Agricultura | Sergipe e Bahia firmam acordo de cooperação técnica

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.

Posição dos dois estados está focada na defesa de interesses comuns para salvaguarda da economia.

Os Estados de Sergipe e Bahia consolidaram na tarde da quinta-feira, 28, a materialização de acordo cooperativo para a defesa de interesses comuns, compartilhando ações voltadas a assegurar a sustentabilidade de algumas culturas agrícolas, assim como outros cultivos, como também questões que envolvam uso seguro de agrotóxico e manipulação de embalagens.

O Termo de Cooperação Técnica foi assinado pelo secretário de Agricultura da Bahia, Eduardo Seixas de Salles e o diretor geral da Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab), Paulo Emilio Landulfo Medrado Vinhas Torres, pelo Secretário de Agricultura de Sergipe José Macêdo Sobral e o presidente da Emdagro, Jeferson Feitoza, tendo como testemunhas o diretor de Defesa Sanitária Vegetal da Bahia, Armando Sá Nascimento filho e a diretora de Defesa Sanitária de Sergipe, Salete Dezen.

Eduardo Salles externou publicamente seus agradecimentos pelo empenho empreendido por Sergipe para a concretização do acordo. Ele defendeu uma união cada vez mais efetiva, traduzindo a importância dos dois Estados na área de fruticultura, destacando-se a citricultura, “que a nível nacional, por questões óbvias, passa por Sergipe e Bahia. Convém afirmar que este termo, que partiu do Secretário de Agricultura de Sergipe e da Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro), traduz a grande preocupação sergipana com a citricultura, pela representatividade na sua economia. Em razão disso e por representar a defesa de interesses diretos dos dois Estados, foi firmado um pacto federativo que se consubstancia com a assinatura desse documento que evidencia um grande avanço para Sergipe e Bahia, um exemplo para o Brasil a ser utilizado por outras unidades federativas em torno das culturas que lastreiem as suas economias”.

O secretário José Macêdo Sobral, da Agricultura de Sergipe, agradeceu o empenho do governo da Bahia representado naquele ato pelo secretário Eduardo Salles, “oportunizando pela lucidez da parceria, defender a citricultura de Sergipe e Bahia, respectivamente 2° e 3° lugares da produção nacional e conjuntamente abrigando uma área plantada de 110 mil hectares.”

José Sobral enfatizou os desdobramentos que positivam essa parceria, citando que para o setor empresarial a citricultura vem despertando especial interesse dos investidores, considerando-se que a região é livre de pragas como HLB (Greening), Cancro Cítrico, Pinta Preta e Morte súbita, e dispõe de aproximadamente 600 mil hectares propícios à implantação de novos pomares comerciais nos dois Estados. “A celebração, inicialmente, deste Termo de Cooperação e, em uma instância subsequente, com a assinatura de um Pacto Federativo, deverá subsidiar a criação de uma área de Proteção Fitossanitária da Citricultura, salvaguardando este precioso patrimônio agropecuário do Nordeste, com abrangência em todo território nacional”

O Termo de Cooperação entre os dois Estados insere também a cultura da banana, do coco e da palma forrageira, consideradas de interesse comum. No que tange à bananicultura, o Nordeste destaca-se como a principal região produtora, com a Bahia sendo o 2° do ranking nacional, contribuindo juntamente com Sergipe com 42 por cento da produção brasileira, de acordo com o IBGE.

A cultura do coqueiro, defendida também pelo pacto, conta com uma produção de Sergipe e Bahia, de 55 por cento em termos nacionais. Enquanto a Palma Forrageira, também inserida, representa, na maioria das vezes, única alternativa alimentar para os rebanhos bovinos, caprinos e ovinos do semi-árido.

Reunião técnica

Após a assinatura do pacto interestadual, os Secretários de Agricultura e respectivos diretores presentes participaram de uma reunião técnica, oportunidade de se firmar compromissos de trabalho mútuo, notadamente pelo interesse de Sergipe e Bahia assinarem o Pacto Federativo.

Sobre Carlos Augusto 9652 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).