informar.

Deputados debatem crise da cacauicultura na Bahia. Por iniciativa do deputado estadual coronel Gilberto Santana (PTN), a Comissão de Agricultura e Polícia Rural da Assembléia Legislativa em parceria com o Instituto Pensar Cacau, reúne-se na sexta-feira, (27/05/2011), no Centro de Cultura Adonias Filho, em Itabuna, a fim de tratar do desenvolvimento da cacauicultura baiana e a grave crise que a cultura passa reflexo da praga da vassoura de bruxa e os sucessivos planos econômicos que resultaram no endividamento do setor produtivo.

Segundo dados do próprio Ministério da Agricultura, a vassoura-de-bruxa reduziu a produtividade média dos cacauais de 750 kg para 180kg por hectare, e a produção de 400 mil toneladas, com receita cambial de US$1 bilhão em 1979, para algo em torno de 100 mil toneladas, fazendo com que o país passasse de exportador de cacau e o segundo maior produtor mundial, a ser importador de cacau da ordem de US$213 milhões para suprir a necessidade operacional do seu parque fabril
Isso promoveu um problema social na região cacaueira, ocasionando mais de 250 mil desempregados. Hoje, a produção de cacau está situada em volume inferior ao do ano inicial do órgão criado para recuperação da lavoura, a CEPLAC, há 53 anos atrás. Desde o ano de 2008 o governo federal, tentando reverter a crise no setor, planejou o PAC do Cacau, projeto ansiado pela região produtora na Bahia e a que mais sofreu com a vassoura de bruxa, mas que até o momento não surtiu os efeitos esperados.
Para a audiência pública em Itabuna, além dos deputados que integram a Comissão de Agricultura, são aguardados representantes UESC, UNIME, FTC, Ministério Pùblico, OAB, Câmara de Vereadores de Itabuna e Ilhéus, prefeituras de Itabuna e Ilhéus, AMURC, FAEB, EBDA, Associação Comercial de Itabuna, CDL de Itabuna e Ilhéus, lojas maçônicas, Rotary Clube, Lions Clube, IMA, INGÁ, IBAMA, TV Santa Cruz, TV Cabralia, TV Itabuna, Jornal Agora, Jornal Bahia Hoje, Jornal A Região, Jornal A Tarde, APC, sindicatos rurais, deputados federais da região, Ceplac, BNB, Banco do Brasil, Desenbahia.
Carlos Geilson cobra explicações sobre privatização da BR-324
O deputado estadual Carlos Geilson (PTN) cobrou hoje ações do governo da Bahia acerca da privatização da BR-324. Que liga Salvador a Feira de Santana e hoje possui uma praça de pedágio funcionando e outra sendo implantada, sem que a empresa vencedora da licitação tenha dado a contrapartida necessária, como a recuperação das vias. “O governador não conhece a realidade da BR-324. Ele anda de helicóptero. Mas a rodovia está cheia de buracos, ou com remendos malfeitos no asfalto. Eu duvido que no Brasil tenha uma rodovia privatizada numa situação tão precária quanto a BR-324”, afirmou o deputado.
Segundo o deputado, se a rodovia foi privatizada, o usuário quer pagar por qualidade. “O líder do governo, deputado Zé Neto (PT), passa todo dia pela rodovia e parece não enxergar a situação. E se enxerga, a Via Bahia e a Bahia Norte – empresas vencedoras das licitações de privatização das rodovias baianas – não tem dado nenhuma satisfação ao governo, se é que o governo está reclamando ou pressionando por uma estrada de qualidade. Quem passa pela BR-324 está se sentindo prejudicado e lesado. Esse é o sentimento de todos nós que utilizamos as estradas. Mas o líder do governo não enxerga essa situação”, disse.
Deputado defende taxistas em viagens intermunicipais
O deputado estadual Carlos Geilson (PTN) comemorou hoje derrota do governo baiano no Superior Tribunal de Justiça (STJ) em ação contra os taxistas, ao não reconhecer o direito do Estado, através da Agerba, de multar motoristas de táxi em viagem intermunicipal. “A Agerba iniciou a fiscalização no início do ano, baseado na lei estadual 11 378/2009, que prevê que todo transporte intermunicipal deve ser feito por uma concessão do estado. No entender do Estado, o alvará de táxi restringe o serviço a área do município em que tenha sua licença expedida. Taxistas, que a pedido dos clientes, viajavam para fora do perímetro estabelecido eram multados, sempre que flagrados nessa situação”, narrou o parlamentar.
No recurso ao STJ, contou Carlos Geilson, a Agerba alega que esses táxis atual à margem da lei e que, impedir sua fiscalização, é anuir a prestação de um serviço irregular. “Entretanto, o ministro Cézar Asfor Rocha manteve a decisão liminar de primeiro grau ao arguir que o táxi não é um veículo de transporte coletivo e o exercício dessa atividade não pode sofrer o regramento do transporte coletivo de passageiro. Portanto, existe decisão do STJ que impede a fiscalização da Agerba”, informou o deputado.
Portanto, prosseguiu Carlos Geilson, a fiscalização da Agerba é irregular. “Não estou aqui defendendo o ‘ligeirinho’, mas o taxista legalizado e que não pode ser multado pela Agerba. Essa fiscalização da Agerba é ilegal. Portanto, estou encaminhando a Agerba um pedido de explicações porque ela continua multando taxistas e com que bases legais isso ocorre porque a legislação estadual já caducou”, concluiu.
Carlos Geilson integra comissão que irá acompanhar no Congresso Nacional proposta de reforma política
O deputado estadual Carlos Geilson (PTN), integrante da Comissão Extraordinária para Discussão da Reforma Política que tramita no Congresso Nacional, instalada na última segunda-feira, afirmou hoje que essa é uma reforma é considerada indispensável para a cidadania plena dos brasileiros, pois moldará o exercício político já a partir das próximas eleições, corrigindo rumos e deficiência que perturbam institucionalmente a obtenção – nas urnas – do desejo efetivo do eleitorado. “É nosso interesse estarmos atentos as mudanças que serão apreciadas pelo Congresso Nacional, pois nós, deputados estaduais, estamos mais próximos dos eleitores e podemos reproduzir mais fielmente o desejos dele”, afirmou.
Além disso, Carlos Geilson lembrou que a reforma política vai influir diretamente na vida dos deputados estaduais e que estes não podem estar afastados do cenário dos debates. “Temos ciência de que podemos influir na discussão dos diversos temas que serão abordados. Eu, por exemplo, sou contra a lista fechada – em que o partido apresenta os candidatos e o eleitor passa a votar na lista apresentada e não mais nos candidatos individualmente – porque percebo que o eleitor vota não no partido, mas nos candidatos. Também acredito que o financiamento público de campanha não irá prosperar”, afirmou.
O parlamentar compreende que a reforma política não irá agradar a todos. “Os partidos grandes vão continuar lutando para defender seus interesses e permanecerem grandes, enquanto os pequenos vão trabalhar para também poder ter chance de crescer. Os grandes vão continuar lutando para não perder espaço e manter os pequenos nesta mesma posição. Mas não podemos continuar alheios. Temos que participar dos debates como já fazem outras Assembleias Legislativas”, concluiu.
Luizinho Sobral pede indústria têxtil para Irecê
O deputado estadual Luizinho Sobral (PTN) sugeriu ao governo do Estado, através da Secretaria da Indústria Comércio e Mineração (SICM), a realização de estudos técnicos visando à implantação de uma indústria têxtil de transformação no município de Irecê. Segundo o deputado, cabe ao governo fomentar o desenvolvimento da indústria e executar política própria de desenvolvimento industrial observada a proteção do meio ambiente.
“A indústria têxtil de transformação representa para a região onde esteja instalada, um fomentador do desenvolvimento econômico. Segundo dados da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (ABIT), o faturamento do setor têxtil e de confecção no Brasil foi de US$52 bilhões no ano de 2010, o que representa 5,5% do Produto Interno Bruto (PIB) da indústria de transformação. As exportações do setor têxtil e de confecção do Brasil no ano de 2010 foi de US$1,4 bilhão, representando um crescimento de 14 % em relação a 2009. O Brasil possui o 5º maior parque têxtil do mundo, sendo o 3º maior produtor de malha e o 2º maior produtor de denim. O setor têxtil e de confecção investiu US$13 bilhões nos últimos 10 anos, gerando 1,7 milhão de empregos diretos se transformando no 2º maior empregador da indústria de transformação”, afirmou o parlamentar.
Luizinho Sobral disse ainda que, com base nos resultados obtidos no ano de 2010 e a depender de outras variáveis econômicas de países concorrentes, estima-se para o ano de 2011, um crescimento de 5% da indústria de transformação, 4% da confecção, 3,5% do setor têxtil e 6% do varejo, gerando cerca de 40 mil novos postos formais de trabalho. “A produção do setor têxtil é bastante diversificada, com amplas possibilidades econômicas, e envolve fardamentos escolares, uniformes, vestuário, roupa de cama, mesa e banho, tapetes, carpetes, rendas e bordados, dente outros manufaturados. E existe em Irecê, comerciantes atacadistas e varejistas de produtos têxteis e de confecção. Segundo os dados do IBGE (senso 2010), a microrregião de Irecê possui uma população de 373.000 habitantes aproximadamente e a implantação de uma industria têxtil de transformação é importante para proporcionar condições de empregabilidade e melhoria da qualidade de vida da população residente, e que, com o objetivo de alavancar o desenvolvimento econômico da região, esperamos que o governo acolha a proposição o mais breve possível”, concluiu.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

About the Author

Redação do Jornal Grande Bahia
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]