O deputado estadual Carlos Geilson critica corte de energia de delegacias por falta de pagamento

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.

Logo após um período em que as Delegacias do Complexo Policial de Feira de Santana ficou sem água devido a quebra de uma bomba no início deste mês, a Coelba, empresa concessionária distribuidora de energia elétrica cortou a luz de várias delegacias da cidade, inclusive em Riachão do Jacuípe e Ipirá. Foram cortadas a energia da 2ª Delegacia, no bairro da Queimadinha; do Comando de Policiamento da Região Leste; das delegacias de Riachão de Jacuípe e da Delegacia de Repressão ao Furto e Roubo de Cargas (Decargas). A situação foi criticada pelo deputado estadual Carlos Geilson (PTN) que, indignado, lamentou a situação crítica por que passa a Segurança pública na região de Feira de Santana.

“Isso é lamentável. A Secretaria de Segurança Pública acumula um débito de R$2 milhões com a Coelba e não paga. Ou seja, recai sobre a população os prejuízos causados pela inadimplência do Estado. A situação é crítica e chegou ao cúmulo da energia do Complexo Policial Investigador Bandeira não ter sido cortada porque os policiais ameaçaram prender os funcionários da Coelba”, afirmou o deputado. A Secretaria de Segurança Pública não paga a conta de luz do Complexo Investigador Bandeira há quatro meses e acumula um prejuízo de quase R$60 mil. Na área do Complexo estão localizadas várias delegacias, a 3ª Ciretran e o Departamento de Polícia Técnica e não há nenhum gerador para ser utilizado em caso de emergência.

A mesma situação foi registrada no município de Ipirá, quando o delegado Caril de Oliveira, impediu que funcionários da Coelba cortassem a energia elétrica da delegacia local. O atraso no pagamento também ultrapassaria três meses. O mesmo fato ocorreu com a delegacia de Riachão do Jacuípe. “Até quando vamos viver essa situação? Já enfrentamos a falta de água e, agora, a ameaça do corte de energia. A criminalidade está aumentando e a polícia está sem condições de trabalhar. O Estado precisa rever essa situação com urgência”, concluiu o parlamentar.

PTN quer debater pedágio nas estradas baianas

Os deputados estaduais Carlos Geilson e Luizinho Sobral, ambos do PTN da Bahia, apresentaram requerimentos pedindo realização de sessão especial para debater a privatização das rodovias baianas pelo governo do Estado. Atualmente existe um processo de privatização de diversas rodovias baianas a maioria situada no entorno de Camaçari e na principal estrada que liga Salvador a Feira de Santana, este já concretizado, além da BA-099, privatizada em 2000.

“Precisamos debater a privatização da BA 093 (ligação entre Simões Filho e Pojuca) e dos trechos das BA 512 (acesso a Camaçari), BA 521, BA 524 (Canal de tráfego, ligando Camaçari ao Porto de Aratu), BA 526 (CIA/Aeroporto) e BA 535 (Via Parafuso) que irão tornar o acesso ao Pólo Industrial de Camaçari, e as vias passam pelas cidades de Salvador, Simões Filho, Candeias, Camaçari, Dias D’Ávila e Mata de São João mais caros”, avaliou Luizinho Sobral. Segundo o parlamentar, a decisão de privatizar as rodovias no entorno de Camaçari sequer foi precedida de qualquer discussão com a comunidade, haja vista que anteriormente quando da definição da privatização da Estrada do Côco – BA 099 – os moradores já demonstraram toda sua revolta por não terem sido ouvidos ou sequer discutido outras vias alternativas.

Luizinho Sobral destaca ainda que com a privatização das rodovias no entorno de Camaçari, a cidade ficará cercada de pedágio. “Ou seja, o camaçariense não vai ter como entrar nem como sair da cidade sem que seja alcançado por uma destas praças de pedágio. Os moradores da região e ativistas já têm demonstrado e expressado sua indignação afirmando que vão lutar para que possam participar das discussões da nova decisão governamental. A privatização trará incontáveis desconfortos e dificuldades para a população da região, razões pelas quais consideramos pertinente a realização da citada Sessão Especial”, justificou o deputado.

Já a preocupação de Carlos Geilson é em relação a privatização da BR-324 no trecho Salvador-Feira de Santana e a BR-116 no trecho Feira de Santana-divisa com Estado de Minas Gerais, estimulando o processo de privatização de rodovias federais no estado, sem promover o debate com a população. “A falta de diálogo com a população chegou ao ponto do Estado transferir a praça do pedágio de Jauá para Catu de Abrantes, numa iminente ameaça de desalojar aproximadamente de 300 famílias e ampliando a faixa de cobrança de pedágio sem que as famílias fossem consultadas. Por isso precisamos debater esse processo de privatização, uma vez que ele está ocorrendo sem que a sociedade seja ouvida”, afirmou Geilson.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 113566 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]