Os sete sentidos | Por Prof Rosildo Barcellos

Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.

Mulher…

Tens sete sentidos
Sete chaves de poder
Mulher…
Mística flor, pétala serena
Seiva suave de uma árvore suprema
Indecifrável

Assim começa a diferença entre nós homens e as mulheres, posto que não me bastam os cinco sentidos para perceber toda a beleza que contém;aliás, não me bastam os cinco sentidos para viver com totalidade o mistério profundo que elas trazem consigo;porque ser mulher significa o indecifrável:é aquela que tem o Dom divino de estender a mão a quem não pediu e doar aquilo que nem foi solicitado. Não poderia ser diferente e por isso estabeleceu-se um dia especial para homenageá-las. Se bem que, na verdade há mais de uma versão para a origem do Dia Internacional da Mulher, mas todas remetem a greves de trabalhadoras de fábricas têxteis desde a Revolução Industrial, no século 19.

Em 8 de março de 1857, tecelãs de Nova York realizaram uma marcha por melhores condições de trabalho, diminuição da carga horária e igualdade de direitos. Na época, a jornada de trabalho feminino chegava a 16 horas diárias, com salários até 60% menores que os dos homens. Além disso, muitas sofriam agressões físicas e sexuais. Uma das versões do desfecho da marcha é a de que as manifestantes teriam sido trancadas na fábrica pelos patrões, que atearam fogo no local, matando cerca de 130 mulheres. O fim mais aceito, porém, é o da interrupção da passeata pela polícia, que dispersou a multidão com violência.

A versão do incêndio é, provavelmente, uma confusão com a tragédia da fábrica Triangle Shirtwaist Company, em 25 de março de 1911. O fogo matou mais de 150 mulheres, com idades entre 13 e 25 anos, na maioria imigrantes italianas e judias.A falta de medidas de segurança do local – as portas teriam sido trancadas para evitar a saída das empregadas – foi apontada como o motivo do alto número de mortes. Em 1910, na Segunda Conferência Internacional das Mulheres Socialistas, na Dinamarca, a alemã Clara Zetkin propôs que a data fosse usada para comemorar as greves americanas e homenagear mulheres de todo o mundo. A greve das trabalhadoras de Petrogrado (atual São Petersburgo), na Rússia, em 23 de fevereiro de 1917 (8 de março no calendário ocidental), também foi um marco da data. Hoje, ela é símbolo da luta pelos direitos da mulher, e foi oficializada pela Unesco em 1977.

No Brasil o que não faltaram foram declarações de amor, desde clássicos da MPB, como “Luiza” de Tom Jobim e “Drão” de Gilbeto Gil, e também pop-rock como “Carla” do LS Jack, e “Regina Let´s Go” do CPM22. Tiveram também, músicas que simplesmente falavam da mulher, sua rotina, seus hábitos, “Dani” do Biquini Cavadão, “Leila” do Legião Urbana e “Natasha” do Capital Inicial, e Camila,Camila de Nenhum de Nós e são bons exemplos disso.

Mas, não foram apenas músicas e poesias feitas para as mulheres, mas também por mulheres. Elas cantaram e encantaram com suas belas vozes. E com sua músicas, romperam tabus e influenciaram gerações.Na área jurídica tivemos avanços A Lei Maria da Penha promoveu o aumento no rigor das punições das agressões contra a mulher quando ocorridas no âmbito domestico ou familiar. A lei entrou em vigor no dia 22 de setembro de 2006, e ja no dia seguinte o primeiro agressor foi preso, no Rio de Janeiro, apos tentar estrangular a ex-esposa.O nome da lei e uma homenagem a Maria da Penha Maia que foi agredida pelo marido durante seis anos. Em 1983, por duas vezes, ele tentou assassiná-la. Na primeira com arma de fogo deixando-a paraplégica e na segunda por eletrocussão e afogamento. O esposo de Maria da Penha só foi punido depois de 19 anos de julgamento e ficou apenas dois anos em regime fechado.

Mas de tudo isso a mulher sempre vai remeter-nos para o que encarna o verdadeiro entendimento da palavra e a que mais amplo conceito tem que é a mulher – mãe e por coincidência do destino, normalmente nossas mães cruzam os portais do infinito antes de nós , e assim , aprendamos a transferir, todo o significado para outras mulheres, que são mães de nossos filhos , e para nossas filhas , que serão mães dos nossos netos . Este é o sublime milagre da vida. Este é o sentido de nossa existência e se o homem encarna a força do Criador, a mulher encarna sua beleza e amor.O homem e a mulher, são sim complemento um do outro, são a coroação da criação. Esta é uma realidade poética intransponível e indiscutível.

*Por Prof Rosildo Barcellos

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 110922 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]