O Japão e o seu Tsunami financeiro

Antônio Alberto de Oliveira Peixoto.
Antônio Alberto de Oliveira Peixoto.

Podemos dizer que economia é o estudo da relação entre a produção de bens e serviços, na busca pela satisfação das necessidades e desejos do ser humano. Também podemos afirmar que o consumo é a sua mola mestra, meio de desenvolvimento do mercado.

É do conhecimento da comunidade financeira, que a posição do Japão, no mercado globalizado, é a de um país extremamente dependente das exportações, o que nos leva a concluir que a interrupção da cadeia de abastecimento e a derrocada do consumo causado pelo terremoto seguido de tsunami, vão causar um grande impacto na sua economia e, principalmente, na União Européia.

Haverá ainda, maiores perdas se a radioatividade que se espalhou por quase toda a região, provocar a interrupção ainda maior da cadeia de abastecimento, prejudicando não somente ao próprio país como ao seu principal importador, a China.

Caso uma crise de maiores proporções ocorra, o principal país a ser atingido e prejudicado, será o próprio Japão que vive da exportação dos seus produtos, sendo suas empresas as primeiras a sentirem os efeitos nefastos da crise. Conforme análises de alguns especialistas em comércio exterior, a radiação preocupa muito mais do que a possibilidade de uma crise econômica globalizada.

A Economia brasileira neste contexto

Podemos dizer que economia é o estudo da relação entre a produção de bens e serviços, na busca pela satisfação das necessidades e desejos do ser humano. Também podemos afirmar que o consumo é a sua mola mestra, meio de desenvolvimento do mercado.

As nossas exportações estão sendo o maior sucesso da época. Estão, a cada dia, mais bem sucedidas com excelentes superávits, quebrando recordes mês a mês. O PIB de 2010 chegou à casa dos 7.5%, o real está valorizado no mercado internacional, fomos um dos poucos países que tiveram uma performance excelente na última crise mundial, por conta do equilíbrio da nossa economia.

O desempenho da Petrobrás no mercado internacional é excelente e, em médio prazo, poderemos contar com os benefícios do Pré sal; a BRF – Brasil Foods, Holding que administra o grupo Perdigão/Sadia – é a terceira empresa de congelados do mundo, exportando para diversos países não só da América Latina, como EEUU e Europa. Nossa economia está fortalecida, portanto não corremos grandes riscos, desde que mantida sobre controle.

Segundo o economista Paulo Eduardo Vilchez, existem duas economias: a economia dos desejos e a das necessidades. No Brasil ambas estão bem, graças a política financeira desenvolvida pelo governo nos últimos 8 anos. Atualmente a mesa do brasileiro de classe “C” está mais farta, a classe “D”, no último final de ano, bateu recordes em compra de “passagens aéreas” e de eletro-eletrônicos; a venda de veículos, no último ano foi “excelente”; vestuário, laser, entre tantos outros exemplos que poderia dar. O poder aquisitivo do brasileiro aumentou significativamente.

O Brasil e o Tsunami financeiro

O Brasil está preparado não só para as “marolinhas”, como para qualquer “Tsunami Financeiro”.

Houve perda de exportação para o Japão o que causou um impacto razoável, mas nada de tão preocupante. Os maiores exportadores de produtos brasileiros são o Canadá e os Estados Unidos, seguidos da União Européia com 21%, os países do Mercosul são responsáveis por 20% das exportações brasileiras e os demais países da A. L., 16%.

O recuo dos investidores brasileiro na bolsa de Tókio é normal, não devendo assustar o mercado financeiro. É fato, que diante de uma situação de riscos, a tendência é de retração nos investimentos. Em um momento tão desastroso, em todos os sentidos, o investidor prefere esperar a poeira assentar, garantindo seus possíveis lucros e defendendo prováveis perdas. Neste momento há também, as “atitudes especulativas”. É só uma situação circunstancial, que não ameaça a economia brasileira.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Alberto Peixoto 488 Artigos
Antonio Alberto de Oliveira Peixoto, nasceu em Feira de Santana, em 3 de setembro de 1950, é Bacharel em Administração de Empresas pela UNIFACS, e funcionário público lotado na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia, atua como articulista do Jornal Grande Bahia, escrevendo semanalmente, é escritor e tem entre as obras publicadas os livros de contos: 'Estórias que Deus Duvida', 'O Enterro da Sogra, 'Único Espermatozoide', 'Dasdores a Difícil Vida Fácil', participou da coletânea 'Bahia de Todos em Contos', Vol. III, através da editora Òmnira. Também atua incentivador da cultura nordestina, sendo conselheiro da Fundação Òmnira de Assistência Cultural e Comunitária, realizando atividades em favor de comunidades carentes de Salvador, Feira de Santana e Santo Antonio de Jesus. É Membro da Academia de Letras do Recôncavo (ALER), ocupando a cadeira de número 26. E-mail para contato: [email protected] Saiba mais sobre o autor visitando o endereço eletrônico http://www.albertopeixoto.com.br.