O médico do Hospital da Mulher em Feira de Santana, Oldecir Marques, acusa a administração municipal de má gestão na condução da instituição

Direção do Hospital Inácia Pinto dos Santos pede que população faça doações.
Direção do Hospital Inácia Pinto dos Santos pede que população faça doações.
Hospital da Mulher de Feira de Santana, Hospital Inácio Pinto dos Santos.
Hospital da Mulher de Feira de Santana, Hospital Inácio Pinto dos Santos.

Em entrevista exclusiva ao JGB, Oldecir Marques de Oliveira, 60 anos, médico formado pela Escola Baiana de Medicina, turma de 1985. Com especialização em anestesiologia e atuando há 19 anos no Hospital da Mulher (Hospital Inácio Pinto dos Santos). Apresenta denuncias concernentes as instalações e o funcionamento do hospital municipal.

Segundo Oldecir, os investimentos maciços anunciados pela administração de Tarcízio Pimenta no Hospital da Mulher, não correspondem à realidade e tão pouco “a verdade”. “A administração municipal recebeu dezenas de aparelhos de alta tecnologia do Governo Federal. Mas, todos se encontram armazenados no ambulatório do hospital e sem utilização.”, explica e segue “não sei bem o que é necessário para que a UTI Neonatal funcione, apenas sei que o projeto está enterrado.”.

O fato mais grave aponta o anestesiologista: “trata-se de uma mesa de cirurgia, com 19 anos de uso, e que conta com vários pontos de ferrugem. O sistema de elevação não funciona. Agente pedala, pedala, e ela não sai do lugar. Tenho filmes que comprovam este fato. Ela deveria ter virado sucata há muito tempo.”.

O médico apresenta outra denuncia: “A situação das camas PPP (Cama para Parto Humanizado) é escandalosa, estão todas quebradas.”. Oldecir não poupa o gestor municipal de críticas e provoca: “Pode ser que o prefeito talvez nem saiba disto. Podemos admitir que o prefeito Tarcízio, não seja tão bem informado, quanto ele tenta parecer. E que ele desconhece esta realidade”.

Ele acusa que faltam equipes de enfermeiros para atuarem, e que mesmo dispondo de equipamentos modernos, em alguns setores faltam profissionais. “Na pratica, agente não tem equipe semi-intensiva coisa nenhuma”, desabafa.

Marques afirma que determinadas situações chegam a ser deploráveis. “O sistema de refrigeração da sala de cesariana é horrível. As enfermeiras tentam, durante as cirurgias, direcionar o fluxo de ar para refrigerar a sala. É uma coisa patética.”

Além de colega de medicina de Tarcízio Pimenta, Oldecir é ex-correligionário do prefeito. Ele finaliza a entrevista com um desabafo: “a gente não pode permitir que o hospital seja a grande vítima.”. Em uma clara alusão, aos desmandos administrativos denunciados.

Saiba +

Tarcízio Pimenta responde às denuncias de Oldecir Marques

Carlos Augusto
Sobre Carlos Augusto 9305 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).