César Orrico fala sobre a importância do 1º Seminário de Cidade Digital Aberta de Feira de Santana

Augusto Cézar Pereira Orrico discursa durante o 1º Seminário de Cidade Digital Aberta de Feira de Santana.
Augusto Cézar Pereira Orrico discursa durante o 1º Seminário de Cidade Digital Aberta de Feira de Santana.

Em recente entrevista feita pelo Jornal Grande Bahia (JGB), com Augusto Cézar Pereira Orrico, Presidente da Fundação Cultural Egberto Tavares Costa e Coordenador do programa Feira Cidade Digital, ele observou que a ideia da realização do 1º Seminário sobre Cidade Digital teve como objetivo promover a socialização com a comunidade, distritos, cidades da microrregião de Feira de Santana e até mesmo com outros estados brasileiros. Além de mostrar o que vem sendo realizado, nestes dois últimos anos. Importante destacar que o programa contempla segmentos importantes como a educação, saúde, segurança pública e internet gratuita para setores da comunidade mais carentes que não podem pagar um provedor particular.

Outro ponto destacado por ele, como motivador para que se realizasse o seminário foi o considerável número de solicitação de palestras feitas por outros estados. “A partir daí aflorou a ideia da realização da implantação deste seminário que foi produzido de forma diferenciada. O projeto tem como foco deslocar as pessoas para que possam tomar conhecimento do que está sendo gestado neste segmento”, garante Orrico.

Cadastramento  

Outro aspecto interessante abordado pelo presidente da fundação é que o sistema já conta com um cadastramento bastante expressivo, cerca de 40 mil acessos e uma média diária em torno de 6 a 7 mil visitas. Ele disse dispor de um soft que monitora o acesso diuturnamente.

Também destaca que o projeto tem sua sustentabilidade voltada para educação e programas pedagógicos. E que é nesse e aspecto que a parceria com a Microsoft é forte. Quanto à perspectiva de expansão do programa, garante que já existem ações em transporte coletivo, e que em breve será estendido para setores como a saúde, segurança, semáforo, medidor de água, energia elétrica e infinidade de outras possibilidades.

Sinal 

Quanto à má qualidade do sinal da internet oferecido no município, Orrico é categórico ao afirmar que não afeta o programa pelo simples fato que o mesmo disponibiliza entre 250 a 300 (kilobyte) por pessoa. E o que o impede de aumentar a velocidade é o surgimento de gravações de CDS piratas. Cita como exemplo o fato de que quando eleva a liberação para 400 kb, logo após a sua redução o telefone não para de tocar, na outra ponta da linha as pessoas começam a reclamar que a redução está prejudicando as suas respectivas gravações. “O que fornecemos é o básico para que se possa baixar tese de mestrado e fazer pesquisa”, esclarece.

Confira o vídeo com a entrevista

Augusto Cézar Orrico diz que Seminário Cidade Digital Aberta se destaca pela capacidade de promover a socialização com a comunidade.
Augusto Cézar Orrico diz que Seminário Cidade Digital Aberta se destaca pela capacidade de promover a socialização com a comunidade.
Sobre Carlos Augusto 9719 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).