Som suíço no carnaval de Salvador

Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.

Quinta-Feira (03 de março de 2011) o prefeito de Salvador entregou a chave da cidade a Momo, soberano da folia, abrindo a festa de um dos maiores carnavais do mundo, o Carnaval de Salvador 2011. Um engenheiro de som suíço participa do evento há anos, sonorizando a voz de Daniela Mercury.

Trabalhando como engenheiro de som no maior estúdio de gravação de Salvador, o WR Studios, Fabio Marc Baltensperger conseguiu atrair a atenção da estrela do axé music com a qualidade de seu trabalho. O engenheiro de som de Zurique conta: “Daniela é vanguardista e me convidou para mixar sua voz. Ela queria apresentar, pela primeira vez no carnaval de Salvador, um estilo combinando axé e techno”.

“Empoleirado em cima do trio elétrico de Daniela Mercury, eu ficava cuidando dos efeitos sonoros da voz dela, impressionado com a imensa multidão de milhares de participantes que iam ondulando em volta do nosso gigantesco palco motorizado, como se estivesse voando sobre um mar tempestuoso”, conta.

De Gilberto Gil a Blue Man Group

No início de 1990, Daniela Mercury é a Rainha de Salvador e está no auge de sua glória. Com ela, o engenheiro de som suíço participa de vários carnavais e, no embalo, acaba colaborando em seu disco “Sol da Liberdade”.

Vinte anos depois, Daniela Mercury cedeu o centro das atenções a Ivete Sangalo e Claudia Leitte. Mas o público continua encontrando na festa todas as velhas glórias, incluindo Gilberto Gil, Caetano Veloso, Olodum e Carlinhos Brown, que esse ano comandará uma grande composição com percussionistas de todos os blocos afro do carnaval e a participação especial do grupo novaiorquino Blue Man Group.

O suíço revela duas razões para o sucesso do Carnaval de Salvador: “é distinguido pela sua riqueza e diversidade da música, especialmente ritmicamente, e o fato de que convida todos a participar. É um carnaval de rua popular, o maior do mundo”, diz.

17 quilômetros de desfile

Para o engenheiro de som de Zurique, o Estado da Bahia, com sua origem multiétnica de índios, portugueses e especialmente africanos, oferece ao Brasil a maioria dos seus artistas mais famosos.

É que o Carnaval de Salvador é a vitrine cultural anual de tudo que é feito de melhor na Bahia. Em cada edição, os cantores lançam uma nova música e o público descobre uma nova dança.

Nada menos que 240 blocos carnavalescos vão desfilar, fantasiados de cores e com muito batuque, por mais de 17 quilômetros divididos em três circuitos pela cidade. O desfile se estende ao longo de quatro a cinco quilômetros em dois itinerários mais longos (Campo Grande a Castro Alves e Barra a Ondina), protegidos por milhares de cordeiros, homens e mulheres que seguram as cordas dos blocos dos trios. O desfile no centro histórico do Pelourinho é só de quatrocentos metros e é lá que saem os grupos tradicionais e folclóricos, basicamente acústicos.

As classes populares invadem assim a capital baiana, lembrando a época quando os escravos libertos esperavam o carnaval para manifestar com barulho sua alegria. Atrás de cada bloco segue uma série de foliões ou simpatizantes que se divertem pulando e dançando o “Samba de Roda”, variante soteropolitana em que as mulheres e os homens vão para a frente e para trás juntos em movimentos corporais cadenciados.

Surra ao luar

Mas não é só a festa que causa espanto ao suíço, a violência também. Fabio lembra o dia em que acompanhou uma jornalista de São Paulo que queria afastar-se da multidão para admirar a lua à beira-mar. “Em dois minutos estávamos rodeados por quatro gigantes mandando entregar tudo que tínhamos. Eles nos bateram muito. Tentando chamar a atenção para mim, fui jogado na água. Molhados, sangrando, atordoados, fomos forçados a caminhar de volta para casa porque nenhum táxi quis se arriscar a nos levar”, conta.

Fabio lembra também a vez em que trabalhou como engenheiro de som para o programa da TV suíça alemã “10 vor 10”, que preparava uma matéria sobre a organização da polícia e das forças de segurança durante o carnaval em Salvador. Durante a reportagem, Fabio comenta que “o cinegrafista brasileiro não se atrevia a filmar as brigas, então fui filmar no lugar dele! Havia muitas brigas entre brancos e negros”.

Desde o nascimento de seus filhos que o suíço renunciou ao carnaval. Mas este ano a vontade de cair na folia falou mais alto: “vou sonorizar a música do bloco Mascarados e fazer entrevistas nos camarotes por conta do youtube”, se alegra.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 114920 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.