Paquistão: situação segue crítica 11 semanas após cheias

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Jornal Grande Bahia compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia compromisso em informar.

Segundo Acnur, as enchentes continuam na província de Sindh, no sul; mais de 1,6 milhão estão desabrigados.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, Acnur, afirmou que a situação no Paquistão permanece crítica 11 semanas após as cheias que afetaram mais de 20 milhões de pessoas no país.

Numa nota, divulgada nesta terça-feira, o Acnur disse que a província de Sindh, no sul do Paquistão, ainda está sofrendo com fortes chuvas e inundações.

Mídia

Pelo menos 1,6 milhão de pessoas ficaram desabrigadas.

O encarregado do Escritório de Assistência Humanitária das Nações Unidas, Carlos Monteiro Pereira, disse à Rádio ONU, de Nova York, que apesar da atenção da mídia ter se deslocado um pouco das cheias no Paquistão, o trabalho no terreno continua no país.

“As áreas que mais necessitam de assistência, neste momento, são assistências alimentar, abrigo, água, saúde e saneamento. Continuamos muito engajados com o governo, as autoridades e claro com a comunidade internacional”, informou.

Escolas

O Acnur afirmou que está preocupado com cerca de 1,7 milhão de refugiados em outras regiões do Paquistão incluindo o Baluquistão. Segundo o Unicef, as escolas foram reabertas no mês passado e muitas famílias já teriam começado a retornar para seus vilarejos. Até o fim do mês passado, muitas escolas ainda serviam de abrigos temporários.

No último dia 1º, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Pnud, lançou uma iniciativa de US$ 120 milhões, equivalentes a mais de R$ 200 milhões, para ajudar na reconstrução do país.

*Com informações da Rádio ONU em Nova York

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 113500 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]