Governador defende aprovação imediata da PEC da Pobreza e da Lei Kandir

Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.

Em entrevista coletiva após reunião de governadores de cinco estados com os ministros do Planejamento, Paulo Bernardo, e de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, e o presidente da Câmara dos Deputados, Michel Temer, nesta terça-feira (23/11/2010), em Brasília (DF), o governador Jaques Wagner defendeu entendimento para a votação da PEC 307/2010, que prorroga o Fundo de Combate à Pobreza, e o projeto PLP 532, com mudanças na Lei Kandir, até 31 de dezembro. Wagner justifica a prioridade para que as duas matérias entrem em vigor ainda em 2011.

Segundo o princípio da anualidade, qualquer alteração nesse tipo de legislação aprovada em um ano, só vigora a partir do ano seguinte, e isso causaria impacto negativo nas contas dos estados já em 2011. Os governadores ganharam o aval do Palácio do Planalto para a votação desses dois projetos que beneficiam os estados com mais recursos.

O Fundo de Combate à Pobreza gerou receita de R$ 1,3 bilhão desde 2007 e viabilizou investimentos em ações compensatórias inclusivas, formativas, de infraestrutura social e de geração de renda. O governo baiano considera essencial a prorrogação do fundo para manter o financiamento de ações com foco na redução das desigualdades sociais.

Exigências regimentais

As duas propostas até têm apoio no Congresso, mas a tramitação imediata esbarra nas exigências regimentais que prevêem sessão extraordinária, abrindo brecha para apresentação de requerimentos de parlamentares pedindo a inclusão na pauta da PEC 300, que institui um piso salarial nacional para os policiais civis, militares e bombeiros.

O adiamento desta matéria foi consenso entre os governadores, entre eles os eleitos Antônio Anastasia (MG) e Geraldo Alckmin (SP), além dos líderes dos partidos. A única exceção foi o deputado federal Paulinho da Força (PDT), que antecipou sua intenção de apresentar o requerimento. Diante do impasse, segundo Wagner, os líderes da Câmara vão continuar conversando e os governadores podem ser chamados para novas reuniões.

PEC 300 e Lei de Responsabilidade Fiscal

Sobre a PEC 300 o governador sugeriu buscar uma solução global para a questão da segurança, que não passe apenas pela votação do piso. A estimativa é que a proposta possa gerar um gasto extra de até R$ 43 bilhões. Segundo ele, se o Estado da Bahia pagar o piso, irá extrapolar o limite prudencial para gastos com salários do funcionalismo estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal. Na prática isso inviabilizaria o cumprimento da PEC 300.

Assim como os demais governadores, Wagner está preocupado com o impacto no caixa dos estados, caso o piso seja aprovado imediatamente e sem que haja cobertura orçamentária.

A proposta original prevê a equiparação em relação aos salários dos policiais do Distrito Federal, o mais alto do País. O impacto anual estimado, considerando os 26 estados seria de R$ 43 bilhões, segundo as contas do Ministério do Planejamento apresentadas pelo ministro Paulo Bernardo.

Gasto adicional

O projeto já foi alterado e já não define um valor. Mesmo assim enfrenta fortes resistências. “Se for criar piso nacional para uma, duas, 10 categorias, daqui a pouco os governadores ficam impedidos de fazer gestão de pessoal”, argumentou Jaques Wagner, escolhido como porta-voz dos governadores presentes ao encontro.

Citando a Bahia como exemplo, Wagner estimou um gasto adicional de R$ 700 milhões por ano com a equiparação e que, em São Paulo, o impacto pode chegar a até R$ 9 bilhões. Para ele, é preciso levar em conta as realidades diferentes entre os estados.

O governador eleito de Minas Gerais, Antônio Anastasia alertou que “precisamos ter responsabilidade. Essa PEC é como uma espada de Dâmocles sobre as nossas cabeças”, disse, preocupado com o equilíbrio das contas do seu estado.

Opinião semelhante tem o governador eleito de São Paulo, Geraldo Alckmin: “O Governo de São Paulo é sensível às reivindicações salariais, mas entendo que a proposta deveria ser discutida após a posse e pelo novo Congresso”, sugeriu.

Falando pelo governo federal, o ministro Alexandre Padilha destacou que a orientação para a base aliada é não aprovar projetos que gerem gastos para os próximos governos.

“É importante não aprovar nenhum projeto de lei que gere impactos não previstos no Orçamento. Nós queremos entregar o Brasil ajustado, e a mesma preocupação vale para os estados”, afirmou o ministro.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 112562 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]