José Ronaldo descarta saída do DEM e aguarda reforma para traçar estratégia política rumo a 2012

José Ronaldo e Joilton Freitas. Ronaldo ao ser indagado se sentia falta do poder, ele alegou que não e disse que o mesmo nunca o envaideceu.
José Ronaldo e Joilton Freitas. Ronaldo ao ser indagado se sentia falta do poder, ele alegou que não e disse que o mesmo nunca o envaideceu.
José Ronaldo e Joilton Freitas. Ronaldo ao ser indagado se sentia falta do poder, ele alegou que não e disse que o mesmo nunca o envaideceu.
José Ronaldo e Joilton Freitas. Ronaldo ao ser indagado se sentia falta do poder, ele alegou que não e disse que o mesmo nunca o envaideceu.

O ex-prefeito e atual presidente do DEM em Feira de Santana, José Ronaldo de Carvalho participou na tarde de hoje (23) do ‘Quadro Entrevista do Dia’, programa Rotativo News (Rádio Sociedade de Feira de Santana), sob o comando do comunicador Joilton  Freitas.

Demonstrando-se bastante descontraído e bem humorado, após os cumprimentos iniciais foi questionado sobre os resultados das eleições de 2010 e as consequências políticas sofridas pelo seu partido tanto em âmbito estadual como nacional. Ele reconheceu a existência da crise que atingiu profundamente o Democratas. Com relação à iniciativa de Gilberto Kassab deixar o DEM e criar, uma nova agremiação política, o Partido da Democracia Brasileira (PDB). Ele analisou a medida  como uma forma adotada  para ludibriar a Lei. “Todos nós temos conhecimento que o político não pode deixar o partido para migrar para outro já existente”, observa.

O ex-prefeito disse continuar no DEM, embora admita que já tenha recebido inúmeros convites de amigos para migrar para outra agremiação política. Entretanto, ele observou que este não é o momento de se tomar decisões desse porte quando se discute a questão da Reforma Política. Com muita habilidade evitou emitir juízo de valor sobre a administração de Tarcízio Pimenta, alegando não participar da mesma. Quanto ao fato de algumas pessoas reconhecidamente ligadas a seu grupo político se encontrarem no governo municipal, respondeu que eles lá estão, não por serem ronaldistas e sim competentes.
Quanto as possíveis débitos deixados pelo seu governo para serem administrados pelo prefeito Tarcízio Pimenta. Ronaldo foi firme em sua argumentação ao lembrar que por lei um governante não pode deixar dívidas para o seu sucessor. “As  dívidas existentes são os antigos débitos trabalhistas (INSS) que quando assumi já encontrei. No tocante aos empréstimos contraídos junto ao banco venezuelano para  a construção do viadutos,  além de contar com carência, eles foram considerados de alta aplicação”, esclarece.
Eleição
Provocado a se posicionar sobre as próximas eleições. Ronaldo disse que pensa em 2012 como um ano político. Não escondeu o desejo de ser candidato, mas lembrou a todos que ele nunca foi candidato de se mesmo. E que uma posição mais definitiva sobre o assunto só deverá ser tomada, no próximo ano.
Ao ser indagado se sentia falta do poder, ele alegou que não e disse que o mesmo nunca o envaideceu. Citou  como exemplo o fato de  que continua  administrando a sua vida do mesmo modo que era, sem grandes sobressaltos.  No tocante a possibilidade do ex-deputado federal Colbert Martins compor como vice na sua chapa em 2012, procurou desconversar o assunto e admitiu que Colbert nunca foi o seu inimigo e sim seu adversário polítco. “Com a reforma política que está para acontecer, este não é o melhor momento para se discutir um assunto desta importância”, conclui.
Carlos Augusto
Sobre Carlos Augusto 9305 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).