Reeleito governador, Jaques Wagner disse que o povo votou em um projeto e que político sem projeto não é nada

Reeleito governador, Jaques Wagner disse que o povo votou em um projeto e que político sem projeto não é nada.
Reeleito governador, Jaques Wagner disse que o povo votou em um projeto e que político sem projeto não é nada.
Reeleito governador, Jaques Wagner disse que o povo votou em um projeto e que político sem projeto não é nada.
Reeleito governador, Jaques Wagner disse que o povo votou em um projeto e que político sem projeto não é nada.

O governador reeleito, Jaques Wagner, disse na noite deste domingo (03/10/2010), que a sua vitória é um reconhecimento do povo baiano ao projeto político que empreende no estado, o mesmo que o presidente Lula realizou no Brasil “estou super grato a população. Trabalhamos como uma equipe e pedimos que o eleitorado votasse em um projeto porque pessoas que não tem um projeto político não são nada”, afirmou.

Wagner assegurou que nos próximos quatro anos não deverá existir inversão do projeto que norteou seu primeiro mandato. “Vamos continuar investindo em geração de emprego, infraestrutura, desenvolvimento social e agricultura familiar e não vamos deixar de lado a transparência, a democracia e a verdade”, disse.

O governador lembrou ainda que, durante toda a campanha, a articulação política, com a ampliação do leque de alianças, e o trabalho extensivo no interior com a militância foram fundamentais para a vitória.

Mudanças

Wagner disse ainda que deverá fazer mudanças nos quadros governamentais nessa nova gestão. “Vamos ter que fazer uma nova arrumação até porque os partidos são outros”, afirmou.

O governador disse ainda acreditar na construção de um projeto político com a hegemonia de um pensamento. “Não acredito em absolutismo, acho que sempre haverá oposição porque vivemos numa democracia, mas sim em um pensamento hegemônico com esse projeto”, finalizou.

Jaques Wagner diz que governo não será o mesmo de 2006, mas ideias e objetivos serão mantidos

Após ser reeleito com mais de 60% dos votos, o governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), disse que não vai manter o mesmo governo. Segundo ele, o cenário político é diferente e, por isso, mudanças são necessárias. Em seu primeiro pronunciamento depois da apuração, Wagner disse que pretende trazer mais investimentos para o estado e gerar mais empregos para a população.

“Deve haver mudanças, mais ainda não há nada muito preciso. Não é o mesmo governo que continua, mas as mesmas ideias e o mesmo objetivo. O vice é outro, os partidos são outros. Além disso, elegemos dois senadores que vão ajudar no governo. O grupo de 2006 é diferente do de 2010. O apoio é maior. Vamos ter mais sucesso e devolver ao povo baiano o carinho e o apoio recebidos em forma de trabalho”, disse o governador petista.

Segundo ele, ainda não há previsão de diálogo com os partidos de oposição. “Vamos trabalhar a partir de amanhã e conversar com os partidos que apoiaram a nossa vitória. Em 2006, montamos o governo com partidos que ajudaram a consolidar a nossa vitória”. De acordo com o governador, as eleições deste ano não foram uma guerra de administração, mas de projetos políticos.

Wagner disse que considera o DEM, partido oposicionista que concorreu com o candidato Paulo Souto, uma força política nacional. “Agora se encerra um ciclo. Agora, como o DEM e o PSDB vão ficar depende deles, não de mim. Em 2006, nós fomos uma aposta. Hoje, nós consolidamos nossas propostas. Quero agradecer ao povo baiano e dizer que ele pode esperar o aceleramento e o aprofundamento das mudanças começadas em 2007. Esse governo vai trabalhar ainda mais”.

A festa do PT da Bahia só não foi completa porque a candidata à Presidência da República, Dilma Rousseff, não ganhou no primeiro turno. O governador, no entanto, disse estar confiante na vitória da candidata petista.

Em Salvador, a festa da vitória de Jaques Wagner ocorre na praça do bairro do Rio Vermelho, o ponto de encontro da militância petista. Hoje (3), durante a apuração, os eleitores baianos puderam acompanhar os resultados por três telões espalhados pela cidade – um no Farol da Barra, um no Rio Vermelho e um no bairro da Ribeira, na Cidade Baixa.

Jaques Wagner vai comandar a Bahia por mais quatro anos

O governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), foi reeleito para o cargo. Com 85,03% das urnas apuradas, ele aparece com 63,56% dos votos válidos. O vice-governador será Otto Alencar (PP).

Em segundo lugar está o ex-governador Paulo Souto (DEM), com 16,25% dos votos, seguido por Geddel Vieira Lima (PMDB), com 15,27% dos votos.

Jaques Wagner nasceu no Rio de Janeiro, no dia 16 de março de 1951. Iniciou a militância política em 1969, presidindo o diretório acadêmico da faculdade de Engenharia da Pontifícia Universidade Católica (PUC-RJ). Em 1973, perseguido pelo regime militar, deixou o curso e saiu do Rio de Janeiro, chegando a Salvador no ano seguinte.

Em 1990, Jaques Wagner iniciou sua carreira parlamentar, conquistando um dos primeiros mandatos do PT baiano na Câmara dos Deputados. Foi reeleito ao cargo de deputado federal em 1994 e 1998. Na Câmara, foi líder da bancada do PT em 1995 e vice-líder entre 1993 e 1998. Dois anos depois, candidatou-se à Prefeitura de Camaçari.

Em 2002, se candidatou ao governo da Bahia, mas foi derrotado. Foi nomeado no primeiro governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ministro do Trabalho e Emprego. Em 2005, assumiu a função de ministro de Relações Institucionais. Em 2006, foi eleito governador do estado.

O candidato Bassuma (PV) obteve 4,3% dos votos válidos, Marcos Mendes (P-SOL) ficou com 0,55% e Sandro Santa Bárbara (PCB) conseguiu 0,08% dos votos.

Luiz Caetano: Wagner consolida liderança nacional

O coordenador político da Coligação “Pra Bahia Seguir em Frente”, Luiz Caetano, prefeito de Camaçari, afirmou que o governador reeleito Jaques Wagner consolida sua liderança nacional, e que seu apoio a Dilma Rousseff será fundamental para a governabilidade presidencial. “Se houver segundo turno na eleição presidencial, Wagner vai ser um dos líderes do bloco de apoio à candidata da Coligação “Para o Brasil Seguir Mudando”, ele sai ainda mais fortalecido de um processo eleitoral em que teve uma votação retumbante e uma das maiores votações proporcionais do país.

Caetano classificou ainda Wagner de “figura extraordinária que pensa não só a Bahia, mas também o Brasil” ao citar a ideia do governador de que criar uma frente de governadores para dar apoio a Dilma no início do seu mandato em 2010.

Veja as tabelas com resultado das eleições 2010

Resultado das Eleições 2010 para Presidente de República, no primeiro turno.pdf

Resultado das Eleições 2010 para Governador da Bahia.pdf

Resultado das Eleições 2010 para Senador da Bahia.pdf

Resultado das Eleições 2010 para Deputado Federal da Bahia.pdf

Resultado das Eleições 2010 para Deputado Estadual da Bahia.pdf

Sobre Carlos Augusto 9517 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).