Feira de Santana perde representação na Câmara Federal e ganha na Assembleia Legislativa, passando a contar com quatro parlamentares

Feira de Santana perde representação na Câmara Federal e ganha na Assembleia Legislativa, passando a contar com quatro parlamentares.
Feira de Santana perde representação na Câmara Federal e ganha na Assembleia Legislativa, passando a contar com quatro parlamentares.

Colbert Martins e Sérgio Carneiro não conseguiram obter a reeleição para deputado federal, perdendo votos em relação à eleição de 2006.

O médico Colbert Martins com a sua posição equidistante das pessoas e sem debater com a sociedade as questões que eram propostas pela Câmara Federal, foi ganhando antipatias, resistências e adversários políticos.

Distante dos meios de comunicação, com quem fala apenas quando lhe é conveniente e sempre que existia um problema de ordem nacional, estadual ou local se escondia da imprensa, selecionando os poucos interlocutores com quem falar e evitando um posicionamento claro sobre os temas em debate, o que o levou a distanciar-se do eleitor feirense.

Que o reconhece como uma pessoa integra, mas incapaz de estabelecer uma interlocução ampla com a sociedade. Também a sua posição histórica, ora contra Lula, ora a favor, ora com Jaques Wagner e depois se tornando adversário, levou a sua derrota e encolhimento eleitoral. Colbert obteve a 41º posição, com 68.556 (1,03%), sendo o primeiro suplente da coligação liderada pelo PMDB.

O advogado Sérgio Carneiro sofreu um duro revés com a perda do apoio do MST da Bahia. Seu principal aliado na eleição passada, Valmir Assunção, passou a concorrer com ele, disputando votos. Alguns analistas estipulam em 25 mil votos à sangria sofrida pelo deputado. Na câmara Federal buscou manter-se aberto a sociedade baiana e feirense, onde sempre mantinha interlocuções sobre os temas em debate, utilizando a imprensa.

Sem construir lideranças fortes nos bairros e em constante rota de colisão com o petista Zé Neto, Sérgio não consegui crescer substancialmente junto ao eleitorado feirense, o que também contribui para a sua derrota. Ele é o terceiro suplente da coligação, atrás de Acelino Popó (PRB, 43º mais voto, 60.338 (0,90%)) e de Emiliano José, que configura na 44º posição (PT, 60.193 (0,90%)).

Deputados Federais

Dois deputados federais não obtiveram reeleição, Colbert Martins (PMDB, Nº 1567, Votos: 68.556 (1,03%)) e Sérgio Barradas Carneiro (PT, Nº 1300, Votos: 55.552 (0,83%)). Único deputado federal eleito por Feira de Santana, Fernando Torres do Democratas (Nº 2528), obteve a 19º colocação entres os candidatos, com 79.204 Votos (1,18% do total de votos válidos).

A Bahia tem eleitorado total de: 9.544.368, Foram apurados: 9.544.368 (100,00%), houve abstenções de 2.057.633 (21,56%) de eleitores, comparecerem: 7.486.735 (78,44%), votaram para deputado federal: 7.486.735. Foram computados votos em branco: 461.490 (6,16%) e votos nulos: 341.234 (4,56%). Foram totalizados 6.684.011 (89,28%) votos válidos para deputado federal na Bahia.

Deputados Estaduais

Entre os deputados estaduais eleitos por Feira de Santana, configuram: na 4º posição entre os mais votados, Zé Neto (PT, Nº 13123, Votos: 81.223 (1,20%)); 12º posição Graça Pimenta (PR, Nº 22123, Votos: 64.935 (0,96%)); 23º posição Pastor José de Arimatéia (PRB, Nº 10456, Votos: 56.896 (0,84%)); 58º posição Carlos Geilson (PTN, Nº 19170, Votos: 37.205 (0,55%)).

Das cidades circunvizinhas foram eleitos: Ângelo Coronel por Coração de Maria e Targino Machado por São Gonçalo dos Campos

Foram computados para deputado estadual: 6.782.096 (90,59%) votos válidos, 385.945 (5,16%) votos em branco e 318.694 (4,26%) votos nulos.

Confira as tabelas com resultado das eleições 2010

Resultado das Eleições 2010 para Presidente de República, no primeiro turno.pdf

Resultado das Eleições 2010 para Governador da Bahia.pdf

Resultado das Eleições 2010 para Senador da Bahia.pdf

Resultado das Eleições 2010 para Deputado Federal da Bahia.pdf

Resultado das Eleições 2010 para Deputado Estadual da Bahia.pdf

Sobre Carlos Augusto 9462 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).