Em carta à Itália, Dilma defende legitimidade de decisão pela permanência de Battisti no Brasil

Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.

A presidenta Dilma Rousseff enviou uma carta ao presidente da Itália, Giorgio Napolitano, no último dia 24, defendendo a legitimidade da decisão do ex-presidente Lula de não extraditar o ativista político Cesare Battisti.

Na carta, Dilma lamenta que a decisão tenha gerado divergências entre os dois países, mas argumenta que o caso foi decidido com base em parecer jurídico da Advocacia-Geral da União.
“A posição que o presidente Lula adotou em dezembro último, baseado no detalhado parecer da Advocacia-Geral da União não envolve qualquer juízo de valor sobre a Justiça italiana, menos ainda sobre a vigência do Estado de Direito em seu país. Trata-se de parecer jurídico, fundado na interpretação soberana que a AGU realizou do tratado bilateral sobre extradição”, diz a carta.

A presidenta lembra ainda que, em fevereiro, o Superior Tribunal Federal (STF) deverá se manifestar sobre a decisão do Executivo de não extraditar o italiano.

Caso Cesare Battisti divide intelectuais europeus e provoca polêmica entre intelectuais europeus.

RFI | Adriana Moysés

Para o escritor Antonio Tabucchi, a posição de certos intelectuais franceses, que apoiam Battisti sem conhecer detalhes de seu processo, é um ‘escandâlo.’

O caso Cesare Battisti está provocando polêmica entre intelectuais europeus. Alguns dos escritores italianos que apoiam o ex-militante da extrema esquerda preso no Brasil estão sendo boicotados na Itália. Há dez dias, o escritor italiano Antonio Tabucchi, um especialista na obra de Fernando Pessoa, publicou no jornal francês Le Monde um artigo, considerando um escândalo a posição de certos intelectuais franceses, que defendem Battisti sem conhecer detalhes do processo judicial e do julgamento que condenou o ex-militante à prisão perpétua na Itália.

No texto, Tabucchi culpa os intelectuais franceses de terem distorcido o caso na mídia, em nome de uma concepção filosófica restrita e pequeno-burguesa. Um dos alvos de Tabucchi é a escritora de romances policiais Fred Vargas, pesquisadora em arqueologia no Centro Nacional de Pesquisas Científicas da França. Em um artigo publicado na edição datada de quinta-feira do Le Monde, Fred Vargas, também historiadora, dá a resposta.

A escritora afirma dispor de elementos que provam que a justiça italiana utilizou documentos falsificados para incriminar Battisti. Ela cita, por exemplo, três procurações falsas, duas datadas de 1982 e uma de 1990, de dois supostos advogados de Battisti, que teriam representado o ex-militante em processos que levaram à sua condenação por assassinato. Segundo Fred Vargas, Battisti nunca enviou essas procurações à justiça italiana, por só ter tomado conhecimento dos processos oito anos mais tarde.

A escritora francesa critica o juiz de instrução italiano Armando Spataro, responsável pelas investigações, que teria manipulado testemunhas e advogados. Ela lembra que até hoje nenhuma prova material de envolvimento de Battisti nos assassinatos foi encontrada. Fred Vargas insiste que o ex-militante foi condenado com base nas acusações de militantes arrependidos do grupo Proletários Armados pelo Comunismo. O principal deles é Pietro Mutti, líder do grupo. Na opinião da escritora, Mutti jogou nas costas de Battisti todos os crimes cometidos pela organização.

Redação do Jornal Grande Bahia
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 105719 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]