Fundada em 1531, a histórica cidade de Cachoeira comemora 174 de emancipação política

Vista aérea de Cachoeira e São Felix.
Vista aérea de Cachoeira e São Felix.

A histórica Cachoeira, distante 110 km de Salvador, no Recôncavo baiano , completa neste domingo, 13 de março, 174 anos de elevação à categoria de cidade. A festa de aniversário será marcada por uma vasta programação elaborada pela prefeitura por meio da Secretaria de Cultura e Turismo do Município juntamente com a Câmara de Vereadores. A programação inclui atos cívicos, manifestações culturais e atividades esportivas. A programação cultural começa nesta sexta-feira, dia 11, com a abertura da Feira de Artesanato de Cachoeira, às 10h na Praça da Aclamação. A feira permanecerá funcionando no sábado (12/03/2011) e domingo (13), das 9 às 17h.

Sábado (12), véspera do aniversário da cidade, a programação musical terá início a partir das 21h com a apresentação de diversas atrações no Palco Oficial da Feira do Porto, na orla fluvial. Estão previstos shows com a banda Jahn Black, Pablo, Banda Caldeirão e Agita Samba. Em paralelo à programação cultural, serão realizadas atividades esportivas na Quadra Municipal de 11 a 13 de março.

Domingo (13), data do aniversário de Cachoeira, a programação cívica será iniciada às 8h com a solenidade do Hasteamento das Bandeiras por autoridades civis e militares na Câmara de Vereadores. Logo após, será realizado Culto Ecumênico, seguido da Sessão Solene em homenagem ao aniversário de Cachoeira, tendo como orador, o arquiteto Francisco Soares Senna. Em seguida, sairá o Cortejo de Arte, que reunirá todos os grupos e artistas populares do município.

No Palco Oficial da Feira do Porto, a programação musical será retomada a partir das 14h, tendo com atrações o grupo Esmola Cantada da Ladeira da Cadeia,Samba de Roda Filhos do Caquende, Samba de Roda da Suerdieck de Dona Dalva. Jaú, Parangolé e a banda Axé Mais.

Considerada como uma das mais importantes cidades históricas do Brasil, Cachoeira, completa 174 anos de existência, experimentado um momento de expectativas otimistas para o seu desenvolvimento socioeconômico. Há cinco anos, vive a realidade de sediar um campus da UFRB – Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, que oferece no CAHL – Centro de Artes, Humanidades e Letras, cursos de Comunicação, Cinema, História, Museologia, Serviço Social e Ciências Sociais. A unidade de ensino está instalada no Quarteirão Leite Alves, onde funcionou uma antiga fábrica de charutos e cigarrilhas. O antigo prédio arruinado foi totalmente restaurado e adaptado pelo Programa Monumenta do Ministério da Cultura, para abrigar os cursos universitários, dentro da proposta de revitalizar a cidade histórica.

O otimismo da revitalização de Cachoeira deve-se, principalmente, as ações do Programa Monumenta que conta recursos do Governo Federal, financiamento do BID – Banco Interamericano de Desenvolvimento e contrapartida do governo do Estado da Bahia. Nos últimos anos, o Monumento investiu na restauração de importantes prédios históricos, igrejas, além do financiamento através da Caixa Econômica da restauração de imóveis particulares. da sua riqueza cultural.

Memória – Cachoeira nasceu às margens do Rio Paraguaçu, no século XVI, quando os engenhos de cana de açúcar começaram a ser instalados na região do Recôncavo. Antes da colonização, era habitada por tribos indígenas. Seu desenvolvimento teve início a partir da primeira metade do século XVII. Esta evolução está vinculada aos colonizadores Paulo Dias Adorno e Rodrigues Martins, donos da terra em que fora assentada a povoação que deu origem a cidade. O entorno da atual capela de Nossa Senhora d’Ajuda, construída no engenho da família Adorno, sob invocação de Nossa Senhora do Rosário, é considerado o marco inicial da povoação, que em 1674 foi convertida em freguesia.

Em 1698, a então freguesia alcança a categoria de vila com denominação de Nossa Senhora do Rosário do Porto da Cachoeira. Com a expansão da economia açucareira e da atividade comercial, a vila prosperou principalmente nos séculos XVII e XVIII, quando se construíram belas casas, igrejas e conventos, valiosas peças da arquitetura da influência barroca. Em 13 de janeiro de 1971 foi convertida pelo IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico, Artístico Nacional em Cidade Monumento Nacional pela riqueza do seu acervo histórico e cultural.

Graças à sua localização privilegiada, na fronteira entre as regiões do Recôncavo e Sertão, a vila prosperou consideravelmente. Para ela, convergiam duas importantes vias: A Estrada Real do Gado, que atingia a zona de criação de gado e as barrancas do rio São Francisco, e a estrada das Minas, partindo da vizinha São Félix se dirigiam à Chapada Diamantina, Minas e Goiás. Como ponto de transbordo das vias fluvial e terrestre transformou-se em empório de uma vasta região. Durante o século XVIII, experimentou grande desenvolvimento, quando era alto o preço do açúcar e abundante o ouro do Rio de Contas.

Confira imagens

Loading Images
wpif2_loading
Cidade de Cachoeira comemora 174 de emancipação política
Cidade de Cachoeira comemora 174 de emancipação política
Vista aérea de Cachoeira e São Felix
Vista aérea de Cachoeira e São Felix
Vista aérea das cidades de Cachoeira e São Felix
Vista aérea de Cachoeira e São Felix
Vista aérea de Cachoeira e São Felix
Cidade de Cachoeira comemora 174 de emancipação política
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 110892 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]