A arte de bem receber | Por Juarez Duarte Bomfim

Debaixo da varanda de Luciano o arco-íris desova fios de amor, tons sobre tons num pergolado recoberto por nenúfares de palavras.Debaixo da varanda de Luciano o arco-íris desova fios de amor, tons sobre tons num pergolado recoberto por nenúfares de palavras.


Debaixo da varanda de Luciano o arco-íris desova fios de amor, tons sobre tons num pergolado recoberto por nenúfares de palavras.

Debaixo da varanda de Luciano o arco-íris desova fios de amor, tons sobre tons num pergolado recoberto por nenúfares de palavras.

O dublê de gourmet e estudioso da antropologia da alimentação, Luciano Ferreira, seguindo os passos do seu saudoso mestre, Vivaldo Costa Lima, promete aprofundar as pesquisas e trazer inovadores pratos para deleite dos seus amigos e convivas no espaço gastronômico recém-inaugurado, a Varanda de Luciano.

Domingo ensolarado. Apesar da falta das polêmicas barracas de praia, os baianos retomam seus hábitos e voltam a ocupar a Orla Marítima. Resultado: trânsito lento por toda a Costa até ao bairro de Stela Maris, nosso destino.

Chegamos. Logo ao portão o simpático anfitrião nos recebe com o seu indefectível chapéu panamá, barba branca e sorriso búdico no rosto.

Sim, é ele, Luciano Serva Ferreira, economista de profissão e barraqueiro de vocação. Almirante das Areias do Mar da Bahia. Agora em doce exílio na rede da sua Varanda.

E é de lá, bucólica alameda praiana, entre pintassilgos e rouxinóis, orquídeas e bromélias, que Luciano promete revolucionar a gastronomia baiana, inaugurando o movimento de resgate da culinária regional reconcavense, pois ele considera que, em tempos de globalização, há lugar para o local.

Ao almoço, fomos surpreendidos por uma imprevisível e deliciosa “moqueca de maturi com siri catado”. E as opções eram múltiplas: variavam entre “maturi com camarão”, “maturi ao peixe vermelho”… entre outras iguarias, para todos os gostos.

O dublê de gourmet e estudioso da antropologia da alimentação, Luciano Ferreira, seguindo os passos do seu saudoso mestre, Vivaldo Costa Lima, promete aprofundar as pesquisas e trazer inovadores pratos para deleite dos seus amigos e convivas no espaço gastronômico recém-inaugurado, a Varanda de Luciano. Que inspirou o sempre inspiradíssimo poeta Fernando Coelho a homenagear “A varanda do arco-íris”, que postarei a seguir.

Luciano se tornou um ávido leitor de Manuel Quirino, autor do antológico “A arte culinária na Bahia”, que descreve um incrível ritual novecentista nas abastadas casas da época, onde, depois de servido o almoço, ao seu término a cozinheira-mor era chamada ao salão para receber aplausos e honrarias de sua grata clientela.

Desta mesma maneira tivemos vontade de homenagear a fiel escudeira Zefa, cozinheira-chefe do quartel general lucianístico. Na sua recata timidez, a Zefa não deu as caras no avarandado recinto. Mas não faltará oportunidade.

É preciso mencionar que tal ágape festivo, em prazerosa tarde soteropolitana, tinha uma bem cuidada trilha sonora de fundo, obra de um brasileiríssimo amigo Brasileiro — dublê de jurisconsulto e DJ amador.

Sem mais palavras, passo o vocábulo para o Coelho escritor:

“Debaixo da varanda de Luciano o arco-íris desova fios de amor, tons sobre tons num pergolado recoberto por nenúfares de palavras. O cheiro da moqueca e dos quitutes embriaga nossa infância rediviva. as cachaças da serra, da chapada e do derredó do Recôncavo minam a garganta. Os pintassilgos em festa recobrem a varanda de festas do tempo. As lembranças nos devolvem as carícias do primeiro amor na velocidade do beija-flor que plana e desafia os olhos já em chamas de tanta saudade. Bem aqui, na varanda de Luciano, a lua reencontra seu destino. Itapuã se reflete no canto da rua. O por do sol se queda numa folha de mangueira. Aqui, na varanda de Luciano é um bom lugar para encontrar o amor perdido. é para não fazer nada e dizer tudo. é para chorar, com motivo e sem motivo. a varanda de Luciano é um lugar para além das recordações.”

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

About the Author

Juarez Duarte Bomfim
Baiano de Salvador, Juarez Duarte Bomfim é sociólogo e mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), doutor em Geografia Humana pela Universidade de Salamanca, Espanha; e professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Tem trabalhos publicados no campo da Sociologia, Ciência Política, Teoria das Organizações e Geografia Humana. Diversas outras publicações também sobre religiosidade e espiritualidade. Suas aventuras poético-literárias são divulgadas no Blog abrigado no Jornal Grande Bahia. E-mail para contato: [email protected]