Governo do Equador sai fortalecido de crise e radicaliza política de esquerda

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Jornal Grande Bahia compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia compromisso em informar.

Quito, 9 set (EFE).- O Governo do Equador sai fortalecido da crise provocada pela recente rebelião abafada e se inclinará ainda mais radical à esquerda com expropriações de terras e a expulsão dos banqueiros do conjunto de acionistas da imprensa, disse à Agência Efe René Ramírez, secretário nacional de Planejamento e Desenvolvimento.

A revolta de policiais e de alguns militares em 30 de setembro revelou um aparente descontentamento entre as forças de segurança, mas o Governo não cedeu à oposição.
Pelo contrário, a atitude do Executivo de Rafael Correa foi “radicalizar” seu projeto político, segundo palavras do próprio presidente.

Ramírez é o homem encarregado de pôr os detalhes a essa declaração. “Queremos ter um Governo muito mais progressista, mais voltado à esquerda”, disse em entrevista à Efe.

Apesar da traumática sublevação de 30 de setembro, durante a qual Correa ficou boa parte do dia retido em um hospital, o Governo equatoriano se sente fortalecido após constatar o apoio popular.

O Equador é um país com longa experiência de instabilidade política. “A cidadania saía para derrubar presidentes. Esta é a primeira vez na história em que sai para defender um presidente, defender um projeto político”, argumentou Ramírez.

No dia da revolta, milhares de pessoas responderam ao pedido do Governo e foram ao hospital onde Correa ficou cercado, enquanto as manifestações contra o líder se viram muito menores.
Após o motim, a popularidade do presidente disparou para 75%, segundo o instituto de pesquisas Santiago Pérez, e para 58%, de acordo com o instituto Cedatos, este considerado pelo Governo como vinculado ao seu maior rival político, o ex-presidente Lucio Gutiérrez (2003-2005).

Esse apoio nas ruas, nas pesquisas e também, como indicou Correa, na Assembleia Nacional, deu ânimos ao Governo para “aprofundar” seus planos políticos.

Entre eles está acelerar a reforma agrária, mediante a distribuição de terras baldias do Estado, a desapropriação de terrenos privados improdutivos e a elevação dos impostos desse tipo de propriedade para forçar os donos a vender, explicou Ramírez.

O Governo também pretende que os bancos públicos ajudem os funcionários de empresas nacionalizadas durante a crise bancária de 1999 a comprarem a Agência de Garantia de Depósitos (AGD), uma entidade governamental.

Seu objetivo, segundo Ramírez, é buscar “formas de propriedade republicana, chamemos assim”. O Executivo propôs também um programa de “substituição seletiva de importações”, que prevê o aumento das tarifas e o fornecimento de incentivos à produção, ou seja, o caminho oposto ao livre-comércio.

Além disso, o Governo pretende reduzir a porcentagem de ações que os bancos poderão ter nos meios de comunicação, abaixo do máximo de 25% contemplado até o momento.
“Do meu ponto de vista, tem de ser 0%”, exclamou o secretário.

Por outro lado, o superintendente de Telecomunicações do Equador, Fabián Jaramillo, indicou que obrigar os banqueiros a vender todas as ações em meios de comunicação provocaria o “caos” no país, pois podem possuí-las de forma indireta, através de um consórcio ou uma cooperativa.

Ramírez afirmou que o Governo estuda agora maneiras de como eliminar o mais rápido possível essa presença no conjunto de acionistas, para que a imprensa não se submeta “aos grupos de interesse”.

“Se não se pode chegar a esse 0%, será necessário ver qual é esse mínimo que consiga a não-intervenção na objetividade da produção de informações”, declarou.

Em 20 de outubro, vence o prazo para que os banqueiros e seus parentes vendam as ações nos meios de comunicação do Equador que ultrapassem esses 25%.

Ao mesmo tempo, o Governo segue sem se desfazer de duas emissoras televisivas nacionalizadas, antes pertencentes a um grupo bancário falido. O Governo prometeu há anos que venderia no prazo de seis meses as redes “Gama TV” e a “TC Televisión”.

Os canais fazem parte de uma ampla rede midiática controlada pelo Governo, que também interrompe a programação das emissoras privadas para transmitir programas nos quais costuma criticar a oposição.

Ramírez destaca que esse poder midiático do Governo contribui “à pluralidade de vozes” no país.

*Com informações do Deustche Welle

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 113790 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]