Médico Oldecir Marques diz que o projeto do Hospital Municipal da Criança foi concebido com falhas e que estrutura possui baixa qualidade

Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.

Em entrevista exclusiva ao Jornal Grande Bahia (JGB), o médico do Hospital da Mulher de Feira de Santana Oldecir Marques critica duramente a administração do ex-prefeito José Ronaldo e diz que o projeto do Hospital Municipal da Criança foi concebido com falhas. Segundo o médico, equipamentos e construção física de baixa qualidade, oriundas do governo passado, surgem como problema para a atual administração de Tarcízio Pimenta.

Ele aponta problemas graves como infiltrações e pontos de ferrugem nos equipamentos. E exclama de forma perplexa, “este quadro ocorre apenas três anos após a inauguração da unidade hospitalar!”.

Para Oldecir é preciso repensar o papel do hospital no contexto atual. Ele afirma que a unidade produz prejuízos e que após a inauguração do HEC (Hospital Estadual da Criança), passou a existir uma sobreposição de atividades.

Qual a situação do Hospital Municipal da Criança?

O complexo, Hospital da Mulher Inácio Pinto e Hospital da Criança Municipal, abrange cerca de nove mil metros quadrados. E o que eu vejo no hospital da criança hoje: berços enferrujados, paredes com infiltração de água, tetos das enfermarias com infiltração, cadeiras dos acompanhantes totalmente destruídas. Eu não acredito que um homem como o prefeito Tarcízio Pimenta esteja tendo conhecimento dessas coisas. Além do mais, o Hospital da Criança foi estruturado de tal forma que só dá prejuízo.

Tem quanto tempo que o hospital foi inaugurado?

Em torno de três anos. Não se pode afirmar que todo o hospital está degradado, mas, as enfermarias estão em estado catastrófico.

Isso é perigoso para a saúde das pessoas?

Eu acredito que sim. Eu recomendo ao secretário de saúde que tome medidas urgentes no que se refere a enfermaria do hospital municipal da criança.

Existe risco de infecções hospitalares?

Sem nenhuma dúvida. Outro detalhe é preciso tomar providências quanto a despesa mensal daquele hospital. Acho que o município gasta em torno de 300 a 400 mil reais por mês ali. E fatura 30 a 40 mil reais em procedimentos médicos.

Feira possuí o maior hospital especializado em crinças do país, o Hospital Estadual da Criança por que a estrutura do Hospital Municipal da Criança não foi repensada?

Eu acredito que o atual secretário de saúde vai tomar a iniciativa de fazer isso. Em minha opinião o Hospital Municipal da Criança deveria ser transformado numa unidade dos serviços de obstetrícia. Poderia ser ampliada a UTI Neonatal, tomando a arquitetura já existente como base.

Oldercir, quanto ao Hospital da Mulher desde a sua última denúncia existiu alguma intervenção da administração municipal?

O município tomou um aspirador emprestado do Hospital Geral Clériston Andrade para sanar o problema e retirou outros que estavam no almoxarifado. O aparelho de ar-condicionado passou por manutenção e uma nova mesa de cirurgia foi prometida. Pouca coisa mudou, mas, já é um começo.

*Oldecir Marques de Oliveira, 60 anos, é médico formado pela Escola Baiana de Medicina, turma de 1985. Com especialização em anestesiologia e atuando há 19 anos no Hospital da Mulher (Hospital Inácio Pinto dos Santos).

Redação do Jornal Grande Bahia
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 107956 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]