Grã-Bretanha | Saiba quem são os 15 primeiros na linha de sucessão ao trono britânico

Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.

Sob os olhos do mundo, Kate e William viram marido e mulher e Kate passa ser duquesa de Cambridge, condessa e baronesa

Kate Middleton e o príncipe William trocaram votos nesta sexta-feira na abadia de Westminster, em Londres, convertendo-se em marido e mulher.

Cerca de 1,9 mil convidados compareceram à cerimônia, enquanto as estimativas são de que as imagens da união seja vista por 2 bilhões de pessoas em todo o mundo.

Multidões se aglomeraram no centro de Londres para assistir ao casamento. Estima-se que entre 3 mil e 5 mil pessoas tenham acampado durante a noite ao redor da abadia.

Outros milhares dormiram acampados ao longo da rota do casal, entre a igreja e o Palácio de Buckingham.

Kate Middleton chegou à abadia usando um vestido longo e branco, de mangas rendadas, deixando entrever os ombros. O trabalho foi feito pela Escola Real de Costura, em Hampton Court.

Sob o véu de 2,70 metros, Kate usava uma tiara de diamantes – emprestada pela própria rainha – e dois delicados brincos de brilhantes.

A peça foi desenhada por Sarah Burton, diretora de criação da grife fundada por Alexander McQueen, um ícone da moda britânica falecido no ano passado.

O próprio estilista foi uma figura “emergente” na sociedade britânica, criado em um bairro modesto no leste de Londres.

Na peça da sua grife, a filha de Carole e Michael Middleton foi alçada a Duquesa de Cambridge.

O título passou a ser dela depois que o príncipe recebeu da rainha Elizabeth 2ª o título de duque de Cambridge, nesta sexta.

Vestido desenhado por Sarah Burton tem cauda de 2,70 metros

O príncipe também se tornou conde de Strathearn e Barão Carrickfergus, transformando Kate em Condessa de Strathearn e Baronesa Carrickfergus.

Renovação

Para analistas, mais que uma simples união, o casamento real representa uma esperança de renovação da monarquia britânica.

Especialistas na história da realeza do Reino Unido afirmam que membros da monarquia, da aristocracia e do universo político britânico acreditam que a união de Kate e William sobreviverá e será longa e feliz, ao contrário de muitas uniões recentes da família real do país.

Segundo o repórter da BBC especializado em monarquia Peter Hunt, a realeza “sobrevive ao ser notada e murcharia se fosse ignorada”.

Por isso, afirma ele, casamentos são importantes para a família real, porque “revigoram instituições centenárias”, renovam o interesse do público em suas atividades e prometem a chegada de uma nova geração – que perpetuaria a dinastia de Windsor.

Apesar de enormes mudanças na atitude da realeza desde o início do reinado de Elizabeth 2ª, em 1952, pesquisas de opinião revelam que a maioria da população ainda é favorável ao status quo britânico. Na semana passada, o jornal The Guardian publicou consulta revelando que 66% do público acredita que a realeza é relevante para a vida do Reino Unido.

De acordo com especialistas ainda há dúvidas, entretanto, sobre como será a “era William e Kate”.

Há perguntas sem resposta, como qual será o futuro papel de Kate na família real? Ou como o casal lidará com a demanda cada vez maior por visibilidade, à medida que a rainha – já octogenária – inevitavelmente for reduzindo suas atividades públicas? E quais são os riscos de um casal jovem ofuscar o homem que será o futuro rei, o príncipe Charles?

As respostas surgirão nos próximos meses e anos. Sabe-se de imediato que William tem um destino a cumprir, como piloto da Força Aérea Britânica e segundo na linha de sucessão do trono britânico. Seu destino é, um dia, ser rei.

Já Kate terá que conquistar seu papel como membro sênior da realeza, e achar algumas causas de caridade para representar.

Acredita-se que William – que se ressente da perseguição dos paparazzi à sua mãe, a princesa Diana – tente obter um acordo para aplacar o sempre voraz apetite da imprensa britânica, e assim conseguir viver sua vida de casado com relativa privacidade.

Alguns especialistas acreditam que a opção do casal pela discrição já tenha sido demonstrada no planejamento do casamento – que será repleto de pompa e circunstância, mas não muito extravagante.

Sabe-se que a crise econômica vivida pelo Reino Unido não permitiria um casamento extremamente luxuoso.

Mas analistas insistem em afirmar que a escolha da Abadia de Wesminster – em vez da Catedral de Saint Paul, onde Charles e Diana se casaram – e por um coquetel seguido de jantar no palácio de Buckingham após a cerimônia religiosa, se deve também ao fato de que William e Kate querem ser a cara de uma monarquia mais simples, contemporânea e mais “pé no chão”.

Visitantes

Muitos acreditam que o casamento dê um impulso à economia britânica, que passa por uma das mais graves crises de sua história – com turismo, vendas e comunicação entre os setores que seriam mais beneficiados.

Analistas de varejo estimam que cerca de 707 milhões de euros (cerca de R$ 1,6 bi) sejam gastos na Grã-Bretanha como resultado do casamento. Segundo projeções, donos de restaurantes e hotéis podem esperar dois anos de aumento nas cifras do turismo, com o casamento em 2011 seguido pelas Olimpíadas, em 2012.

Empresas de mídia também podem esperar números de audiência excepcionais. Alguns economistas acreditam que o evento possa até mesmo estimular a confiança dos consumidores, levando pessoas a gastar mais.

“Eventos extemporâneos podem aumentar a sensação de bem-estar econômico, além de outras sensações de bem-estar”, diz o professor Stephen Lea, da Universidade de Exeter, especializado em psicologia econômica.

A agência de promoção do turismo na Grã-Bretanha, VisitBritain, estima que 600 mil pessoas a mais que o normal tenham vindo para a capital na sexta-feira.

As autoridades ferroviárias estimaram que cerca de 400 mil pessoas usem esse meio de transporte para se deslocar para o centro de Londres, 15% a mais que em outro feriado normal.

Eventos extemporâneos podem aumentar a sensação de bem-estar econômico, além de outras sensações de bem-estar
professor Stephen Lea, da Universidade de Exeter
Mas alguns são mais cautelosos, afirmando que os gastos serão tanto modestos quanto temporários.

Segundo eles, o casamento real não deve mudar o rumo da economia britânica, que encolheu 0,5% no trimestre final de 2010. Além disso, afirmam, qualquer benefício vindo do evento pode ser ofuscado pela perda de produtividade durante o feriado decretado no dia do casamento pelo premiê David Cameron.

Saiba quem são os 15 primeiros na linha de sucessão ao trono britânico

Os principes William e Harry, segundo e terceiro na linha sucessória

O príncipe Charles, pai do príncipe William, que se casou nesta sexta-feira, é o sucessor ao trono da rainha Elizabeth 2ª, segundo uma ordem extensa em que pesam, basicamente, o grau de parentesco com o monarca e o sexo.

A base constitucional para essa linha sucessória foi estabelecida pela Carta de Direitos, de 1689, e impõe uma série de condições que o soberano deve atender.

O soberano tem por dever preservar a Igreja anglicana. Católicos são excluídos da linha sucessória, ainda que, recentemente, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, disse apoiar reformas que permitam que um católico ou católica cheguem ao trono.

O monarca britânico é o soberano dos chamados domínios da Comunidade Britânica, o Commonwealth: Grã-Bretanha, Canadá, Austrália, Nova Zelândia, Jamaica, Barbados, Bahamas, Granada, Papua Nova Guiné, Ilhas Salomão, Tuvalu, Santa Lúcia, São Vicente e Granadinas, Belize, Antígua e Barbuda e São Cristóvão e Nevis.

O príncipe William, duque de Cambridge, é o segundo na linha sucessória.

Saiba quem são os 15 membros da realeza na lista sucessória.

O príncipe Chalres é o primeiro na linha sucessória

1. Príncipe Charles, o príncipe de Gales – 62 anos, filho da rainha Elizabeth 2ª, pai dos príncipes William e Harry, filhos dele com a princesa Diana. Se casou em 2005 com Camilla Parker Bowles.

2. Príncipe William, o duque de Cambridge – 28 anos, filho do príncipe Charles e de lady Diana Spencer, a princesa Diana, morta em um acidente de carro em 1997.

O Príncipe Andrew, ao se casar com Sarah Ferguson

3. Príncipe Harry, o príncipe Henry de Gales – 26 anos, irmão mais novo de William. No auge da juventude, se envolveu em noitadas agitadas e foi flagrado com maconha. Mas sua imagem mudou após ter se alistado no serviço militar.

4. Príncipe Andrew, o duque de York – 51 anos, ganhou espaço nos jornais no passado por gafes e pela vida pessoal atribulada. Pai de Beatrice e Eugenie, filhas dele com Sarah Ferguson, a duquesa de York.

Princesas Beatrice (à esq) e Eugenie (à dir) e a mãe, Sarah Ferguson

5. Princesa Beatrice de York – 22 anos, a primeira mulher na lista, estudante universitária e filha mais velha de Andrew.

6. Princesa Eugenie – 21, a irmã mais nova de Beatrice

Príncipe Edward (PA)

7. Príncipe Edward, o duque de Wessex – 47, filho mais novo da rainha Elizabeth

8. Visconde Severn – príncipe James de Wessex, 3 anos de idade, filho mais novo de do príncipe Edward. Por ser do sexo masculino, tem preferência na linha sucessória sobre a irmã mais velha.

9. Lady Louise Windsor – a princesa Louise de Wessex, de 7 anos de idade, filha mais velha do príncipe Edward

10. Princesa Anne – 50 anos, única filha da rainha Elizabeth 2ª e do príncipe Philip

11. Peter Phillips – 33 anos, filho mais velho da princesa Anne e do capitão Mark Phillips

12. Savannah Phillips – Nascida no ano passado, filha de Peter Phillips

13. Zara Phillips – 20 anos, única filha da princesa Anne, fisioterapeuta especializada em cavalos. Prevista para se casar em julho deste ano com um jogador de rúgbi.

14. David Armstrong-Jones – O visconde de Linley, de 30 anos, filho mais velho da irmã de Elizabeth 2ª, princesa Margaret, morta em 2002. Fabricante de móveis e presidente da casa de leilões Christie’s UK.

15. Charles Armstrong-Jones – De 2 anos de idade, filho do visconde de Linley.

*Com informação: BBC Brasil

Redação do Jornal Grande Bahia
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 108814 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]