O deputado federal Fábio Souto presta solidariedade ao embaixador japonês e afirma: Alegria do povo brasileiro pode ajudar população do Japão

O deputado federal Fábio Souto presta solidariedade ao embaixador japonês e afirma: Alegria do povo brasileiro pode ajudar população do Japão.
O deputado federal Fábio Souto presta solidariedade ao embaixador japonês e afirma: Alegria do povo brasileiro pode ajudar população do Japão.

O deputado Fábio Souto (DEM/BA) liderou, na tarde desta quarta-feira, 16 de março de 2011, uma comitiva de membros da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional da Câmara dos Deputados (CREDN) em visita ao embaixador do Japão no Brasil, Akira Miwa. O grupo transmitiu oficialmente a mensagem de solidariedade e de força do governo brasileiro ao país asiático pelas perdas decorrentes da tragédia ocorrida na sexta-feira passada, dia 11 de março. Estiveram presentes também deputados da Frente Parlamentar Brasil-Japão.

A alegria e o espírito festivo do povo brasileiro são pontos essenciais a serem explorados numa possível ajuda do Brasil ao Japão. Foi o que destacou o próprio embaixador japonês, ao citar que a vivacidade da cultura popular nacional pode impulsionar a autoestima do povo asiático e dar novo ânimo para a população nessa fase turbulenta enfrentada pelo país.

Segundo Fábio Souto, algumas ações podem ser pensadas no sentido de demonstrar afeto ao Japão, já que o Brasil abriga uma imensa colônia japonesa – a maior fora do país de origem – e sempre manteve boas relações com aquela nação. “Estamos dispostos a ajudar da melhor forma. Tivemos esse encontro para demonstrar nossa solidariedade e nos colocar a inteira disposição dos japoneses. Felizmente, o Japão é hoje a terceira maior economia do mundo e conseguirá, em pouco tempo, se reerguer. Se pudermos oferecer alegria e ânimo, com a nossa cultura, nosso futebol, certamente faremos ações para colaborar”, completou.

No início da tarde, o deputado apresentou também um discurso à Mesa da Câmara dos Deputados no qual faz menção à tragédia ocorrida e presta homenagem ao governo japonês e à comunidade nipônica residente no Brasil.

Catástrofe no Japão vai provocar aumento dos preços dos seguros em todo o mundo

A Superintendência de Seguros Privados (Susep), órgão vinculado ao Ministério da Fazenda, não vê, em princípio, impacto imediato da tragédia ocorrida no Japão sobre os mercados segurador e ressegurador brasileiros. O diretor técnico da Susep, Alexandre Penner, disse hoje (16) à Agência Brasil que, do mesmo modo, não vislumbra no curto prazo um movimento de recálculo dos riscos pelas seguradoras em todo o mundo.

“Eles vão avaliar o risco e ver se o prêmio que se cobra hoje é suficiente para fazer frente, por exemplo, a um risco nuclear”. Ele explicou que cada sinistro de grandes proporções leva seguradoras e resseguradoras a verificar quais são os efeitos do evento e se existe alguma consequência que não tenha sido levada em conta anteriormente. “Pode haver alguma mudança ou no cálculo ou na precificação do produto. Mas eu diria que ainda é muito cedo para essa conjectura”.

Penner recordou que o terremoto que desencadeou a catástrofe no Japão, registrado na última sexta-feira (11), não foi um evento exclusivo. “Periodicamente ocorre”. A diferença é que a globalização possibilita que se tenha informações de forma mais imediata e com mais detalhes, ponderou. “Como não se trata de algo novo, não há necessidade de revisão urgente dos contratos porque eles, certamente, já estão prevendo grande parte desses desastres”.

De forma geral, a maioria dos contratos de seguros exclui eventos catastróficos ou desastres naturais. Alexandre Penner informou que atualmente, existe uma demanda dos segurados, em termos mundiais, para que se inclua esse tipo de cobertura. “Uma vez que se inclua essa cobertura, definitivamente teria que se fazer um recálculo de preços. Mas não é essa a proposta do seguro”.

Já o economista Keyton Pedreira, especializado na área de seguros e previdência, disse à Agência Brasil não ter dúvidas de que os três eventos que ocorreram no Japão (terremoto, tsunami e acidente em usina nuclear) irão provocar aumento nos preços de todas as coberturas do mundo. “As seguradoras e, principalmente, as resseguradoras começarão a precificar os riscos, considerando eventos como esse que ocorreu no Japão, de catástrofes climáticas múltiplas. Então, há uma tendência forte de aumento nos preços nos seguros em nível mundial”.

Segundo o economista, o aumento teria por meta recompor as perdas que as grandes seguradoras e resseguradoras terão no Japão e, também, precificar para o futuro eventos semelhantes. O aumento dependerá da apuração completa dos danos no Japão. Apesar disso, Pedreira estimou que os aumentos nos preços de seguros em nível mundial poderão ficar, em média, entre 8% e 10%. Advertiu, entretanto, que isso vai depender do país, da região e do risco analisado. “Mesmo as regiões que, em princípio, estariam imunes a essas ocorrências, a exemplo do Brasil, sofrerão algum impacto. Porque as seguradoras pesarão de alguma maneira essa possibilidade pequena nos riscos. E o que hoje é marginal, terá um peso mais significativo nos países onde essas ocorrências são raras ou têm menor probabilidade de ocorrência”, analisou.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 112869 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]