Administração de João Henrique se apartou da cidade, está a serviço de alguns grupos econômicos, diz Zezéu Ribeiro

Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.

O deputado federal do PT dispara contra a atual gestão da Prefeitura de Salvador, que está ensombreando as praias com a permissão de construção de altos edifícios, destruindo a nossa Orla. Quem pagará por isso? Qual a punição aos destruidores da outrora linda cidade? E nada é feito para amenizar o grave problema de mobilidade urbana. Triste Bahia!

Tribuna da Bahia – Qual a avaliação do senhor sobre a gestão do prefeito João Henrique?

Zezéu Ribeiro – Eu acho que a administração de João Henrique se apartou da cidade, está a serviço de alguns grupos econômicos. Desde o início passou por dificuldades. Nós fizemos um esforço no primeiro dele de participar, saímos de uma forma que eu acho que foi ruim porque não dialogamos com a sociedade no sentido de mostrar a diferenciação do nosso projeto para o que estava sendo realizado e terminou parecendo um oportunismo eleitoral, retardamos esse processo, saindo sem uma preparação. A população deve ser tratada como aliada, fazendo críticas, mas críticas construtivas, na expectativa de ficar e não na expectativa de sair. Se for fazer uma avaliação a respeito de ficar ou sair, eu assumo também a responsabilidade coletiva disso também, não estamos transferindo para ninguém e o governo foi se esvaindo, perdendo sua legitimidade. Infelizmente, acabamos passando por essa situação.
Tribuna da Bahia – O que o senhor considera ser o maior erro e o maior acerto da gestão de João Henrique?
Zezéu – Olha, o processo, formalmente, se aplica com a deterioração do plano diretor. O plano diretor foi uma encomenda atendendo a determinados segmentos do setor econômico e não da cidade como um todo. A gente vive, então, uma deterioração do espaço urbano, uma dificuldade cada vez maior de mobilidade, por ações até externas, quer dizer, essa volúpia da indústria automobilística… Cada dia chega mais carro do que nasce gente, essa coisa vai crescendo e não tem solução. Ou a gente enfrenta a questão do transporte de massa e cria outro mecanismo de mobilidade urbana, ou a gente pensa a cidade para trabalhar o não transporte… Quer dizer, as pessoas têm acesso a muitos desserviços, que deveriam ter uma relação de vizinhança e não têm. É necessário induzir a localização de equipamentos públicos e privados, criando vantagens para sua localização. Então, a cidade não é olhada com carinho, é olhada como negócio e, aí, ela perde.
Tribuna da Bahia – Qual será o posicionamento do PT em relação a João Henrique?
Zezéu – O PT tem que ter um posicionamento com relação à cidade de Salvador. A gente tem que discutir profundamente a cidade de Salvador, levantar políticas públicas, buscar ajudar a administração no sentido de que melhore a qualidade de vida da população e combater os equívocos da gestão. A gente tem que ganhar a sociedade e pensar na sociedade, construir uma sociedade melhor, se comprometer, desde as suas relações de vizinhança, de vida, de cuidados com a cidade. Precisamos saber que cidade a gente quer. Qual a expectativa dela. Vem a Copa do Mundo. O que é que fica depois do mundial? Como é que a gente vai ter essa cidade? Como é que a Copa pode induzir um processo de maior circulação?
Tribuna da Bahia – O Estado deve assumir um protagonismo maior diante desse processo de carência da administração do município?
Zezéu – Temos que respeitar as instâncias dos dois. Temos objetivos comuns. Temos que debater em qualquer instância, tanto governo federal, estadual e municipal, quanto com o empresariado, que venham a construir PPPs com os entes públicos ou iniciativas privadas específicas, bem localizadas, que estejam articuladas com os projetos da cidade.
*Entrevista à Tribuna da Bahia, 20/12/2010.
Sobre Juarez Duarte Bomfim 741 Artigos
Baiano de Salvador, Juarez Duarte Bomfim é sociólogo e mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), doutor em Geografia Humana pela Universidade de Salamanca, Espanha; e professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Tem trabalhos publicados no campo da Sociologia, Ciência Política, Teoria das Organizações e Geografia Humana. Diversas outras publicações também sobre religiosidade e espiritualidade. Suas aventuras poético-literárias são divulgadas no Blog abrigado no Jornal Grande Bahia. E-mail para contato: [email protected]