Desarmamento já

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.

No referendo de 2005, majoritariamente os brasileiros decidiram pela manutenção da venda de armas de fogo. Inconscientemente selavam um pacto com a violência e a morte

Numa democracia representativa são três as principais formas de exercício do poder popular: eleição, plebiscito e referendo.
A eleição de governantes e legisladores é a principal forma de exercício do poder da maioria, através do voto. O poder emana do povo. No sufrágio universal este direito é estendido a todos — excluindo apenas aqueles que têm menoridade legal, como as crianças.

As outras duas formas de exercício do poder popular, o plebiscito e o referendo, muitas vezes são confundidas entre si, e vistas inclusive como sinônimos. Mas a diferença é simples: o plebiscito é convocado antes da criação da norma (ato legislativo ou administrativo), e é o povo, por meio do voto, que vai aprovar ou não a questão que lhe for submetida. Já o referendo é convocado após a edição da norma, devendo o povo validar ou revogar esta mesma norma.

No voto plebiscitário — ou referendo — só há duas alternativas ao eleitor: sim ou não. Em 2005, o povo brasileiro foi consultado por referendo sobre a manutenção ou proibição da venda de armas de fogo.

Esta foi a maior consulta popular da história do Brasil, da qual participaram quase 100 milhões de cidadãos. E para uma democracia de massa como a nossa, essas consultas são bastante caras, pois foram gastos R$ 250 milhões naquele referendo — hoje seriam gastos R$300 milhões, estima o TSE.
Majoritariamente os brasileiros decidiram pela manutenção da venda de armas de fogo, isto é, 64% dos brasileiros consultados votaram pelo comércio de armas de fogo e apenas 36% votaram contra a venda de armas de fogo. Inconscientemente selavam um pacto com a violência e a morte.

O resultado foi surpreendente, uma vez que as pesquisas de opinião davam ampla vitória à proibição do comércio de armas e munição. Porém, nas ultimas semanas de propaganda na TV e rádio o lobby armamentista realizou uma agressiva campanha de atemorização da população utilizando os mais sórdidos argumentos de que o desarmamento favoreceria os bandidos, que continuariam armados e perigosos. Defendiam uma falsa solução: armar a sociedade.

Ah… a democracia… imagino os argumentos que foram utilizados para condenar o filósofo Sócrates à morte. E foi o voto plebiscitário que condenou Jesus Cristo à cruz.

É atribuída a Sir Winston Churchill a famosa frase: “a democracia é a pior forma de governo, exceto todas as outras que têm sido tentadas de tempos em tempos”. Talvez por isso a defendemos e insistimos com ela.
Confesso que naquele final de 2005 fui acometido por um sentimento de decepção e frustração com a maioria dos meus compatriotas, por terem firmado tão terrível pacto com a violência e morte. Desde então a sociedade brasileira tem colhido os nefastos resultados.

Nunca foi tão atual a frase que divulgávamos, ainda nos 1970, que o Brasil vive uma guerra civil não declarada, tantos são os episódios de barbárie, facilitados e proporcionados pela banalização do acesso e uso de armas de fogo.
Alguns proeminentes líderes políticos da nação propõem, no calor da hora, novo plebiscito — ou referendo — que venha modificar o resultado anterior. Argumentam que as consultas à sociedade não as transforma em cláusulas pétreas, imutáveis e sagradas. A sociedade muda, e as leis, que sofrem a erosão do tempo, devem acompanhar as mudanças.
Todavia, temo que um novo e eficaz marketing político dos armamentistas novamente dê um banho nos proibicionistas e o Brasil ratifique mais uma vez o pacto com a violência e a morte.

Um eficaz marketing político consegue vender tudo, principalmente o que não presta. Mensagens mistificadoras, distorcidas e contra-informações são aceitas de bom grado por muitos ou a maioria.
Temo que esses gênios da propaganda consigam em plebiscito inclusive levar o povo brasileiro a revogar a lei da gravidade… Por isso não me entusiasmo com uma nova consulta de massa.Isto não significa repulsa ou aversão aos instrumentos democráticos de consulta popular, como o plebiscito ou referendo — talvez desconfiança com os bons resultados, a depender das circunstâncias.

Considero que a melhor política pública para o desarmamento, de imediato, é de fazer valer a limitada legislação atual. E que as mudanças na lei — o que for constitucionalmente possível — devam ser pensadas e realizadas no próprio Congresso Nacional. Até configurar-se um ambiente onde possamos realmente dar um sonoro e forte adeus às armas.

*Com informações: Juarez Duarte.

Sobre Juarez Duarte Bomfim 745 Artigos
Baiano de Salvador, Juarez Duarte Bomfim é sociólogo e mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), doutor em Geografia Humana pela Universidade de Salamanca, Espanha; e professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Tem trabalhos publicados no campo da Sociologia, Ciência Política, Teoria das Organizações e Geografia Humana. Diversas outras publicações também sobre religiosidade e espiritualidade. Suas aventuras poético-literárias são divulgadas no Blog abrigado no Jornal Grande Bahia. E-mail para contato: [email protected]