PMDB é o maior partido no Senado; PT cresce e é a segunda força

Jornal Grande Bahia compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia compromisso em informar.

As eleições deste domingo aumentaram, no Senado, a força dos partidos que dão suporte ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Importantes líderes da oposição não voltarão ao Senado para o período que começa em 2011 e vai até 2019. Além de sentir a ausência de nomes como Arthur Virgílio (PSDB-AM), Tasso Jereissati (PSDB-CE), Marco Maciel (DEM-PE) e Heráclito Fortes (DEM-PI), que perderam as eleições, os partidos de oposição encolheram. O PSDB caiu de 16 para 10 senadores, e o DEM foi de 13 para apenas 6.

Enquanto isso, o PMDB sai de 17 parlamentares para 21, e o PT vai de 8 para 14. Mas não é simples chegar a esses números. Pois a contagem de senadores passa não somente pelos eleitos neste domingo. É preciso levar em conta que alguns senadores que teriam mandato até 2015 disputaram eleições para governadores de estado. Renato Casagrande (PSB) foi eleito governador do Espírito Santo e em seu lugar assume Ana Rita Esgário (PT). Rosalba Ciarlini (DEM) é a governadora eleita do Rio Grande do Norte, e deixa sua vaga no Senado com Garibaldi Alves, do PMDB, pai do senador reeleito Garibaldi Alves Filho (RN), também do PMDB.

Outro que deixa o Senado em razão de uma vitória é Raimundo Colombo (DEM), eleito governador de Santa Catarina. Isto também muda a correlação de forças das bancadas na Casa. Pois seu suplente é Casildo Maldaner, do PMDB. Atualmente, porém, exerce o mandato a segunda suplente, Níura Demarchi, do PSDB. Tião Viana (PT) foi eleito governador do Acre, mas seu suplente também é petista: Aníbal Diniz.

Uma outra questão coloca o tamanho das bancadas em jogo. É que as eleições para senador nos estados do Pará, de Amapá e da Paraíba estão sub judice. Vários candidatos bem votados foram impugnados pela Justiça Eleitoral com base na Lei da Ficha Limpa. Como o Supremo Tribunal Federal (STF) ainda não julgou a aplicabilidade da lei nestas eleições, não se sabe se Jader Barbalho (PMDB-PA), Paulo Rocha (PT), João Capiberibe (PSB-AP) e Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) serão ou não considerados aptos para se eleger. Assim, as eleições de Flexa Ribeiro (PSDB-PA), Marinor Brito (PSOL-PA), Gilvam Borges (PMDB-AP) e Wilson Santiago (PMDB-PB) esperam a decisão da Justiça. Por enquanto, são eles que figuram entre os eleitos.

No caso do Pará, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral Ricardo Lewandowski já adiantou que a votação dos candidatos impugnados Jader e Paulo Rocha somou 57% dos votos, o que pode provocar a anulação desta eleição e a marcação de outra. A lei estabelece que, havendo anulação de mais da metade dos votos, haverá nova eleição.

Ainda nesta madrugada, havia dúvida quanto ao senador eleito em Rondônia. A Justiça Eleitoral acabou por confirmar a candidatura de Ivo Cassol (PP), o que tirou a vaga de Fátima Cleide (PT), que tentava a reeleição.

Veja aqui a configuração das bancadas em fevereiro de 2011, já considerando os suplentes dos senadores eleitos para governos de estados.

Redação do Jornal Grande Bahia
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 108822 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]