Katia Mattoso e a Bahia

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
Juarez Duarte Bomfim.
Juarez Duarte Bomfim.

Morreu dia 11 de janeiro de 2011 a historiadora Katia de Queirós Mattoso, titular da cadeira de História do Brasil da Universidade de Paris-Sorbonne, especialidade história econômica e social da Bahia (1750-1889) e história social da escravidão no Brasil (1549-1888).

Morreu dia 11 de janeiro de 2011 a historiadora Katia de Queirós Mattoso, titular da cadeira de História do Brasil da Universidade de Paris-Sorbonne, especialidade história econômica e social da Bahia (1750-1889) e história social da escravidão no Brasil (1549-1888).

Kátia Mattoso era Doutora em Ciência Política pela Universidade de Lausanne e em Letras e Ciências Humanas pela Universidade de Paris-Sorbonne. Alguns de seus importantes livros: “Bahia no Século 19 – uma Província no Império” (Nova Fronteira, 1992), “Ser Escravo no Brasil” (Brasiliense, 1982).

Informações extraídas do Blog http://viverascidades.blogspot.com do Amigo Vicente Deocleciano Moreira

A seguir uma entrevista histórica:

Temos uma dívida com a África, diz Katia de Queirós Mattoso

Entrevista a Otávio Dias, de Paris, especial para a Folha de S. Paulo, em 13/03/2000

“A idéia de um país nascido como colônia e esmagado pelo colonizador foi dominante na historiografia brasileira. Mas, nas últimas décadas, o Império Português começou a ser visto como um triângulo, constituído por Portugal, Brasil e África, sobretudo Angola”. Essa é a opinião da cientista política e historiadora Katia de Queirós Mattoso, professora emérita da Universidade de Paris-Sorbonne, onde, desde 1988, é titular da cadeira de História do Brasil.

Para Mattoso, a efeméride dos 500 anos do Descobrimento (em 2000) é o momento adequado para o Brasil repensar seu passado:

“Esse problema de identidade só será resolvido quando começarmos a nos pensar não mais como colonizados, mas como parte do Império português”.

Leia abaixo os principais trechos de entrevista realizada em seu apartamento, em Paris.

Otávio Dias – A sra. considera importante comemorar os 500 anos do Descobrimento do Brasil?

Katia Mattoso – As comemorações só têm sentido se levarem a uma reflexão sobre o nosso passado. Temos um problema de identidade que se origina no momento de nossa separação de Portugal. Durante muito tempo, a tendência dos historiadores e dos intelectuais foi jogar a culpa sobre o período colonial. Nossa personalidade tardaria a vir porque fomos colônia. O problema de identidade só será resolvido quando – e esse é o momento de fazer isso – começarmos a nos pensar não mais como colonizados, mas como tendo feito parte de um grande império, o Império Português.

O Brasil desempenhou um papel extremamente importante nesse império, principalmente após o século 17. Não era um apêndice de Portugal. Se pensarmos nossa história junto com aqueles que foram o ponto de partida do que o Brasil é hoje, encontraremos elementos para nos identificarmos de forma diferente da que fizemos até agora.

– A sra. pode dar um exemplo desse papel central do Brasil no Império Português?

Mattoso – O etnólogo Pierre Verger (1902-1996) foi o primeiro a mostrar que o Brasil, desde o princípio do século 17, mantinha relações diretas com a África no comércio de escravos. O tráfico realizado por Portugal só existiu no começo. Desde o século 17, nós, brasileiros, já estávamos em Angola. A Bahia teve relações intensas com a África até o século 19. Essa troca só deixou de existir quando o continente africano foi dividido e colonizado pelas potências européias. Então o Brasil não pôde mais se meter na África.

– O Brasil e a África ganhariam com uma retomada dessa relação?

Mattoso – Sim. Se olharmos dessa forma, veremos que temos uma dívida com a África e que deveríamos contribuir para auxiliar países como Moçambique e Angola, de onde vieram muitos de nossos escravos. Devemos reparações morais a esses povos.

– O nome de um dos seus livros mais conhecidos é “Ser Escravo no Brasil”. Hoje, 500 anos após o Descobrimento, como seria um livro que tivesse o título “Ser Negro no Brasil”?

Mattoso – Negro e escravo são dois termos que, até certo ponto da história do Brasil, definiam a mesma situação. Eram sinônimos. Atualmente não há escravidão, mas temos uma grande população negra e, às vezes, sua situação ainda se assemelha à que existia no passado. Isso porque os negros, depois de libertos, tiveram de fazer seu caminho sozinhos. Não receberam o apoio institucional necessário. É importante dizer que a posição do negro brasileiro atualmente depende também do peso que tem dentro de determinada sociedade, em especial nos meios urbanos.

– Como assim?

Mattoso – Em áreas onde os negros são majoritários – a Bahia é um caso exemplar -, há pessoas negras que ocupam posições nos mais variados escalões da sociedade. A posição do negro na Bahia não é a mesma do negro em São Paulo, embora São Paulo tenha um prefeito negro (à época, Celso Pita). Em sua gênese e em seu desenvolvimento inicial, São Paulo é uma cidade de brancos. O enegrecimento da cidade é recente. Em regiões como a Bahia, o negro é muito mais presente. Isso não quer dizer que ele tenha facilidade de ocupar qualquer posição porque ainda existe um forte espírito escravista nessas sociedades.

– Na Bahia, o negro tem uma participação maior, mas, ao mesmo tempo, o preconceito continua?

Mattoso – Sim, em áreas de cultura de cana-de-açúcar, como Pernambuco, Bahia, Paraíba e também no Rio de Janeiro, há uma cultura escravista mais forte. Os escravos começaram a chegar à Bahia já na segunda metade do século 16. Em São Paulo, eles só chegaram no século 18. Isso faz com que a relação mestre de escravos-escravo ainda esteja, de certa forma, presente. A reação ainda é a de ver o negro como descendente de escravos. Isso tende a desaparecer, mas ainda existe.

– A sra. se refere às elites brancas da Bahia?

Mattoso – Não, é um comportamento mais ou menos generalizado. Inclusive porque a maioria da elite baiana tem alguma origem negra. Basta ir à Faculdade de Medicina de Salvador, onde há retratos de todos os professores desde a sua fundação, no início do século 19. Muitos são mulatos ou negros. Isso não aparece em nenhum registro, mas basta ver os retratos. Na Bahia, o negro é majoritário e a sociedade precisa funcionar com a maioria. Mas ainda existe um tratamento que lembra a época escravista.

– E por que isso tende a desaparecer?

Mattoso – Porque a cidade de Salvador é hoje uma grande metrópole, não tem nada a ver com o que era há 15 anos. A população mais pobre está melhorando de vida. A indigência continua a existir, mas os excluídos começam a ter uma superfície social que não tinham antes. Por exemplo: as antigas favelas eram de madeira. Atualmente, as casas são de tijolos. Continuam miseráveis, mas houve um progresso. Também é preciso destacar o trabalho feito pelas associações negras da Bahia, que souberam se impor.

*Com informação do site  http://viverascidades.blogspot.com

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Juarez Duarte Bomfim 758 Artigos
Baiano de Salvador, Juarez Duarte Bomfim é sociólogo e mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), doutor em Geografia Humana pela Universidade de Salamanca, Espanha; e professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Tem trabalhos publicados no campo da Sociologia, Ciência Política, Teoria das Organizações e Geografia Humana. Diversas outras publicações também sobre religiosidade e espiritualidade. Suas aventuras poético-literárias são divulgadas no Blog abrigado no Jornal Grande Bahia. E-mail para contato: juarezbomfim@uol.com.br.